Saúde & Tecnologia

OMS lança relatório com orientações sobre a inteligência artificial na saúde

Tempo de leitura: 2 min.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) lançou, no final de junho, um relatório com as diretrizes sobre a ética no uso de inteligência artificial na saúde. O guia é fruto de um trabalho que levou 18 meses para ser concluído, sendo desenvolvido por especialistas de diversas áreas, como direito, tecnologia digital e outras.

De acordo com a OMS, a definição de inteligência artificial (IA) é todo o aparato tecnológico que, após ter os dados coletados com informações e objetivos pautados por humanos, consiga prever situações, fazer recomendações e ainda tome decisões que possam influenciar espaços virtuais e também reais. 

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas
Cadastrar Login

A inteligência artificial na área da saúde

A tecnologia facilita processos em diversas áreas, se tornando uma grande promessa para os próximos anos. A expectativa na sua atuação na saúde é que ela possa otimizar o diagnóstico de pacientes, o tratamento, e até no desenvolvimento de medicamentos. Além disso, a IA pode ser decisiva no monitoramento e resposta aos surtos de doenças ao redor do mundo.

O documento publicado pela OMS identifica os maiores desafios e possíveis dilemas éticos no manejo da inteligência artificial da saúde. Visando esclarecer tais questões, o órgão apresenta seis princípios que garantem que a inteligência artificial funcione para o benefício público, respeitando os limites dos direitos humanos. 

Os seis princípios

  • O controle de sistemas de saúde e a tomada de decisões devem ser tomadas por humanos, e não inteiramente por inteligência artificial. 
  • Desenvolvedores responsáveis pela tecnologia implantada devem monitorar e garantir o pleno funcionamento de todas as ferramentas, além de atender todas as normas de segurança.
  • Desenvolvedores também são responsáveis por publicar os dados e informações quanto ao desenvolvimento dos produtos e como devem ser manuseados, garantindo a transparência em todas as etapas. 
  • Sistemas de saúde que adotam a inteligência artificial devem garantir o treinamento e capacitação dos profissionais responsáveis pelas ferramentas.
  • As tecnologias utilizadas devem respeitar e serem treinadas com uma base de dados com diversas nacionalidades, gêneros e raças, com o objetivo de promover a diversidade e evitar algoritmos “viciados”.
  • As ferramentas de IA devem ser continuamente avaliadas com base em sua performance, para que caso haja algum tipo de problema, seja rapidamente identificado e devidamente corrigido. 

Leia também: IA no rastreamento de câncer de mama

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED

Referências bibliográficas:

 

Compartilhar
Publicado por
Luciano Lucas

Posts recentes

AVC: como obter certificação online para aplicação da NIHSS

Foi criada uma escala para quantificar a magnitude e gravidade do AVC, a NIHSS, sendo…

5 minutos atrás

Dissecção espontânea de coronária: como diagnosticar?

Recentemente foi publicada uma revisão sobre o diagnóstico da dissecção espontânea de coronária. Confira, resumidos,…

1 hora atrás

Fatores de risco para câncer de mama avançado após 2 anos de mamografia negativa

A mamografia pode reduzir em 15% a 20% a mortalidade por câncer de mama, mas…

2 horas atrás

Relação da disbiose e autismo [podcast]

Dolores Henriques e Paula Hartmann conversam sobre o que há na literatura sobre a relação da…

3 horas atrás

Pré-natal do parceiro: desafios e soluções

O pré-natal do parceiro é uma das formas de inclui-los na paternidade consciente e ativa,…

4 horas atrás

Anemia ferropriva: suplementação de ferro reduz transfusões e tempo de internação 

Estudos analisam a influência da suplementação pré-operatória de ferro sobre resultados cirúrgicos de pacientes com…

5 horas atrás