Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Ortopedia / O que é e como identificar a “medula ancorada”?
epilepsia

O que é e como identificar a “medula ancorada”?

Acesse para ver o conteúdo
Esse conteúdo é exclusivo para usuários do Portal PEBMED.

Para continuar lendo, faça seu login ou inscreva-se gratuitamente.

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

Tempo de leitura: < 1 minutos.

Medula ancorada é um diagnóstico incomum geralmente dado durante a infância ou no início da fase adulta, caracterizado pelo não desenvolvimento do filo terminal medular. Decorrente disso, a medula fica presa ao nível da coluna lombar baixa ou mesmo ao nível sacral.

A suspeita clínica é levantada geralmente na infância, a partir de alguma alteração de pele na região lombar que levante a suspeita de doença oculta medular. Alterações podem ser muito visíveis desde o nascimento ou mesmo discretas como um tufo de cabelo ou pequeno orifício. O exame do neonato, portanto, torna-se fundamental para a identificação da alteração e aumento da suspeição clínica.

Não é regra a ocorrência de alterações externas, e, nestes casos, o diagnóstico acaba sendo realizado mais tardiamente, a partir do aparecimento de sinais e sintomas de comprometimento de raízes medulares, sendo estes: atrofia muscular dos membros inferiores, dor lombar e/ou neuropática e fraqueza de membros inferiores. Pacientes apresentando quadros suspeitos devem ser encaminhados para exame de imagem para investigação medular, sendo o padrão ouro a ressonância magnética de toda a medula. Vale destacar a importância de mapear toda a medula, dado que há risco aumentado de outras alterações congênitas concomitantes.

Leia mais: Quiz: dor recorrente na coluna dorsal – qual é a causa?

O tratamento é cirúrgico, embora haja na literatura indicações de conduta expectante para pacientes assintomáticos. Para estes casos, no entanto, evidências mostram um piora dos casos ao assumir conduta clínica expectante.

Autor:

Avatar

Referências

  • Agarwalla, Pankaj K., et al. “Tethered cord syndrome.” Neurosurgery Clinics of North America 18.3 (2007): 531-547.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.