O que há de evidências na triagem do câncer colorretal?

O New England Journal of Medicine publicou uma revisão das principais evidências de triagem do câncer colorretal.

Estamos no Março Azul, mês dedicado à conscientização da prevenção do câncer colorretal (CCR). Em janeiro desse ano, o New England Journal of Medicine publicou uma revisão das principais evidências de triagem dessa neoplasia, que é causa frequente de morbimortalidade.

O câncer colorretal acomete principalmente pessoas acima de 50 anos, com predomínio no sexo masculino, que são cinco a dez anos mais jovens que as mulheres ao diagnóstico. A maioria dos casos decorre de alterações genéticas e epigenéticas na evolução de adenomas e pólipos serrilhados no decorrer de dez a quinze anos. Isso permite triagem através de colonoscopia de rastreio, impedindo a história natural da doença e com isso, tendo impacto em morbimortalidade.

cancer colorretal

Primeiro passo: Entendendo o que é triagem 

A triagem de uma doença consiste em identificar a doença em estágio inicial ou detectar precursores da mesma em um grupo de indivíduos saudáveis.

Apesar dos benefícios disso, deve-se ter cuidado com diagnósticos e tratamentos que não alterem o desfecho de mortalidade.

Existem dois tipos principais de testes de triagem: preventivos e de detecção precoce.

Segundo passo: Quais os testes para triagem de CCR? 

  • Testes com comprovação de redução de incidência e de mortalidade por CCR: Sigmoidoscopia e detecção de sangue oculto pelo método de guaiaco
  • Testes mais utilizados na prática – porém apenas com estudos observacionais:
    Colonoscopia e teste de imuno-histoquímica fecal (FIT)
    Problema: Por serem estudos observacionais, existe o viés de seleção de indivíduos que optaram pelo rastreamento
    Para 2022, existem perspectivas de publicações de resultados de estudos de intervenção com esses métodos.
  • Testes com perspectivas futuras:
    Colonoscopia virtual, cápsula endoscópica e biomarcadores.

Terceiro passo: Qual papel da triagem por exames de fezes? 

É um teste de detecção precoce. -> tumores em estágios iniciais sangram e podem ser detectados por esse exame antes do início de sintomas.

Atualmente, o teste de escolha é o FIT, pois reduz falsos positivos (exemplo: fontes alimentares e sangramento gastrointestinal superior) e permite quantificar a hemoglobina fecal.

Problema

SANGRAMENTO INTERMITENTE -> MENOR SENSIBILIDADE -> REPETIR 1/1 A 2/2 ANOS

FALSOS POSITIVOS: pólipos hemorrágicos, inflamação, úlceras pépticas ou doença hemorroidária.

DIVERGÊNCIA NOS PONTOS DE CORTE – Exemplo: Ponto de corte na Inglaterra (20 mcg/g) e na Escócia (80 mcg/g)

Dessa forma, TODOS os pacientes com FIT positivo devem ser encaminhados para avaliação por colonoscopia.

Quarto passo: Como é feita a triagem por endoscópica? 

Trata-se de triagem preventiva, cujo objetivo principal é detectar lesões pré-malignas como adenomas e pólipos serrilhados.

A COLONOSCOPIA é atualmente o método de escolha para triagem endoscópica de CCR.

Contudo, a RETOSSIGMOIDOSCOPIA pode ser utilizada em casos onde existem limitações relacionadas à sedação e preparo.

Quinto passo: Quando oferecer a triagem e como acompanhar meu paciente?

Diretrizes antigas recomendavam triagem de CCR entre 50 e 79 anos.

Recentemente, diretrizes americanas recomendaram triagem de CCR a partir dos 45 anos.

Após a primeira colonoscopia, deve-se estratificar o paciente em baixo e alto risco, através de características dos adenomas:

  • Tamanho
  • Número
  • Características histológicas

Baixo risco: colonoscopia normal ou 1-2 adenomas menores que 1 cm

Alto risco: três ou mais adenomas ou pelo menos um dos seguintes achados: tamanho maior que um cm, componente VILOSO ou displasia de ALTO GRAU.

Nos indivíduos de baixo risco, sugere-se novo exame em cinco a dez anos e nos de alto risco em três a cinco anos.

Por fim, quais são as limitações da triagem de CCR? 

As diretrizes variam quanto as recomendações de triagem no CCR e todas as recomendações de seguimento desses pacientes reúnem evidências de baixa qualidade.

Sabe-se que populações com maior risco de câncer colorretal apresentam maior benefício com a triagem.

A prevalência de adenomas em indivíduos acima dos 60 anos é de 32%, enquanto o risco de CCR ao longo da vida é de 4,2%.

Atualmente, um dos atributos de qualidade para o colonoscopia é a taxa de detecção de adenomas de 20% (pacientes do sexo feminino) e 30% (pacientes do sexo masculino). Apesar de indicar um bom exame, esses números altos podem aumentar taxas de sobrediagnóstico e trazer preocupações excessivas sem benefícios em morbimortalidade.

Mensagens práticas

A incidência de CCR é crescente em nossa população.

Ao atender pacientes acima de 45 anos, devemos explicar sobre os benefícios e riscos do rastreamento e incentivar a colonoscopia de boa qualidade como melhor exame para triagem de prevenção.

Em pacientes que negam se submeter a uma colonoscopia inicialmente, deve-se conversar sobre a possibilidade do FIT, deixando claro suas limitações e necessidade de colonoscopia caso seja positivo.

É importante se atentar às recomendações de diretrizes médicas, contudo também levar em conta os riscos individuais e populacionais e a qualidade dos testes disponíveis.

Referências bibliográficas:

  • Colorectal Cancer Screening — Approach, Evidence, and Future Directions Lise M. Helsingen, M.D., Mette Kalager, M.D., Ph.D. NEJM Evid 2022; 1 (1) doi: 10.1056/EVIDra2100035 

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe o Whitebook Tenha o melhor suporte
na sua tomada de decisão.