OMS suspende braço de hidroxicloroquina de estudo sobre tratamento para Covid-19

Tempo de leitura: 2 min.

No início da pandemia, com o objetivo de identificar de forma rápida potenciais tratamentos para casos de Covid-19, a Organização Mundial de Saúde (OMS) lançou um grande estudo multicêntrico buscando avaliar a eficácia de agentes terapêuticos potenciais.

Chamado de Solidarity, ou Solidariedade, o estudo é um ensaio clínico randomizado com cinco braços em que os participantes podem receber: somente o tratamento padrão (grupo controle), hidroxicloroquina/cloroquina, remdesivir, lopinavir/ritonavir ou a combinação lopinavir/ritonavir e interferon. Para os participantes alocados nos grupos de intervenção, tratamento padrão local foi administrado de forma concomitante.

Após suspensão temporária para análise de segurança, motivada por uma publicação – posteriormente retirada pelos autores – cujos resultados demonstravam maior mortalidade em pacientes que fizeram uso de antimaláricos, a OMS anunciou, esta semana, a suspensão definitiva do braço hidroxicloroquina/cloroquina do estudo.

A decisão foi baseada no anúncio da análise interina dos dados de outro grande ensaio clínico, o RECOVERY, conduzido em 175 hospitais do Reino Unido e que visa a avaliar a eficácia das seguintes modalidades de tratamento: lopinavir/ritonavir, baixa dose de dexametasona, hidroxicloroquina, azitromicina, tocilizumabe e plasma convalescente.

Hidroxicloroquina para Covid-19

Com uma amostra de cerca de 11.000 pacientes, os dados vinham sendo revisados por um comitê independente a cada duas semanas. A análise dos dados do braço de hidroxicloroquina (1.542 pacientes) comparados com o grupo controle, que recebeu somente o tratamento padrão (3.132 pacientes) não mostrou diferença na mortalidade em 28 dias (25,7% vs. 23,5%, respectivamente; HR = 1,11; IC 95% = 0,98 – 1,26; p = 0,1). Também não houve evidências de benefício no tempo de internação ou outros desfechos clínicos. Com isso, o braço foi suspenso, pois a droga foi considerada ineficaz em reduzir a mortalidade de pacientes com Covid-19 hospitalizados.

Leia também: Agência americana suspende uso emergencial de hidroxicloroquina na Covid-19

Além dos resultados do RECOVERY, a OMS declarou que baseou sua decisão em uma revisão sistemática da Cochrane e nos próprios dados do Solidariedade, que também não mostraram benefício com o uso de antimaláricos.

Os participantes alocados no braço de hidroxicloroquina/cloroquina e que não completaram o tempo de tratamento poderão continuar a receber a droga ou interrompê-la, a critério da equipe assistente. Vale lembrar que a análise interina da OMS não demonstrou maior mortalidade com esses medicamentos.

Outras drogas continuam sendo avaliadas como opções terapêuticas e estudos em relação à profilaxia continuam em andamento.

Autora:

Referências bibliográficas:

Compartilhar
Publicado por
Isabel Cristina Melo Mendes

Posts recentes

ACC 2021: aspirina na prevenção secundária – qual a melhor dose?

O estudo ADAPTABLE, apresentado no congresso do ACC 2021, buscou entender se doses maiores de…

3 horas atrás

Whitebook: murcormicose

Em nossa publicação semanal de conteúdos do  Whitebook Clinical Decision vamos falar sobre a apresentação…

4 horas atrás

Ceratite infecciosa e lentes de contato: O que precisamos saber?

A ceratite infecciosa é a complicação mais séria que pode decorrer do uso de lentes…

1 dia atrás

Hemorragia intracraniana em pacientes que tomam anticoagulantes orais

A hemorragia intracraniana é potencialmente devastadora associada à terapia anticoagulante. Sua reversão é uma emergência. Saiba…

1 dia atrás

Covid-19: Pesquisa do Ministério da Saúde vai avaliar comportamento dos brasileiros durante a pandemia

A PrevCOV do Ministério da Saúde tem o objetivo de entender o comportamento da Covid-19…

1 dia atrás

Formigamento no dedo mínimo da mão: pode ser a síndrome do túnel cubital

A síndrome do túnel cubital é a segunda neuropatia compressiva mais comum (perde apenas para…

1 dia atrás