Saúde Mental

Orientações sobre a saúde de casais durante a pandemia

Tempo de leitura: 5 min.

A pandemia da Covid-19 trouxe uma série de problemas para a vida das pessoas. O adoecimento, a morte, o medo, as incertezas, os problemas econômicos, a falta de lazer, a falta de sociabilização, a mudança repentina da vida faz com que diariamente as pessoas desenvolvam diversos problemas psíquicos. A pandemia gerou o isolamento, obrigatório e não pretendido e todos nós sofremos com as mudanças. Na área da saúde, pouco se fala sobre a saúde afetiva de casais, que na pandemia foi gravemente afetada. Compreendendo a condição ampla do conceito de saúde e o conceito de integralidade, deve ser de interesse dos profissionais tal temática que poderá ser trabalhada no acompanhamento das famílias, principalmente na atenção básica e por profissionais empreendedores que cada vez mais atuam na área. 

Leia também: Ética, enfermagem e a pandemia do novo coronavírus

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas
Cadastrar Login

Consequências do isolamento

As repercussões da pandemia já são sentidas, principalmente depois do primeiro ano das primeiras medidas de isolamento social ampliada. Na necessidade de permanecer no ambiente domiciliar muitos casais acabaram experimentando uma nova rotina em seus relacionamentos. Antes os casais possuíam além da rotina domiciliar, uma rotina no trabalho, estudo e laser que foi em muitos casos totalmente modificadas pela nova rotina. O teletrabalho e o tele-estudo levaram as famílias a permanecerem no ambiente domiciliar potencializando os problemas relacionados a suas relações interpessoais e afetivas. Os desafios para os casais esta na comunicação, na coesão das atividades e na divisão do espaço domiciliar. O estresse de estar fechado no domicilio com modificação da rotina de vida levam os casais a desentendimentos e conflitos.

A intensificação dos conflitos pode prejudicar a intimidade e os sentimentos dos casais. o tempo de convivência dos casais no Brasil gerou um aumento da violência a mulher e também redução da possibilidade de reduzir os pedidos de socorro das vítimas. Outro dado que apareceu na literatura foi o aumento do uso de álcool nas famílias. Em relação a conjugalidade estudos revelam que muitos casais não identificaram mudanças no convívio. Os prejuízos nos relacionamento foram mais evidenciados em casais que possuem maior vulnerabilidade estressoras, como: desemprego, dificuldades financeiras, ansiedade, depressão, alteração na personalidade, agressividade, gerando prejuízo na dinâmica conjugal. Os conflitos conjugais tendem a aumentar em cadeia gerando grave sofrimento psicológico no casal.

Saiba mais: Saúde mental de profissionais de enfermagem na pandemia de coronavírus

A literatura revela que bons níveis de individuação e uma boa capacidade de relação emocional podem ser um recurso de resiliência neste processo de isolamento no ambiente conjugal. Os valores da família podem estar relacionados na relação das famílias e na conjugalidade. A divisão de tarefas aparece como uma questão importante do bom convívio familiar que muitas vezes pode ficar prejudicado por valores tradicionais e que colocam na mulher a obrigação da realização das atividades domésticas. Essas são motivo da maioria dos conflitos conjugais, sendo que valores igualitários de gênero são considerados como um processo protetivo dos relacionamentos. O diálogo entre os casais pode ser uma das atividades de maior importância nesse processo, já que pode resolver conflitos ou evitá-los. Durante a pandemia as atividades domésticas também se tornaram uma ocupação, e atividade que vem possibilitando os homens a ressignificar essa questão na sociedade.

A pandemia pode ser uma oportunidade para discussões relativas à violência, a valores tradicionais de gênero e aos papéis de homens e mulheres na sociedade. Além disso, pode ser uma possibilidade de diálogo entre os casais, melhorando a saúde conjugal. Mas como os profissionais de saúde podem abordar a relação do casal? Bom, os profissionais de enfermagem nesse tempo de pandemia podem utilizar a consulta de enfermagem para trabalhar tal questão, realizando consultas familiares. O uso da tecnologia pode ser uma saída para tal questão. A tele-enfermagem é um ótimo recurso para entrar no ambiente domiciliar e conhecer as questões de saúde da família e uma possibilidade para fazer o mesmo com os casais. Vamos tratar de algumas possibilidades:

  • Faça o acolhimento do casal e seja empática;
  • Levante a história do casal;
  • Conheça a dinâmica pré-existente do casal;
  • Identifique as questões relativas ao convívio do casal;
  • Compreenda a dinâmica relacionada ao trabalho, estudo e filhos;
  • Verifique possível quadro de vulnerabilidade psíquica relacionado ao isolamento domiciliar;
  • Converse sobre a possibilidade de modificar a dinâmica do casal, com padrões mais flexíveis no relacionamento;
  • Aborde sobre a saúde sexual e realize orientação sexual para o casal;
  • Compreenda a saúde econômica da família;
  • Compreenda e oriente quanto às questões relacionadas a pandemia da Covid-19;
  • Compreenda e oriente quanto às questões sociais e econômicas, explicando os programas sociais, contando com atendimento multiprofissional;
  • Compreenda e oriente quanto à saúde alimentar do casal;
  • Compreenda e oriente quanto às práticas de atividades física regular do casal;
  • Faça diagnósticos junto ao casal e proponha junto com os mesmo, intervenções possíveis;
  • Incentive os casais a falar abertamente sobre as mudanças que estão vivenciando no período de pandemia;
  • Oriente quanto à escalada de conflitos;
  • Estimule a criação de momentos específicos para a discussão de temas de conflito;
  • Oriente quanto à estratégia do “time-out“, onde os parceiros fazem acordos que interrompem conflitos e discussões quando em direção a escalada de conflitos;
  • Estimule o casal a buscar o serviço de saúde e oriente quanto aos possíveis sinais de ansiedade e depressão;
  • Deixe a comunicação e o espaço de atenção a saúde aberto para o casal;
  • Se perceber qualquer condição de violência, notifique suspeita e deixar a comunicação aberta, dividindo a questão com a equipe. Oriente a consulta individual com a mulher na busca de outras evidências.

Mensagem final

As repercussões da pandemia na vida dos casais podem ser severas. A consulta com a família e com o casal é fundamental para a compreensão das questões emocionais da família. A saúde da família depende de uma relação saudável. O cuidado com a saúde da família, também pode evitar problemas relacionados a conflitos não pretendidos. Cuidado para não invadir o espaço privado do casal ou sua intimidade. As perguntas sempre devem ser realizadas respeitando o casal e sua família. Estimule sempre que as questões venham do casal, não aconselhe o casal em relação a forma de se relacionar, mas construa com o casal qual é melhor forma de se relacionar. Se houver conflitos durante a consulta, faça a mediação e solicite uma nova possibilidade de consulta, aconselhando para a não escalada do conflito. Lembre-se de estimular o afeto e a comunicação do casal. Lembre-se a comunicação terapêutica é uma técnica e deve ser explorada para o cuidado à saúde dos casais.

Autor(a):

Referências bibliográficas:

  • Coutinho RZ, Lima LC, Leocádio VA, Bernardes T. Considerações sobre a pandemia de Covid-19 e seus efeitos sobre a fecundidade e a saúde sexual e reprodutiva das brasileiras. Revista Brasileira de Estudos de População. 2020;37:e0130. Epub October 26. doi: 10.20947/S0102-3098a0130
  • Silva IM, Schmidt B, Lordello SR, Noal DS, Crepaldi MA, Wagner A. As relações familiares diante da COVID-19: recursos, riscos e implicações para a prática da terapia de casal e família. Pensando famílias. 2020;24(1),12-28. 
  • Schmidt B, Silva IM, Pieta MAM, Crepaldi MA, Wagner A. Terapia On-line com Casais e Famílias: Prática e Formação na Pandemia de Covid-19. Psicologia: Ciência e Profissão. 2020;40(e243001):1-15. Epub December 11, 2020. doi: 10.1590/1982-3703003243001
Compartilhar
Publicado por
Rafael Polakiewicz

Posts recentes

Adaptação cardiovascular na gestação: por que devemos conhecer?

A gestação envolve muitas adaptações. Dentre elas, a adaptação cardiovascular. Por isso, é importante se…

59 minutos atrás

Coombs indireto: quando solicitar, como interpretar e como proceder?

Para identificar se a gestante Rh negativa criou anticorpos, é necessário solicitar o exame de…

4 horas atrás

Check-up Semanal: nova diretriz para TPV, probióticos na tolerância à APLV e mais! [podcast]

Check-up Semanal: confira as últimas notícias sobre as novas diretrizes para TPV, o uso de…

16 horas atrás

Atualização no tratamento da hipertensão arterial pulmonar

A hipertensão arterial pulmonar (HAP) era até pouco tempo uma doença com prognóstico sombrio e…

18 horas atrás

Crianças e adolescentes não sofrem lesões ligamentares do tornozelo?

Uma revisão sistemática recentemente buscou determinar a incidência dos diferentes tipos de lesões laterais do…

19 horas atrás

O papel do peptídeo natriurético cerebral na fibrilação atrial

Estudo investigou o efeito do NT-proBNP basal na recorrência de FA após ablação por catéter…

20 horas atrás