Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Colunistas / O uso de corticoides exerce influência no reparo do manguito rotador?
Mulher com lesão no manguito rotador utilizando tratamento com corticoides.

O uso de corticoides exerce influência no reparo do manguito rotador?

Esse conteúdo é exclusivo para
usuários do Portal PEBMED.

Tenha acesso ilimitado a todos os artigos, quizzes e casos clínicos do Portal PEBMED.

Faça seu login ou inscreva-se gratuitamente!

A lesão do manguito rotador é uma das condições dolorosas mais comuns relacionadas ao ombro. Diferentes tipos de lesões podem acontecer incluindo ou não rupturas. A história natural da doença ainda permanece desconhecida, sendo frequente o achado de alterações assintomáticas. O tratamento dos pacientes sintomáticos com lesão do manguito rotador inclui estratégias de tratamento conservador (como o uso de corticoides) e o reparo cirúrgico.

Leia também: Deve-se utilizar corticoide precoce no tratamento da Covid-19?

Uso de corticoides no tratamento

A infiltração com corticoides é uma das estratégias de tratamento conservador possível para a lesão do manguito rotador. Embora alguns estudos sugiram melhora sintomática utilizando este tratamento, alguns trabalhos mostram complicações com seu uso além de benefício apenas à curto prazo, não ocorrendo melhora a longo prazo ou redução na necessidade de cirurgia.

Um estudo recente do tipo revisão sistemática publicado em maio de 2020 na revista Arthroscopy, investiga possíveis complicações associadas ao uso de corticoide em pacientes com indicação de reparo cirúrgico do manguito rotador.

Revisão sistemática

Objetivo

Avaliar os efeitos adversos das injeções pré-operatórias de corticosteroides em pacientes com doença do manguito rotador, especialmente antes do reparo do manguito rotador.

Métodos

Uma revisão sistemática do banco de dados MEDLINE foi realizada incluindo todos os estudos que relatam efeitos clínicos adversos de infiltração com corticoide no tendão do manguito rotador publicados nos últimos 15 anos.

Dois revisores avaliaram os títulos e resumos dos artigos excluindo trabalhos publicados em língua não inglesa, estudos avaliando revisões cirúrgicas ou procedimentos concomitantes ao reparo, relatos de casos, revisões sistemáticas e estudos de ciências básicas laboratoriais. Os textos completos foram lidos para inclusão ou não dos trabalhos quando necessário. As referências dos estudos selecionados também foram pesquisadas para inclusão na revisão.

Saiba também: Doença inflamatória intestinal: para o que dermatologistas e oftalmologistas devem se atentar? 

Resultados

Um total de 8 artigos que relataram riscos e resultados adversos associados às injeções de corticosteroides no cenário da tendinose do manguito rotador foram identificados.

Entre os artigos incluídos, 4 mostravam um aumento da falha do reparo levando a cirurgia de revisão em pacientes que receberam infiltração com corticoide. Um dos estudos mostrou aumento da chance de falhas da cirurgia de 37,5% se realizada em até 3 meses antes da cirurgia e de 87,2% quando realizada centre 3-6 meses. Outros 2 estudos mostraram que a realização de 1 infiltração isolada foi associada ao aumento do risco de revisão do reparo do manguito rotador (OR:1,3-2,8) quando administrado por um ano antes da cirurgia. O quarto estudo mostrou um aumento de 106-177% de chance de falha do reparo exigindo cirurgia de revisão quando realizadas 2 ou mais infiltrações.

O aumento das infecções pós-operatórias também foi associado à infiltração com corticoide prévia a cirurgia. Quando realizadas com menos de 1 mês das cirurgias, o índice de infecção apresentou OR de 2,1. Quando realizadas dentro de 6 meses o OR foi de 1,8. Se 2 ou mais injeções foram administradas dentro de um ano de cirurgia, o OR chegou a 2,1. Todos os valores apresentam intervalo de confiança com significância estatística.

Conclusão

Vários ensaios clínicos recentes demonstraram que a infiltração com corticoide está correlacionada com aumento do risco de falha da cirurgia levando a uma cirurgia de revisão, apresentando razões de aumento distintas de acordo com o período realizado e o número de infiltrações. O aumento das taxas de infecção também foi observado de maneira similar. Deve-se tomar cuidado ao decidir infiltrar um paciente, especialmente se o mesmo será submetido a um reparo cirúrgico nos 6 meses seguintes.

Autor(a):

Referências bibliográficas:

  • Puzzitiello RN, Patel BH, Nwachukwu BU, Allen AA, Forsythe B, Salzler MJ. Adverse Impact of Corticosteroid Injection on Rotator Cuff Tendon Health and Repair: A Systematic Review.  2020

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.