O que sabemos até agora sobre as manifestações neurológicas da Covid-19?

A Covid-19 é capaz de causar uma doença de múltiplos órgãos, com envolvimento do sistema nervoso central e periférico em alguns pacientes.

Dados até setembro de 2020, a síndrome respiratória aguda grave causada pelo coronavírus tipo 2 (SARS-CoV-2) levou a mais de 26,5 milhões de infecções confirmadas e 875.000 mortes por coronavírus-2019 (Covid-19) em todo o mundo.

A maioria das infecções causadas pelo novo coronavírus, o SARS-CoV-2, se manifesta com infecções do trato respiratório superior e sintomas semelhantes aos da gripe de gravidade variável. No entanto, a Covid-19 é capaz de causar uma doença de múltiplos órgãos, com envolvimento do sistema nervoso central e periférico em alguns pacientes. Não há dados confiáveis sobre a frequência dessas manifestações neurológicas e os fatores de risco associados.

médico avaliando manifestações neurológicas da covid-19

Manifestações neurológicas na Covid-19

Liotta E.M e col. (2020), procuraram caracterizar as manifestações neurológicas e seus fatores de risco em pacientes hospitalizados com Covid ‐ 19. Examinaram os sinais/sintomas neurológicos em 509 pacientes com Covid-19 confirmado, admitidos em uma rede de hospitais em Chicago, e compararam a gravidade em pacientes com e sem alterações no exame neurológico.

As manifestações neurológicas estavam presentes na admissão em 215 (42,2%) pacientes, na hospitalização em 319 (62,7%) pacientes e em qualquer momento durante o curso da doença em 419 pacientes (82,3%).

As manifestações neurológicas mais frequentes foram:

  • Mialgias (44,8%);
  • Cefaleia (37,7%);
  • Encefalopatia (31,8%);
  • Tontura (29,7%);
  • Disgeusia (15,9%);
  • Anosmia (11,4%).

Acidente vascular, distúrbios do movimento, déficits motores e sensitivos, ataxia e convulsões eram incomuns (0,2 a 1,4% dos pacientes cada).

Fatores de risco independentes para desenvolver qualquer manifestação neurológica foram para Covid-19 grave (OR 4,02; IC 95% 2,04–8,89; P <0,001) e idade mais jovem (OR 0,982; IC 95% 0,968–0,996; P = 0,014).

Leia também: Primeiro caso de fístula após teste para Covid-19 por swab nasal

Encefalopatia

Neste estudo de Liotta e col. de todos os pacientes, 362 (71,1%) tiveram um resultado funcional favorável na alta (escala de Rankin modificada de 0–2), no entanto, eles identificaram que a encefalopatia foi fator de risco independente associado a pior resultado funcional (OR 0,22; IC 95% 0,11–0,42; P <0,001) e maior mortalidade em 30 dias de hospitalização (35 [21,7%] vs. 11 [3,2%] pacientes; P < 0,001).

Não muito diferente da literatura, a encefalopatia foi mais frequente em pacientes mais velhos e os fatores de risco para encefalopatia também incluíram doença grave pelo coronavírus e histórico de qualquer distúrbio neurológico ou doença renal crônica.

O aumento da morbidade e mortalidade associada à encefalopatia, independente da gravidade respiratória, é semelhante à literatura, em encefalopatia associada à sepse e mortalidade associada ao delirium. Liotto E.M e col. enfatizaram a relevância da encefalopatia em Covid-19 e identificaram que ela estava associada ao triplo do tempo de internação hospitalar.

Os pacientes hospitalizados com Covid-19 podem apresentar vários distúrbios tóxicos – metabólicos, incluindo tempestade de citocinas, inflamação grave, sepse e disfunção renal.

A doença na sua forma grave é caracterizada por aumento de IL-2, IL-6, IL-7, fator de necrose α, entre outras. A tempestade de citocinas provavelmente contribui significativamente para a encefalopatia tóxica-metabólica nestes casos, juntamente com fatores de risco tradicionais associados a delirium e encefalopatia em unidades de terapia intensiva que também precisam ser levados em consideração, incluindo sedação, analgesia, interrupção dos ciclos de sono/vigília e complicações infecciosas.

A etiologia da encefalopatia em pacientes com Covid ‐ 19 é multifatorial, incluindo doença sistêmica e inflamação, coagulopatia, neuroinvasão direta pelo vírus, endotelite e, possivelmente, mecanismos autoimunes pós-infecciosos, pode resultar de múltiplos ou combinações de mecanismos ainda não muito esclarecido.

Referência bibliográfica:

  • Liotta, E. M., Batra, A., Clark, J. R., Shlobin, N. A., Hoffman, S. C., Orban, Z. S., & Koralnik, I. J. (2020). Frequent neurologic manifestations and encephalopathy‐associated morbidity in Covid‐19 patients. Annals of Clinical and Translational Neurology. doi:10.1002/acn3.51210

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe o Whitebook Tenha o melhor suporte
na sua tomada de decisão.