Leia mais:
Leia mais:
Doença de Parkinson e Covid-19: o que se sabe até agora?
Novo método de cirurgia pode beneficiar pacientes com doença de Parkinson
Esclerose amiotrófica e indução de proteínas de choque térmico
Parkinson: nova terapia é capaz de atenuar sintomas
TOP 5 neurologia: confira os artigos mais acessados de julho [PEBMEDCast]

O tratamento dos sintomas motores no início da doença de Parkinson

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

A variedade de tratamentos farmacológicos e cirúrgicos disponíveis para o tratamento da doença de Parkinson (DP) idiopática é mais ampla do que para qualquer outra doença degenerativa do sistema nervoso central.

O manejo requer considerações cuidadosa de vários fatores, incluindo sintomas e sinais do paciente, idade, estágio da doença, grau de incapacidade funcional e nível de atividade física e produtividade. O tratamento pode ser dividido em farmacológico, não farmacológico e cirúrgico.

Leia também: Possível efeito neuroprotetor de antagonistas do receptor alfa-1-adrenérgico na doença de Parkinson

A decisão de iniciar terapia farmacológica em pacientes com DP é determinada pelo grau em que os sintomas interferem no funcionamento ou prejudicam a qualidade de vida. O momento dessa decisão varia muito entre os pacientes, mas é influenciado por vários fatores, incluindo:

  • O efeito da doença na mão dominante.
  • O grau em que a doença interfere no trabalho, nas atividades da vida diária ou na função social e de lazer.
  • A presença de bradicinesia significativa ou distúrbio da marcha.
  • Valores e preferências do paciente em relação ao uso de medicamentos.

Em alguns pacientes, uma influência adicional é o medo de iniciar levodopa devido a relatos de sua associação com flutuações motoras e discinesias.

Assim como a decisão de quando iniciar a farmacoterapia em pacientes com DP, a escolha de qual utilizar inicialmente é individualizada com base nas características do paciente, da doença e dos medicamentos.

O tratamento dos sintomas motores no início da doença de Parkinson

As quatro principais drogas ou classes de drogas que têm atividade antiparkinsoniana são:

  • Levodopa;
  • Agonistas dopaminérgicos (DAs);
  • Os inibidores da monoaminoxidase tipo B (MAO B);
  • Amantadina.

As drogas anticolinérgicas também têm alguma atividade, principalmente para o tremor. Eles diferem em relação à potência, frequência de dosagem e efeitos colaterais. Todas são consideradas terapias sintomáticas, e nenhuma foi firmemente estabelecida como modificadora da doença ou neuroprotetora.

Os fatores mais importantes relacionados ao paciente são a idade, que tem implicações importantes para a tolerabilidade de certas classes de medicamentos e a gravidade dos sintomas, pois a potência antiparkinsoniana de diferentes classes de medicamentos varia.

A categorização da gravidade dos sintomas deve ser baseada na avaliação do paciente, incluindo os achados do exame neurológico e uma avaliação detalhada de como os sintomas afetam a função diária e a qualidade de vida.

Alguns princípios:

  • A levodopa é o agente mais eficaz para o controle dos sintomas motores da DP, mas também requer a dosagem mais frequente e está associada ao maior risco de complicações motoras dopaminérgicas (discinesias).
  • Os inibidores da MAO B e a amantadina têm efeitos antiparkinsonianos modestos e geralmente bem tolerados. Seu uso primário é indicado para pacientes com sintomas leves que ainda não começaram a ter um grande impacto na função diária e na qualidade de vida.
  • Os agonistas dopaminérgicos têm potência intermediária para melhorar os sintomas motores e apresentam menor risco de discinesias do que a levodopa; no entanto, eles carregam um risco maior de sonolência, alucinações e distúrbios do controle de impulsos, e não são bem tolerados em adultos mais velhos e naqueles com disfunção cognitiva.

A diretriz de prática clínica atualizada da Academia Americana de Neurologia (AAN) publicada na Neurology em 2021 define como DP precoce aqueles pacientes que se encontram no estágio 1 ou 2 de Hoehn e Yahr, ou dentro de dois anos do início da doença, e se eles precisarem de tratamento para sintomas motores, deve recomendar a levodopa como o tratamento inicial.

Saiba mais: Musicoterapia na reabilitação de pacientes com doença de Parkinson no SUS

Muitos médicos hesitam em prescrever levodopa como tratamento inicial por causa das discinesias. Realmente elas são mais frequentes em pessoas que iniciam com esta droga, mas o risco de discinesias incapacitantes é relativamente baixo e os pacientes têm uma melhor resposta motora com levodopa em comparação com agonistas dopaminérgicos.

Um dos desafios é a “levodopafobia” entre os pacientes, como dito anteriormente. Eles lêem relatos na internet e ficam com medo de tomar a medicação. Os médicos devem desmistificar este fato e fazer com que os pacientes se sintam à vontade com o tratamento.

A levodopa é a medicação de escolha, porém é preciso atenção à dose. A diretriz fornece orientações específicas em termos de dosagem no início da doença. São observados evidências de que o benefício é com 300 mg por dia e que há um risco menor de discinesia com doses inferiores a 400 mg por dia. É recomendado que prescreva a menor dose eficaz.

Outra observação importante, no início da doença, deve ser prescrito levodopa de liberação imediata. Não há evidências que sugiram que o uso de liberação controlada, de liberação prolongada ou em combinação com entacapona proporcione algum benefício no início da doença.

Referencias bibliográficas:

  • Pringsheim T, Day GS, Smiith DB, et al; on behalf of the Guideline Subcommittee of the AAN. Dopaminergic therapy for motor symptoms in early Parkinson disease practice guideline summary: A report of the AAN Guideline Subcommittee. Neurology. 2021;97(20):942–957. doi: 10.1212/WNL.0000000000012868
  • Miyasaki JM, Martin W, Suchowersky O, Weiner WJ, Lang AE. Practice parameter: Initiation of treatment for Parkinson’s disease: An evidence-based review. Neurology. 2002;58(1):11–17. doi: 10.1212/WNL.58.1.11
Autor(a):

Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastrar Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades
Referências bibliográficas:

    O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

    Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado.

    Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.