Otimização de jejum perioperatório com solução de carboidratos

Estudo avaliou se a administração oral de malto dextrina e frutose em cirurgias abdominais influenciam no bem-estar e resistência insulínica.

O racional por trás do jejum pré-operatório é a redução do risco de aspiração pulmonar do conteúdo gástrico, o que estaria associado ao aumento da morbimortalidade perioperatória e piora do desfecho em caso de grandes volumes aspirados ou quando há partículas.

garfo e faca em cima de mesa de madeira, representando jejum intermitente

O que já se sabia

Atualmente, o tempo de jejum orientado depende de cada refeição: 

  • Alimentos gordurosos e proteínas: oito horas 
  • Refeições leves: seis horas 
  • Leite não humano e outros líquidos: seis horas 
  • Líquidos claros (café, chá, suco sem polpa, água, soluções de carboidratos): duas horas 

No entanto, o estresse cirúrgico de cirurgias de grande porte tipicamente resulta em resistência insulínica, hiperglicemia e aumento de complicações pós operatórias, como infecção, em até 30%. A resistência insulínica diminui a entrada de glicose e sua utilização pela célula além de aumentar a produção de glicose endógena através gliconeogênese nos músculos e tecido gorduroso. 

O que o estudo recente nos mostra 

Visando contrapor tais pontos negativo, o estudo multicêntrico realizado em seis hospitais na China e publicado em junho de 2022, concluiu que a administração oral de malto dextrina e frutose nas cirurgias maiores abdominais (gástricas, colorretais e duodenopancreatectomias) podem não apenas melhorar o bem-estar do paciente como também reduzir a resistência insulínica pós operatória sem aumentar o risco de desconforto gastrointestinal ou aspiração pulmonar. 

O consumo oral de carboidrato pré-operatório é uma estratégia já utilizada no protocolo ERAS (Enhanced Recovery After Surgery) para reduzir o estresse cirúrgico e modular a sensibilidade insulínica durante e após a cirurgia.  

Métodos 

Nesse estudo foram administrados 800 ml e 200 ml de solução com carboidrato (contendo 50g de carboidrato, equivalente a uma concentração de 12,5%) dez horas e duas horas antes da cirurgia abdominal maior conforme protocolo ERAS no grupo controle ao passo que no grupo placebo foi administrado água. 

Cirurgia gastrointestinal: desfechos da terapia do vácuo endoscópico no duodeno

Resultados 

Como desfecho primário, foi acompanhado do índice HOMA-IR antes da cirurgia e após a cirurgia, no primeiro e no terceiro dia em ambos os grupos. Foi observado que no grupo controle o índice HOMA-IR no pós operatório foi significativamente maior que grupo intervenção. 

Como desfecho secundário foi observado que não houve aumento do risco de broncoaspiração na indução anestésica, demonstrando a segurança na prática clínica além de melhorar o conforto subjetivo no período pré-operatório com redução da ansiedade e da fome.

Desconforto orofaríngeo após anestesia geral: o que há de novo para sua prevenção?

Considerações 

O estudo pondera que, apesar dos aspectos positivos encontrados, ele dispõe de limitações. Uma delas é sobre a idade dos participantes, pois incluiu apenas pacientes de 45 a 70 anos e com IMC 16,7 a 31,6 e exclui paciente com doenças metabólicas graves, como diabetes mellitus. 

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe o Whitebook Tenha o melhor suporte
na sua tomada de decisão.
Referências bibliográficas: Ícone de seta para baixo