Nefrologia

O que há de novo sobre canaglifozina para doença renal?

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

O aumento global de indivíduos com doença renal terminal é atribuído principalmente ao crescimento da prevalência de diabetes mellitus tipo 2. O único tratamento disponível até o momento para proteção renal em diabéticos é o bloqueio do sistema renina-angiotensina-aldosterona.

CREDENCE avaliou efeitos da canaglifozina na doença renal

Os inibidores do SGLT2 foram responsáveis pela redução de eventos cardiovasculares em estudos realizados, mas a melhora nos resultados renais era incerta. O estudo CREDENCE é um ensaio clínico multicêntrico duplo-cego que elegeu pacientes com, no mínimo, 30 anos de idade e diabéticos tipo 2, com hemoglobina glicada entre 6,5 e 12% (exceto na Alemanha, entre 6,5 e 10,5%), para receber canaglifozina 100 mg ao dia ou placebo.

Esses deveriam ter doença renal crônica obrigatoriamente (TFG entre 30 e 90 ml/min e relação albuminúria-creatininúria de 300 a 5000 mg/g). Todos os pacientes receberam iECA ou BRA por pelo menos quatro semanas antes da randomização.

Leia maisCanaglifozina, nova droga para diabetes, aumenta risco de amputações?

O desfecho primário incluiu doença renal em estágio final (transplante renal ou diálise por 30 dias ou mais ou TFG inferior a 15 ml/min por 30 dias ou mais), duplicação dos níveis de creatinina mantido por 30 dias ou mais ou morte por doença renal ou cardiovascular. Identificou-se que a taxa de eventos do desfecho primário foi significativamente menor no grupo da canaglifozina.

Resultados

Além disso, os indivíduos do grupo da canaglifozina apresentaram menor risco de hospitalização por insuficiência cardíaca, infarto agudo do miocárdio e acidente vascular cerebral. Não houve diferença significativa no risco de amputações de membros inferiores nos dois grupos. O risco de cetoacidose diabética foi superior no grupo da canaglifozina.

Os níveis de hemoglobina glicada em 13 semana, pressão arterial sistólica, pressão arterial diastólica, peso corporal e relação albumina-creatinina foram menores no grupo canaglifozina. Nas primeiras 3 semanas de uso, houve uma redução maior na TFG no grupo da canaglifozina, mas após o declínio da TFG foi mais lento neste grupo.

Conclusão

Portanto, os indivíduos do grupo da canaglifozina apresentaram menor risco de insuficiência renal e eventos cardiovasculares no acompanhamento de 2,62 anos. No entanto, não se sabe se os resultados podem ser generalizados para pacientes com doença renal muito avançada, não albuminúricos, microalbuminúricos e para doença renal não diabética.

É médico e quer ser colunista do Portal da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Referências:

  • PERKOVIC, V.; JARDINE, M.J.; NEAL, B. et al. Canagliflozin and Renal Outcomes in Type 2 Diabetes and Nephropathy. NEJM, 2019.
Compartilhar
Publicado por
Maiane Pauletto

Posts recentes

PEBMED e Saúde Global: gestão de resultados em clínicas e consultórios

No episódio de hoje, saiba mais sobre as vantagens de implantar um modelo de gestão…

25 minutos atrás

Drogas vasoativas: 10 dicas para uso no paciente grave com hipotensão

Hipotensão é uma das condições mais comuns no paciente grave, além de estar associada a…

1 hora atrás

Interrupção do uso de antidepressivo: como diferenciar recaída ou recorrência de síndrome de retirada?

É essencial diferenciar a síndrome de retirada da recaída ou recorrência já que a sintomatologia…

2 horas atrás

Tratamento de vaginose bacteriana: qual a eficácia do gel de fosfato de clindamicina 2%?

Um estudo teve o objetivo de avaliar a eficácia do gel de clindamicina vaginal comparado…

3 horas atrás

“Covid Zero”: políticas mais rigorosas de controle da pandemia pioram a saúde mental da população?

Estudo comparou o grau de restrição das políticas de enfrentamento à covid com escores de…

4 horas atrás

Suplementação de cálcio e estenose aórtica

Estudo mostrou que a suplementação de cálcio está ligada à queda da qualidade da função…

6 horas atrás