Colunistas

Os valores recomendados para controle da pressão arterial estão adequados?

Hipertensão arterial (HAS) é uma condição muito comum na atenção primária, que pode causar infarto do miocárdio (IAM), acidente vascular encefálico (AVE), insuficiência cardíaca (IC), doença renal crônica e morte se não tratada adequadamente.

Os pacientes portadores de HAS querem estar certos de que o tratamento efetivo reduzirá o risco da doença e os médicos querem guiar os cuidados da HAS, usando as melhores evidências científicas disponíveis. A definição do valor de normalidade da pressão arterial é bastante controversa e recentemente as diretrizes de hipertensão arterial têm mudado a meta da pressão arterial.

A VI Diretrizes Brasileiras de hipertensão arterial de 2010 estabelece como normal o valor da pressão arterial sistólica (PAS) menor que 130mmHg e diastólica (PAD) menor que 85mmHg. Na presença de diabetes, a Diretriz recomenda que as metas a serem atingidas sejam de PAS 130mmHg e PAD de 80mmHg.

A Diretriz Americana (VIII JOINT) recomenda que para a população acima de 60 anos o tratamento farmacológico deve ser iniciado com valores da PAS maiores que 150mmHg ou PAD maior que 90 mmHg. Na população com idade menor que 60 anos, o VIII JOINT recomenda que o tratamento com medicamentos tenha como meta reduzir a PAS para menos que 140mmHg. Na população diabética adulta, independente da faixa etária, o tratamento farmacológico tem como meta reduzir a PAS para menos que 140mmHg e a PAD para < 90mmHg.

Mais do autor: ‘A zona cinzenta entre os fenótipos da insuficiência cardíaca’

Em 2015, foi publicado o estudo SPRINT, que tinha como objetivo avaliar os valores mais adequados para a PAS na redução de comorbidades e mortalidade cardiovascular entre indivíduos não diabéticos. Foram avaliados 9.361 indivíduos com PAS igual ou superior a 130mmHg com risco cardiovascular aumentado.

Os pacientes foram divididos em dois grupos, um em que a meta da PAS foi < 120mmHg – tratamento intensivo – e outro em que a meta foi PAS menor que 140mmHg – tratamento padrão. O desfecho primário foi IAM, outras síndromes coronarianas agudas, AVE, IC ou morte por causa cardiovascular.

Em um ano, a PAS média era de 121,4mmHg no grupo intensivo e 136,2mmHg no grupo padrão. O estudo foi interrompido precocemente após um seguimento médio de 3,26 anos, devido a uma taxa significativamente mais baixa do resultado primário composto no grupo intensivo em relação ao grupo padrão (1,65% por ano vs. 2,19% por ano; taxa de risco com tratamento intensivo, 0,75;95% IC, 0,64 a 0,89; p=0,003). Por outro lado a taxa de efeitos adversos como hipotensão foram maiores no grupo intensivo.

Veja também: ‘HAS – plano terapêutico’

Estudo publicado em julho de 2016 comparou o risco associado com a PAS de acordo com as recomendações atuais (< 140mmHg) com o risco associado com menores valores em pacientes com diabetes tipo 2 e sem doença cardiovascular prévia.

O estudo avaliou 18.7106 indivíduos com diabetes e idade ≤ 75 anos em 861 unidades ambulatoriais, no período de 2006 a 2012, com um seguimento médio de cinco anos. Eventos clínicos como IAM, AVE, IC, desfecho composto de IAM e AVE e morte foram obtidos através de alta hospitalar e registros de óbitos.

O grupo que apresentava menor PAS (110 – 119mmHg) teve um risco menor de IAM não fatal (p=0,003), IAM total (p=0,04), doença cardiovascular não fatal (p=0,002) quando comparado com o grupo com PA 130 – 139mmHg.

Estudos recentes como o SPRINT de 2015 e o Estudo Sueco de 2016 mostram que valores menores da PAS em relação ao recomendado nas Diretrizes estão associados com menor risco de eventos cardiovasculares fatais e não fatais em pacientes com ou sem diabetes.

Autor:

As melhores condutas médicas você encontra no Whitebook. Baixe o aplicativo #1 dos médicos brasileiros. Clique aqui!

Referências:

  • Sociedade Brasileira de Cardiologia / Sociedade Brasileira de Hipertensão / Sociedade Brasileira de Nefrologia. VI Diretrizes Brasileiras de Hipertensão. Arq Bras Cardiol 2010; 95(1 supl.1): 1-51.
  • James PA, Oparil S, Carter BL, Cushman WC, Dennison-Himmelfarb C, Handler J,et al. 2014 evidence-based guideline for the management of high blood pressure in adults: report from the panel members appointed to the Eighth Joint National Committee (JNC 8). JAMA. 2014 5;311:507-20.
  • Rodgers A, Perkovic V. A Randomized Trial of Intensive versus Standard Blood-Pressure Control. N Engl J Med. 2016 Jun 9;374(23):2295.
  • Adamsson Eryd S, Gudbjörnsdottir S, Manhem K, Rosengren A, Svensson AM, Miftaraj M, et al Blood pressure and complications in individuals with type 2 diabetes and no previous cardiovascular disease: national population based cohort study. BMJ. 2016;4;354:i4070. doi: 10.1136/bmj.i4070.
Compartilhar
Publicado por
Antonio Lagoeiro

Posts recentes

Uso da inteligência artificial para otimização do tratamento da sepse

Estudo avaliou modelo computacional no campo da Inteligência Artificial, capaz de sugerir tratamentos otimizados para…

6 horas atrás

Check-up Semanal: semana da sepse, dieta vegetariana em crianças e mais! [podcast]

Check-up Semanal: confira as últimas notícias sobre semana da sepse, dieta vegetariana em crianças, apendicite…

7 horas atrás

Anestesia e síndrome carcinoide: o que precisamos saber?

A síndrome carcinoide pode surgir quando os peptídeos vasoativos secretados pelas células tumorais entram na…

8 horas atrás

Anvisa aprova uso de baricitinibe em pacientes hospitalizados com covid-19

A Anvisa aprovou uma nova indicação para o baricitinibe: o tratamento de adultos hospitalizados com…

9 horas atrás

Qual é a melhor combinação no tratamento conservador de lesões do manguito rotador?

Um estudo analisou o melhor regime de supervisão dos exercícios e o benefício das infiltrações…

10 horas atrás

AVC: como obter certificação online para aplicação da NIHSS

Foi criada uma escala para quantificar a magnitude e gravidade do AVC, a NIHSS, sendo…

11 horas atrás