Psiquiatria

O que significa o uso de álcool durante a adolescência?

Tempo de leitura: 4 min.

O uso de álcool é um problema de grandes proporções em todo o mundo, mas o foco de sua discussão é mais comumente voltado para os adultos, deixando de lado os adolescentes e todas as implicações relacionadas a eles. Por isso, este texto é baseado no artigo, publicado na revista World Psychiatry em setembro deste ano, que busca fazer uma breve consideração sobre o que significa o uso de álcool durante a adolescência e suas repercussões.

Quando se fala em adolescentes e o uso de substâncias, geralmente nos ocorre que pode se tratar de uma discussão sobre vaping, cannabis e outros, mas nem sempre se pensa sobre o uso de álcool. No entanto, esta é uma droga amplamente usada e com grande impacto sobre a saúde, repercussões sociais, econômicas e, no caso dos adolescentes, sobre o neurodesenvolvimento. No mundo, os óbitos anuais relacionados ao uso de álcool é estimado em 5,3%. Estudos sugerem que o uso problemático atinge toda a população, independente de etnia, idade ou sexo, sendo comum que o uso seja iniciado na adolescência. É estimado que, 27% das pessoas, entre 15 e 19 anos em todo o mundo, tenha feito uso de álcool no último mês.

O uso precoce do álcool e suas problemáticas

O início do uso precoce pode ter uma relação importante com um padrão problemático de consumo no futuro. Jovens que começam a beber antes dos 15 anos, possuem quatro vezes mais chances de desenvolver um transtorno abusivo por uso de álcool, do que os que começam a beber depois dos 21 anos. As chances do desenvolvimento de um padrão de uso problemático diminui em 14% a cada ano que se adia o início do consumo. Isso, por si só, já justifica o desenvolvimento de estratégias preventivas que orientem sobre os benefícios do contato mais tardio com a bebida. É também necessário entender que adiar o início do uso é uma abordagem mais realista do que a estimulação da abstinência, uma vez que essa estratégia já se mostrou ineficaz.

Em relação ao padrão de consumo, há uma importante diferença entre adultos e adolescentes, pois os mais novos tendem a um consumo mais esporádico, mas em maior quantidade, caracterizando um padrão conhecido como binge drinking. Este se caracteriza por um consumo superior a quatro doses de álcool para o sexo feminino e cinco doses para o masculino.

Como já adiantamos, a adolescência ainda se constitui como uma etapa do neurodesenvolvimento, apesar de a estrutura física do adolescente já se apresentar semelhante a do adulto. Esta fase ainda é marcada por importantes processos no desenvolvimento neuronal, cognitivo, emocional e social, sendo a maturidade cerebral atingida aproximadamente aos 25 anos. Portanto, é justificável a preocupação de que o início do consumo precoce de álcool possa impactar negativamente esse processo e gerar efeitos duradouros.

Duas hipóteses

Os primeiros estudos feitos que tentaram avaliar a relação entre alterações encontradas em adolescentes e o uso do álcool, não conseguiram estabelecer padrões de causalidade por serem em sua maioria estudos transversais. Com o desenvolvimento e publicação mais recente de estudos longitudinais observacionais, duas hipóteses começaram a ser trabalhadas: primeiro a de que alterações neurais e cognitivas podem predizer o uso de álcool e a segunda, de que o uso, por sua vez, também interfere na trajetória normal do desenvolvimento.

Os seguintes achados foram observados entre adolescentes que usavam álcool: redução dos volumes das substância branca e cinzenta do cérebro, pior desempenho  da memória de trabalho e das atividades inibitórias e alterações no padrão de ativação cerebral em tarefas que envolvam esses dois últimos domínios (memória de trabalho e inibição) e o processamento da recompensa. Também há comprometimento da capacidade de tomada de decisão e maior ativação cerebral nas tarefas cognitivas, mesmo quando o desempenho é mantido. Isso sugere que os cérebros dos jovens que consomem álcool precisa trabalhar mais para que eles mantenham seu desempenho.

Apesar de toda essa repercussão, estima-se que apenas 8% dos adultos jovens e 6% dos adolescentes com diagnóstico estabelecido de transtorno por uso de álcool recebam o tratamento adequado. A abordagem considerada como padrão-ouro entre adolescentes é a intervenção psicossocial, na qual destacam-se a terapia de família, a terapia cognitivo-comportamental e a entrevista motivacional. Infelizmente, a eficácia dessa terapêutica é considerada modesta, havendo recaída após um ano do tratamento entre 33 e 50% dos jovens.

Concluindo

Além disso, sabemos que o uso de álcool não é o único fator de comprometimento do desenvolvimento nesse grupo e, em muitos casos, nem a única substância usada. Por isso há ainda estudos em andamento avaliando o uso comórbido de outras drogas e seu impacto. Espera-se que, com os resultados dessas e de novas pesquisas, somado ao desenvolvimento das neurociências, seja possível elaborar mais estratégias terapêuticas, inclusive com possibilidade de intervenções cognitivas e farmacoterapêuticas adjuntas.

No Brasil, apesar de não ser permitida a venda legal a menores de 18 anos, o consumo acontece e não é incomum. Fatores socioculturais podem contribuir e perpetuar uma cultura de consumo precoce de álcool, o que deve ser identificado e reconhecido pelos profissionais de saúde para que possam desenvolver estratégias de orientação e psicoeducação com estes pacientes e suas famílias.

Para mais informações sobre uso de álcool, abstinência, intoxicação por álcool em crianças, síndrome de Wernicke-Korsakoff e as repercussões clínicas do uso de álcool (como cirrose e pancreatite), não deixe de conferir o Whitebook.

Autora: 

Referências Bibliográficas: 

Compartilhar
Publicado por
Paula Benevenuto Hartmann

Posts recentes

Monitorização de longo prazo para FA subclínica após AVCi

Pacientes com AVCi devem ser monitorizados para eventos cardíaco nas primeiras 24 horas após o…

22 minutos atrás

Albumina na cirrose hepática: usos além da função de coloide

Apesar de conhecermos a albumina como um coloide, pesquisas mais recentes vêm descobrindo que ela…

1 hora atrás

Uso de pessário associado a progesterona para prevenção de partos prematuros

Artigo publicado apresentou a possibilidade da associação entre pessário e o uso de progesterona na…

2 horas atrás

Psicofobia: O que podemos fazer para que haja mudança social?

A psicofobia é um termo que possui seu significado ligado ao preconceito contra pessoas que…

3 horas atrás

Ministério da Saúde lança campanha nacional de combate ao mosquito Aedes aegypti

O Ministério da Saúde lançou a campanha nacional de combate ao mosquito Aedes aegypti, transmissor…

22 horas atrás

Síndrome de anticorpo antifosfolipideo: o que precisamos saber?

A síndrome de anticorpo antifosfolípideo é definida cumprindo pelo menos um clínico e um critério…

1 dia atrás