Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Anestesiologia / O que fazer quando não se pode realizar transfusão sanguínea em um paciente?

O que fazer quando não se pode realizar transfusão sanguínea em um paciente?

Acesse para ver o conteúdo
Esse conteúdo é exclusivo para usuários do Portal PEBMED.

Tenha acesso ilimitado a todos os artigos, quizzes e casos clínicos do Portal PEBMED.

Faça seu login ou inscreva-se gratuitamente!

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

Devido ao grande número de pacientes que se recusam a serem transfundidos por razões religiosas, como as testemunhas de Jeová, assim como aos riscos que se corre ao se realizar uma transfusão sanguínea, a medicina vem cada vez mais tentando estudos e terapias alternativas para encarar esses tipos de situações.

Mais precisamente, esses estudos estão focados em pacientes cirúrgicos, onde a iminência de transfusão é mais emergencial do que na prática clínica. De forma resumida, os protocolos para a não transfusão estão voltados basicamente para o tratamento da anemia pré-operatória, uso da auto-hemotransfusão intraoperatória (cellsaver) e a minimização da perda de sangue colhida nos procedimentos laboratoriais.

A maioria dos pacientes que recusam a transfusão sanguínea são por motivos religiosos e os componentes primários do sangue, como concentrados de hemácias e hemoglobina, são estritamente proibidos, assim como a transfusão autóloga, pois o sangue não pode “sair do corpo” do paciente. Componentes secundários, como crioprecipitado, albumina, trombina e fatores de coagulação podem ser utilizados, assim como auto-hemotransfusão intraoperatória. Estima-se que haja mais de 8 milhões de pessoas testemunhas de Jeová mundialmente.

Mais da autora: Como realizar a intubação com paciente acordado?

Manejo de paciente que não pode fazer transfusão

O princípio básico para o manejo desses pacientes é o controle e tratamento da anemia e da possibilidade de sangramento intraoperatório. Pela Organização Mundial de Saúde (OMS) é considerado anemia uma taxa de hemoglobina menor que 12 g/dL para mulheres e menor que 13 g/dL para homens. Anemia ferropriva é a maior causa de anemia nos dias atuais assim como insuficiência renal nos pacientes mais idosos.

A anemia deve ser diagnosticada e tratada no período pré-operatório a fim de se evitar transfusões desnecessárias. Administração de sulfato ferroso na dose de 325 mg duas a três vezes ao dia, vitamina B12 e ácido fólico devem ser realizados. O uso de ferro intravenoso é indicado em pacientes anêmicos que não toleram a terapia oral ou que têm alto grau de anemia ou que irão se submeter a cirurgia cardíaca.

Nos pacientes com insuficiência renal, a terapia com eritropoetina na dose de 20.000 a 30.000 três vezes antes da cirurgia é recomendado. Ainda em relação aos princípios básicos é importante que se analise o risco de sangramento intraoperatório de cada paciente. Pacientes que fazem uso de anticoagulantes tem maior chance de apresentar hemorragia durante o procedimento cirúrgico. Sendo assim, avaliar a suspensão dessas medicações também é conduta básica para evitar transfusões sanguíneas.

Em pacientes internados deve-se limitar a quantidade de sangue coletado laboratorialmente por dia. Estima-se que haja perda de 1% do volume sanguíneo diário em pacientes internados em UTI. O tratamento da anemia pré-operatória deve ser realizado de seis a quatro semanas antes do procedimento.

Em relação a parte intraoperatória, condutas como hemodiluição para manter a normovolemia e coagulação cirúrgica dos tecidos de forma rígida ajudam na diminuição da necessidade de hemotransfusão.

cadastro portal

No período pós-operatório o paciente deve ser mantido hidratado com cristaloides e o uso de desmopressina na dose de 0,3 mcg/kg é preconizado em pacientes usuários de aspirina ou com falência renal. Evitar hipotermia, hipertensão e flebotomias diárias. Essas devem ser realizadas com material pediátricos a fim de coletar menos volume. Transfusão de crioprecipitado e fatores de coagulação deve ser realizada em pacientes com sangramento.

Em relação aos pacientes pediátricos, não se tem como tentar colocar em prática à risca todos esses princípios acima, pois são pacientes que tem tolerância bem inferior a situações onde há perda de sangue em grandes volumes. Pode-se tentar a terapia com eritropetina pré-cirúrgica, alguns poucos estudos já evidenciaram a diminuição da necessidade de transfusão de sangue quando esta foi realizada.

Leia também: Conheça nova diretriz para manejo de transfusão sanguínea

Resumo pacientes pré-cirúrgicos

Em resumo, a conduta a ser tomada nos pacientes pré-cirúrgicos cuja hemotransfusão é recusada seria:

  • Diagnóstico e tratamento da anemia pré-cirúrgica;
  • Diminuição do número e volume de coletas de sangue;
  • Uso de auto hemotransfusão intraoperatória (cellsaver);
  • Manter uma normovolemia dilucional no intraoperatório;
  • Atenção para excelente coagulação de tecidos intraoperatório;
  • Evitar hipotermia;
  • Evitar hipertensão.

Autor:

Referências bibliográficas:

  • Linda MS,Frank SM.Bloodless medicine: what to do when you can’t transfuse. Hematology Am Soc Hematol Educ Program (2014) 2014 (1): 553–558.
  • Frank SM Wick EC, DeZern AE, et al. Risk-adjusted outcomes in patients enrolled in a bloodless program, Transfusion Prepublished on June 18, 2014
  • McCartney S, Guinn N, Roberson R, Broomer B, White W, Hill S. Jehovah’s Witnesses and cardiac surgery: a single institution’s experience, Transfusion Prepublished on May 9, 2014
  • Goodnough LT. Blood management: transfusion medicine comes of age, Lancet, 2013, vol. 381 9880(pg. 1791-1792).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.