Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Colunistas / O que diz a nova diretriz de supercrescimento bacteriano do intestino delgado (SCBID)?
Representação gráfica do supercrescimento bacteriano do intestino delgado (SCBID)

O que diz a nova diretriz de supercrescimento bacteriano do intestino delgado (SCBID)?

Esse conteúdo é exclusivo para
usuários do Portal PEBMED.

Tenha acesso ilimitado a todos os artigos, quizzes e casos clínicos do Portal PEBMED.

Faça seu login ou inscreva-se gratuitamente!

O supercrescimento bacteriano do intestino delgado (SCBID) é definido pelo número excessivo de bactérias no intestino delgado, levando a sintomas gastrointestinais. Essas bactérias são geralmente coliformes, tipicamente encontrados no cólon, e incluem, predominantemente, espécies gram negativas aeróbicas e anaeróbicas capazes de fermentar carboidratos.

Leia também: Recomendações para uso de probióticos em patologias gastrointestinais

Sintomatologia

Os sinais e sintomas de SCBID surgem da má-absorção de nutrientes, alteração da permeabilidade intestinal, inflamação e/ou ativação do sistema imune secundária a fermentação bacteriana patológica no intestino delgado. Geralmente, o quadro clínico é caracterizado por náusea, flatulência, distensão abdominal, dor abdominal, diarreia e/ou constipação intestinal. Em casos graves, pode haver perda de peso, esteatorreia, anemia e deficiência de vitaminas lipossolúveis e B12.

Saiba mais: Supercrescimento fúngico intestinal: uma condição patológica pouco conhecida

Diagnóstico

A medida objetiva do número de bactérias pode ser feita por meio de cultura de aspirado duodenal ou jejunal (padrão ouro), sendo considerado positivo para SCBID a presença de ≥ 103 unidades formadoras de colônia por microlitro. Entretanto, por ser um método invasivo e dispendioso, é muito pouco utilizado na prática clínica.

Um método alternativo indireto para o diagnóstico do SCBID consiste na medida seriada do hidrogênio/metano do ar expirado após ingestão de uma quantidade pré-determinada de um carboidrato, como glicose ou lactulose. Esse teste se baseia na incapacidade de células humanas produzirem esses tipos de gases, os quais seriam majoritariamente provenientes da fermentação bacteriana.

As diretrizes mais recentes recomendam considerar positivo um aumento no hidrogênio expirado de pelo menos 20 ppm dentro de 90 minutos após a ingestão de 75 g de glicose ou 10 g de lactulose, em relação ao valor basal aferido antes da ingestão do substrato. Já para o metano, considera-se alterada a exalação mais de 10 ppm em qualquer momento do teste.

Alguns autores, denominam essa entidade de supercrescimento metanogênico intestinal e não de SCBID, uma vez que o gás metano produzido é proveniente de microoganismos do domínio Archaea, não de Bacteria. Revisão sistemática de Khoshini et al. demonstrou sensibilidade da lactulose de 31-68% e especificidade de 44-100%, enquanto o substrato glicose obteve sensibilidade de 20-93% e especificidade de 30-86%, quando comparado a cultura de aspirado intestinal. O teste do hidrogênio expirado com lactulose tem sido criticado pelo grande número de falsos positivos em pacientes com trânsito intestinal acelerado, uma vez que o carboidrato será fermentado também no cólon. Já o teste com glicose apresenta como limitação uma menor sensibilidade para SCBID distal, uma vez que a glicose será absorvida no duodeno proximal.

Fatores de risco associados a SCBID

A tabela abaixo traz alguns exemplos de fatores de risco que contribuem para o surgimento do SCBID.

Causas mecânicas Neoplasia de intestino delgado
Volvo
Intussuscepção intestinal
Causas pós-cirúrgicas
Divertículos de delgado
Causas sistêmicas Diabetes
Esclerose sistêmica
Amiloidose
Alterações de motilidade Síndrome do intestino irritável
Pseudo-obstrução intestinal
Miopatias viscerais
Doença de Parkinson
Doenças mitocondriais
Medicações Derivados opioides
Agentes antisecretórios potentes
Má absorção Cirrose
Doença de Crohn
Insuficiência pancreática
Imunorrelacionadas SIDA
Imunodeficiência comum e variável
Deficiência seletiva de IgA
Outros Idade avançada

Recomendações da diretriz do Colégio Americano de Gastroenterologia

  1. O teste do hidrogênio expirado com glicose ou lactulose deve ser recomendado para diagnóstico de SCBID em pacientes com síndrome do intestino irritável.

– Metanálise recente sugere que até 78% dos pacientes com síndrome do intestino irritável apresentem SCBID associado.

  1. Sugere-se realizar teste do hidrogênio expirado com glicose ou lactulose em pacientes sintomáticos com suspeita de alteração de motilidade intestinal.
  2. É sugerido realizar teste do hidrogênio expirado com glicose ou lactulose em pacientes sintomáticos com cirurgia abdominal prévia.
  3. Sugere-se não utilizar o teste do hidrogênio expirado com glicose ou lactulose em pacientes assintomáticos em uso de inibidor de bomba de prótons (IBPs).

– É controverso o aumento de risco de SCBID com uso de IBPs

  1. Sugere-se realizar teste do metano expirado com glicose ou lactulose em pacientes sintomáticos com constipação intestinal.

– A produção de metano, especialmente pela Methanobrevibacter smithii, é associada a constipação intestinal.

  1. Sugere-se o uso de antibióticos para tratamento de SCBID em pacientes sintomáticos.

– A diretriz recomenda evitar o tratamento empírico dado o aumento de bactérias multirresistentes. O tempo de tratamento é controverso, mas a maioria dos trabalhos utilizou o antibiótico por 7-10 dias. A recorrência do quadro deve ser tratada em esquema de rodízio de antibióticos. No entanto, deve-se sempre objetivar remover o fator de risco associado ao SCBID, reduzindo assim as recidivas.

Opções de antibiótico para supercrescimento bacteriano do intestino delgado (SCBID)

Antibiótico Dose Eficácia
Rifaximina 550 mg TID 61-78%
Amoxicilina-clavulanato 875/125 mg BID 50%
Ciprofloxacino 500 mg BID 43-100%
Metronidazol 250 mg TID 43-87%
Norfloxacino 400 mg BID 30-100%
Tetraciclina 250 mg QID 87,5%
Sulfametoxazol-trimetoprim 800/160 mg BID 95%

 Autor(a):

Referências bibliográficas:

  • Pimentel M, et al. ACG Clinical Guideline: small intestinal bacterial overgrowth. Am J Gastroenterol. 2020; 115:165–178.

Um comentário

  1. Avatar
    Hamilton Bernardes Junior

    Parabéns pelo artigo. Muito bom.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.