Página Principal > Colunistas > Paciente grave: ringer lactato ou soro fisiológico?
administracao de antibioticos

Paciente grave: ringer lactato ou soro fisiológico?

Tempo de leitura: 2 minutos.

Um artigo recente do New England Journal of Medicine abordou o estudo SMART (Isotonic Solutions and Major Adverse Renal Events Trial), que randomizou 15.802 pacientes admitidos em cinco UTIs em um único centro acadêmico. As unidades trocaram soluções salinas e cristaloides balanceados em meses pares e ímpares; ao longo do estudo de 1 de junho de 2015 até 30 de abril de 2017, 7.860 pacientes receberam SF 0,9% e 7.942 receberam Ringer lactato ou Plasma-Lyte A.

Dente as características dos participantes, a mediana de idade era de 58 anos, 56,7% eram homens, mais de um terço estava em ventilação mecânica, cerca de um quarto estava em uso de vasopressores e a creatinina basal era 0,89. O desfecho primário era caracterizado por eventos renais adversos maiores dentro de 30 dias:

– Morte;
– Nova terapia renal substitutiva;
– Disfunção renal persistente (caracterizada pela duplicação da creatinina de base).

LEIA MAIS: Escores SOFA x qSOFA na sepse

Os pacientes que receberam cristaloides balanceados tiveram menos incidência de desfechos primários em relação aos que receberam soluções salinas (p=0,04). Houve menos mortes no grupos dos cristaloides (p=0,06). Os resultados mostram que pacientes usando soluções balanceadas tiveram uma redução absoluta de 1,1% nos desfechos primários. Mudar de solução salina para cristaloide balanceado preveniria que um paciente tivesse morte, nova terapia de reposição renal ou disfunção renal persistente a cada 94 pacientes tratados.

Dessa forma, de acordo com este estudo, apesar da solução balanceada ser mais dispendiosa a longo prazo, parece haver um melhor custo-benefício com o uso de soluções balanceadas em pacientes críticos.

Tenha sempre condutas atualizadas na sua mão! Baixe gratuitamente o Whitebook.

Autor:

Referência:

  • Balanced Crystalloids versus Saline in Critically Ill Adults; Semler,M.W. Self,W.H. et al., NEJM fev, 2018.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.