Cirurgia

O que causou minha apendicite, doutor?

Tempo de leitura: 2 min.

É extremamente comum na vida de um cirurgião geral a pergunta por parte do paciente qual foi a causa da apendicite dele. Normalmente as explicações são técnicas e recaem sobre dados estatísticos, sendo no adulto a causa mais frequente a presença de fecalitos. 

No entanto, sempre há uma correlação familiar de apendicite, e os próprios pacientes criam a hipótese de ser algo geneticamente relacionado. Estatisticamente esta relação existe, porém pela grande incidência de casos é difícil fazer esta correlação direta, isto é, a apendicite aconteceu pelo acaso ou teve um componente genético que influenciou o acometimento inflamatório do apêndice?

Leia também: Avaliação do risco cirúrgico em pacientes vacinados contra Covid-19 e cirurgias eletivas

O trabalho publicado na JAMA Surgery, analisou amostras genéticas de voluntários, e buscou variações que pudessem auxiliar na descoberta genética de causa de apendicite. 

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas
Cadastrar Login

Método e resultados

Um total de 29.706 voluntários foram incluídos no estudo sendo que 1.743 tinham uma história prévia de apendicite aguda, e os que não possuíam foram utilizados como grupo controle. O grupo apendicite possuía uma maior chance de ser fumante e maior tendência à obesidade (p < 0,001 e p < 0,1, respectivamente).

Em uma área do cromossoma 18q, próxima a região NEED4L, foi identificado um gene com associação com apendicite com risco relativo 0.99; 95% IC, 0,98-1,00. Também foi realizada uma análise de algumas amostras do apêndice inflamado, a qual também demonstrou uma maior produção de RNA relacionados ao gene.

Discussão

Neste estudo foi identificado um novo locus no cromossoma 18q, associado a apendicite aguda que no caso familiar chega a 30%. Além disto a análise molecular dos espécimes cirúrgicos também demonstraram um aumento de RNA, relacionados ao gene identificado.

Esta é a primeira vez que um gene da região NEED4L é associado à apendicite aguda. Alguns outros estudos buscaram uma associação genética para apendicite porém em outras localidades do cromossoma. Demais estudos fizeram associação com outros genes porém não foram reproduzidos os mesmos achados quando aplicados em outras populações. 

Saiba mais: Apendicite aguda: você sabe fazer uma apendicectomia videolaparoscópica?

Um dos mecanismos relacionados a este gene seria um aumento da expressão de canais de sódio. Isto causa uma maior absorção de água para o intracelular que consequentemente irá aumentar o volume da parede do apêndice cecal, e causar a obstrução da luz apendicular.

Conclusão

Apesar da identificação feita neste estudo, com uma associação entre causa e efeito são necessários maiores estudos para caracterizar o território genético da apendicite aguda.

Para levar para casa

Ainda é bastante precoce para afirmarmos que a apendicite é uma doença genética. Sabemos que há uma predisposição familiar, porém ainda não temos comprovação genética. Caso se comprove a associação, voltaremos à discussão se é eticamente recomendável apendicectomias preemptivas, seja durante outras operações abdominais ou até mesmo mesmo agendadas. 

Autor(a):

Referências bibliográficas:

  • Mohammed MK, Zuckerbraun BS. NEDD4L Polymorphism and Acute Appendicitis and the Need for a Deeper Dive. JAMA Surg. Published online July 28, 2021. doi:10.1001/jamasurg.2021.3304
Compartilhar
Publicado por
Felipe Victer
Tags: apendicite

Posts recentes

Os novos anticoagulantes orais estão sendo mais utilizados que os antagonistas da vitamina K em pacientes com FA?

Os novos anticoagulantes surgiram como uma alternativa e mostraram eficácia e segurança semelhante ou melhor…

16 horas atrás

Whitebook: coombs indireto – o que é e como solicitar?

Essa semana, falamos sobre o coombs indireto em obstetrícia. Em nossa publicação de conteúdos do…

20 horas atrás

Diagnóstico de policitemia vera: conceitos importantes

Policitemia vera é uma síndrome mieloproliferativa caracterizada por aumento da massa eritrocitária. Saiba mais.

2 dias atrás

AAP 2021: avaliação de sepse tardia e terapia empírica em prematuros extremos

O objetivo de um estudo apresentado na AAP 2021 foi definir a frequência da sepse…

2 dias atrás

Podcast da Pebmed: dissecção da artéria vertebral. Como diagnosticar e tratar? [podcast]

No episódio de hoje, Henrique Cal, vai discutir sobre causas que podem levar à dissecção…

2 dias atrás

Destaque das diretrizes no manejo do tabagismo

O tabagismo é a principal causa de morte evitável no mundo. Atualmente são cerca de…

2 dias atrás