Saúde da Criança

Orientações para enfermeiros no cuidado à gestante, recém-nascido e crianças na Covid-19

Tempo de leitura: 3 min.

O cenário de pandemia por Covid-19, doença respiratória causada pelo vírus do SARS-Cov-2, tem fomentado novas pesquisas e levantado questionamentos sobre como devemos realizar a assistência de enfermagem aos pacientes suspeitos ou confirmados com o vírus, sobretudo gestantes, recém-nascidos e crianças.

O que se sabe atualmente é que gestantes não possuem risco maior de contraírem o vírus ou apresentarem sintomas mais graves do que a população em geral; não foi comprovado que ocorra transmissão vertical do vírus da mãe para o bebê, por via transplacentária, durante o parto ou aleitamento materno. Entretanto, os poucos casos de gestantes com Covid-19 evoluíram com partos prematuros, não sendo possível ainda relacionar a infecção pelo vírus com a prematuridade.

Em relação a população pediátrica, o risco de contrair o vírus é similar ao risco da população em geral, mas diferentemente da população idosa, as crianças apresentam, na maioria dos casos, sintomas mais brandos, ou quadros assintomáticos.

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas
Cadastrar Login

Orientações sobre Covid-19

Com base em estudos científicos, ainda incipientes sobre infecção pelo vírus SARVS-Cov-2 e a doença Covid-19, segue orientações gerais no âmbito do cuidado à gestante, recém nascido e crianças:

Sobre o uso de equipamentos de proteção individual

  • Cuidados gerais com o paciente suspeito ou confirmado: Utilizar equipamentos de proteção individual necessários para prevenção da transmissão por gotículas e transmissão por contato como gorro, máscara cirúrgica ou viseira do tipo face shield, capote descartável de mangas longas, punhos com elástico ou malha, com gramatura mínima de 30 g/m2, óculos de proteção, luvas de procedimento;
  • Durante os cuidados com maior exposição à fluídos corporais, sangue, parto procedimentos geradores de aerossóis, hipersecração orotraqueal, diarreia, vômitos, etc: substituir por capote descartável impermeável com gramatura mínima de 50g/m2 e máscara N95, além dos outros EPI’s como gorro, óculos, e luvas;
  • A viseira do tipo face shield e o óculos de proteção podem ser reutilizados e compartilhados entre profissionais de saúde, desde que respeitadas as normas de desinfecção institucional.

Sobre a assistência de enfermagem em unidades de emergência

  • Destinar um ambiente reservado, arejado para atendimento exclusivo de gestantes, recém nascidos e crianças com sintomas gripais, que seja diferente do ambiente dos demais pacientes;
  • Uma máscara cirúrgica deve ser oferecida a esses pacientes e seus acompanhantes, ainda no hall de entrada, para que seja utilizada durante o percurso até a sala reservada;
  • É necessário que o enfermeiro esteja devidamente paramentado com os equipamentos de proteção individual para realizar o atendimento, inclusive durante a anamnese desses pacientes;
  • Realizar notificação compulsória dos casos.

Leia também: Recomendações prevenção SARS-CoV-2: limpeza de superfícies e objetos

Sobre assistência de enfermagem no durante a internação

  • Caso haja necessidade de internação, a gestante, o recém nascido e a criança devem ser direcionados a um quarto privativo, se possível. Em alojamento conjunto, recomenda-se que o berço esteja afastado 1 metro de distância da cama mãe.
  • Implementar cuidados de precaução de contato e gotículas;
  • O acompanhante deve: ser o mesmo durante todo o período hospitalar; não ter sintomas de Covid-19; e, não ter tido contato com casos suspeitos ou confirmados. É importante que o acompanhante permaneça de máscara durante o período de internação. Caso o acompanhante passe a apresentar sintomas de Covid-19, o mesmo deve ficar em isolamento domiciliar por 14 dias. Outro familiar, sem sintomas e que não tinha tido contato com caso suspeito ou confirmado deve fazer o acompanhamento da gestante, recém-nascido ou criança.
  • Caso a gestante seja um caso suspeito ou confirmado, o contato pele a pele após o nascimento do bebê, não deve ser realizado.
  • O aleitamento materno, após o nascimento do bebê deve ser adiado, para que sejam realizados, prioritariamente os cuidados de higiene e medidas preventivas contra o vírus SARS-Cov- 2.
  • O aleitamento materno deve ser realizado, mesmo se a mãe for caso suspeito ou confirmado de Covid-19. Entretanto ela deve utilizar máscara cirúrgica e higienizar as mãos antes de tocar o bebê.
  • Quando a puérpera for caso suspeito ou confirmado, orienta-lá que higienize suas mãos e utilize máscara cirúrgica em todos os momentos que necessitar ficar a menos de 1 metro de distância do bebê, principalmente durante o aleitamento materno, cuidados do bebê e antes de manipular objetos e roupas do bebê.
  • Limitar as visitas durante a internação da criança ao menor número de pessoas possível. Recomenda-se só os pais ou responsável legal, e orientar que os avós e pessoas que fazem parte do grupo de risco não visitem a criança durante a internação e em casa, quando receber alta.
  • Orientar o não compartilhamento de objetos e brinquedos. Inclusive, é recomendado que a brinquedoteca permaneça fechada até decisão do Comitê de Covid-19 da instituição.
  • Se a gestante, puérpera, recém-nascido ou criança for caso suspeito ou confirmado de Covid-19 e necessitar de internação em CTI, deve-se separar uma área dentro do CTI para os pacientes com Covid-19, se possível. A equipe de saúde deve ser separada também, para evitar a transmissão do vírus.

Para saber mais sobre Covid-19, baixe o aplicativo Nursebook. Temos uma seção exclusiva de sobre Covid-19!

Autora:

Referências bibliográficas:

  • (BR) Brasil. Nota Técnica Referente Aos Cuidados Da Equipe De Enfermagem Obstétrica, Neonatal E Pediátrica Diante De Caso Suspeito Ou Confirmado. Associação Brasileira de Enfermagem Obstétrica. Sociedade Brasileira de Enfermeiros Pediatras. 2020.
Compartilhar
Publicado por
Nathalia Schuengue

Posts recentes

Efeito das lentes de contato rígidas gás permeáveis no Ceratocone

O uso de lentes de contato é uma das medidas muito utilizadas na reabilitação visual…

46 minutos atrás

Whitebook: Intoxicação por cloroquina no ECG

Em nossa publicação semanal de conteúdos compartilhados do Whitebook vamos falar um pouco sobre a…

5 horas atrás

O paciente como um todo: entendendo o indivíduo, a família e o contexto

A experiência que cada paciente tem é única e esse entendimento, pelo médico, é fundamental…

23 horas atrás

As aplicabilidades da escala de coma de Glasgow [podcast]

No episódio de hoje, Felipe Nobrega comenta sobre o uso da escala de coma de…

24 horas atrás

Tempo mínimo de tratamento para a pneumonia adquirida na comunidade: o estudo PCT

A duração difundida do tratamento antimicrobiano para pneumonia adquirida na comunidade, de 5 a 10…

1 dia atrás

Modelo de predição de parto prematuro para mulheres em trabalho de parto prematuro

O paradigma envolvendo o parto prematuro é a dificuldade de diagnóstico, uma vez que seus…

1 dia atrás