Blog do Whitebook

Orientações ao médico: como abordar o paciente que tentou suicídio?

Tempo de leitura: 3 min.

Entramos em setembro, o mês de campanha de prevenção ao suicídio, e o Blog do Whitebook realizou uma entrevista com a psiquiatra Julliana Quintas, formada pela UFF e mestre em psiquiatria e saúde mental pelo IPUB/UFRJ.

O bate-papo tratou de questões sobre a abordagem ao paciente que fez tentativa de suicídio e como o médico pode ajudar no atendimento.

Para saber os detalhes, leia a entrevista completa!

1. Qual é a primeira coisa que o médico deve fazer quando chega, na emergência, um paciente que tentou suicídio?

A primeira coisa a ser feita é verificar os sinais vitais do paciente para avaliar a gravidade do caso, já buscando informações junto a ele ou familiares sobre como foi a tentativa do suicídio. Colher a história para compreender melhor o que aconteceu é fundamental. E se a pessoa chegar sozinha, lúcida, estiver relativamente “bem”, deve ser levada para um ambiente seguro, onde não haja um objeto potencialmente perigoso, janelas que possa pular. O paciente deve ser ouvido e é muito importante que não aconteça julgamentos, para que se sinta acolhido pelo médico e fale o que ocorreu.

2. Depois da abordagem inicial, como seguir com o atendimento?

O profissional deve analisar, por exemplo, se é necessário fazer lavagem gástrica com carvão ativado no paciente se ele tiver feito uso abusivo de medicamentos. É uma medida importante que deve ser feita o mais rápido possível. Depois, deve-se investigar, conversar com a pessoa para saber qual é o real risco de uma nova tentativa de suicídio e, para isso, existem vários tipos de entrevistas que possibilitam saber qual a gradação desse risco: baixo, médio ou elevado. Dependendo do resultado, o paciente pode retornar para casa ou ser indicado para internação em clínica psiquiátrica, quando houver na cidade, ou em hospital geral.

3. O que não falar para uma pessoa que tentou suicídio?

É fundamental que o paciente sinta que suas emoções estão sendo validadas. Então ele não pode ouvir que está querendo chamar a atenção, que está prejudicando os pais e familiares, por exemplo. Frases como estas não surtem nenhum efeito. Ele precisa ser acolhido, e com apoio médico e da psicoterapia o paciente deve saber que tirar a própria vida não é solução, já que o que pretende é acabar com uma dor importante, não necessariamente com tudo. E com ajuda profissional ele conseguirá contornar os problemas.

4. Como o médico pode ajudar o paciente a passar pelo trauma?

O paciente, muitas vezes, vê no médico uma figura importante, por isso é essencial essa escuta e a acolhida. A pessoa que tentou se matar está buscando ressignificar uma dor e a conversa ajuda muito nesses casos.

5. Quais as recomendações para o paciente seguir em casa?

Após a alta hospitalar, é importante garantir uma vigilância desse paciente. Costumamos chamar de internação domiciliar. Ele precisa ter uma rede de apoio familiar ou da ajuda de profissionais que estejam com a pessoa o tempo todo, visto que há situações que podem ser pouco valorizadas, mas podem apresentar riscos potenciais, como, por exemplo, o paciente estar no banheiro sozinho ou estar em um cômodo com janelas sem proteção. Esses cuidados tiram a privacidade da pessoa, mas se ela ainda tiver risco de uma nova tentativa de suicídio, medidas como essas precisam ser tomadas. Medicações também não devem ficar com o paciente, deve ser realizada entrevista para saber se tem objetos na casa que podem ajudar em uma nova tentativa, como arma de fogo e lâminas. A família deve receber orientações para identificar o que pode ser prejudicial para a pessoa naquele momento ainda delicado até que o tratamento psicoterápico e psiquiátrico ajude na retomada da confiança do paciente e ele volte, aos poucos, para sua rotina.

Números de suicídios no Brasil

Segundo a cartilha “Comportamento suicida: conhecer para prevenir”, da Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP), no Brasil ocorrem 32 suicídios por dia.

“Foram 11.821 suicídios oficialmente registrados em 2012, o que representa, em média, 32 mortes por dia. Estes dados são encontrados no Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM) do Ministério da Saúde”, diz o documento.

Além disso, o arquivo da ABP reforça a importância do atendimento a pessoas que tentaram suicídio:

“A assistência prestada a pessoas que tentaram suicídio é uma estratégia fundamental na prevenção da vida. Pacientes que tentaram suicídio têm cinco a seis vezes mais chances de tentar novamente, caracterizando-os como um grupo de maior risco”.

Teste seus conhecimentos: Quiz sobre o suicídio

O Whitebook dispõe de conteúdos sobre psiquiatria e pode te ajudar em momentos de decisão. Veja alguns:

Acesse o aplicativo médico número 1 do país e confira outros tópicos sobre o assunto!

Ainda este mês, traremos mais um post sobre suicídio. Fique ligado no blog!

Gostou da entrevista e do tema abordado? Comente abaixo! 🙂

Abraços,

Compartilhar
Publicado por
Clara Bittencourt

Posts recentes

Relembrando o que é o hipoparatireoidismo

O hipoparatireoidismo é uma condição relativamente rara, causada na maioria das vezes pelo dano cirúrgico…

2 horas atrás

Pandemia impactou no aumento de peso e controle da glicemia dos portadores de diabetes tipo 2

A pandemia de Covid-19 teve um impacto bastante negativo no aumento de peso e controle…

3 horas atrás

Anemia Falciforme: você pode ser um portador deste traço

A anemia falciforme atinge um grande número de brasileiros, dessa forma, os diretos do portador…

4 horas atrás

Escabiose: orientações para o sucesso do tratamento

É importante o paciente com escabiose seguir algumas orientações para tratar a dermatose. Saiba quais…

19 horas atrás

Outubro rosa: Câncer de vulva: update 2021

As neoplasias de vulva respondem apenas por 4% das neoplasias ginecológicas. Saiba mais.

19 horas atrás

Palpação convencional x ultrassom para procedimentos neuroaxiais

Procedimentos neuroaxiais, como punção lombar diagnóstica, são realizados através da palpação de pontos de referência…

20 horas atrás