Saúde Pública

O que é preciso saber sobre o gás sarin

Sarin é um produto químico altamente venenoso, que age interferindo com a sinalização dentro do sistema nervoso e causando a morte. O gás tem sido cada vez mais utilizado em ataques terroristas.

Separamos algumas informações importantes sobre as origens, efeitos e tratamento do produto químico:

1. Originalmente um pesticida

Segundo o Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos, Sarin foi desenvolvido em 1938 na Alemanha, inicialmente como um pesticida. Sarin, juntamente com alguns pesticidas e agentes nervosos, pertence a uma família de produtos químicos chamados organofosforados.

O sarin foi proibido pela Convenção sobre Armas Químicas em 1997.

2. Claro e incolor

Em sua forma líquida, o sarin é claro, incolor, inodoro e insípido. O produto químico pode evaporar, sendo “respirado” por pessoas próximas. Durante um ataque que aconteceu na Síria no dia 4 de abril deste ano, o sarin foi espalhado durante um ataque com bomba.

Quer receber diariamente notícias médicas no seu WhatsApp? Cadastre-se aqui!

3. Produto químico venenoso

O sarin age bloqueando a enzima das junções neuromusculares do corpo humano que desativa a acetilcolina, molécula de sinalização nervosa.

Sem essa “desativação”, a acetilcolina estimula repetidamente os receptores das células nervosas. Isso pode levar a acetilcolina a acumular-se nos músculos, causar espasmos excessivos e, em seguida, resultar em paralisia e, eventualmente, a morte.

O produto químico também pode atingir a mesma enzima nas glândulas, o que pode levar à liberação excessiva de fluidos. Por esta razão, pessoas expostas ao sarin (pelo contato ou inalação) podem experimentar diarreia, excesso de fluidos decorrentes dos olhos, narizes, bocas, glândulas sudoríparas e do trato urinário.

4. Tratamento

Dependendo da rota e dos níveis de exposição, sarin pode causar sintomas em poucos segundos. Indivíduos expostos ao produto devem se descontaminar rapidamente, removendo suas roupas, lavando a pele com água e sabão e boca e os olhos com água.

Para pacientes que sofrem de espasmos e paralisia, a atropina, que bloqueia receptores de acetilcolina, poupa os músculo do corpo de estimulação excessiva. A pralidoxima remove o sarin da enzima que impede a acumulação de acetilcolina. No entanto, ambos os medicamentos devem ser administrados em até 10 minutos após a exposição para ser eficaz.

Referências:

Compartilhar
Publicado por
Vanessa Thees

Posts recentes

Síndrome de Ramsay Hunt: o que preciso saber?

Em 1907, James Ramsay Hunt descreveu diversos casos médicos que hoje configuram a Síndrome de…

17 minutos atrás

É possível a redução e suspensão dos anti-TNF em pacientes com espondiloartrites e artrite psoriásica?

O uso de anti-TNF está relacionado ao aumento no risco de infecções e reações, além…

1 hora atrás

WONCA 2022: 7 valores centrais sobre o que é exercer medicina de família

O segundo dia do WONCA 2022 teve um marco histórico para a construção da identidade…

2 horas atrás

WONCA 2022: Uso da inteligência artificial na APS pode solucionar o problema do acesso?

Foi apresentado no WONCA 2022 uma alternativa para o uso da inteligência artificial para a…

3 horas atrás

Junho vermelho: tire suas dúvidas e seja doador de sangue

A campanha junho vermelho foi criada pela OMS com o objetivo incentivar e sensibilizar a…

3 horas atrás

Somente 22% das brasileiras que sofreram aborto buscaram atendimento psicológico, indica pesquisa

Apenas 22% das mulheres que sofreram um aborto procuraram atendimento médico. Veja detalhes da pesquisa…

4 horas atrás