Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Neurologia / O que você tem a ver com a neuromielite óptica?
imagem 3d de um cérebro

O que você tem a ver com a neuromielite óptica?

Acesse para ver o conteúdo
Esse conteúdo é exclusivo para usuários do Portal PEBMED.

Tenha acesso ilimitado a todos os artigos, quizzes e casos clínicos do Portal PEBMED.

Faça seu login ou inscreva-se gratuitamente!

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

A neuromielite óptica (NMO) é uma síndrome inflamatória autoimune do sistema nervoso central, que acomete principalmente os nervos ópticos e a medula espinal. Você sabe quais são os critérios diagnósticos para NMO? O Painel Internacional de Diagnóstico da NMO (IPND) foi convocado para desenvolver uma revisão dos critérios, usando a literatura publicada sobre o assunto e pesquisas eletrônicas para facilitar o consenso.

500x120-rosa

Veja os principais pontos do consenso:

Nomenclatura

O painel sugere o uso do termo Doenças do Espectro Neuromielite Óptica (NMOSD, do inglês, Neuromyelitis Optica Spectrum Disorders), facilitando a uniformização e denominação destes casos.

Apresentação clínica

A revisão incluiu as síndromes específicas para NMO: lesões de tronco cerebral, manifestações encefálicas com lesões cerebrais específicas e narcolepsia sintomática. Veja na tabela abaixo:

tabela2
Tabela retirada da Neurology (DOI: 10.1212/WNL.0000000000001729)

Estes critérios permitem o diagnóstico mesmo na ausência concomitante de neurite óptica e mielite, e nos indivíduos que apresentam apenas manifestações encefálicas com positividade para NMO-IgG.

O painel destacou também os achados atípicos para NMO-IgG, que o médico deve ficar atento. Veja no quadro abaixo:

tabela3
Tabela retirada da Neurology (DOI: 10.1212/WNL.0000000000001729)

O Dr. Henrique Cal, neurologista e membro da Academia Brasileira de Neurologia, dá sua opinião sobre a doença e a nova revisão:

“Por um lado, sintomas como neurite óptica ou paraparesia sempre levarão a uma investigação neurológica extensa. Por outro, com a recente inclusão de novos sintomas como parte dos critérios diagnósticos, é preciso que o médico generalista lembre sempre da hipótese de Doença de Devic frente a pacientes com quadros como narcolepsia inédita, tonturas, vômitos incoercíveis ou soluços sem outras explicação – que muitas vezes podem passar como não sendo de causa neurológica de maneira evidente. Lembremos sempre que é diagnóstico de exclusão, sendo necessário um screening laboratorial conveniente para doenças reumatológicas, infecciosas e etc.

Na prática, suspeitamos de NMOSD em dois casos principais: quando há uma mielite extensa ou quando há neurite óptica (se há ambos, é quase patognomônico!). Nestes casos, devemos pedir RM com contraste de encéfalo e medula espinhal, amplo screening laboratorial (para causas reumatológicas, auto-imunes, metabólicas e infecciosas), coleta de liquor e o anticorpo anti-AQP4. Idealmente, estes exames devem ser solicitados antes de uma possível pulsoterapia, que é o tratamento de urgência para uma suspeita de afecção neuroimune”, completa Dr. Henrique.

As melhores condutas médicas você encontra no Whitebook. Baixe o aplicativo #1 dos médicos brasileiros. Clique aqui!

250-BANNER3

Referências:

  • Neurology. 2015 Jul 14; 85(2): 177–189. DOI: 10.1212/WNL.0000000000001729

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.