Pacientes alérgicos a penicilina podem usar cefalosporinas?

As cefalosporinas são a classe antibiótico mais usada na profilaxia cirúrgica, mas há dúvidas se são seguras em pacientes com alergia à penicilina. Veja

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar esse conteúdo crie um perfil gratuito no AgendarConsulta.

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

A infecção hospitalar é uma das maiores causas de morbimortalidade de pacientes pós cirúrgicos internados além de aumentar muito o tempo e consequentemente o custo de cada internação do paciente. Estima-se que uma infecção no sítio cirúrgico aumente em até 10 dias o tempo de internação de cada paciente e em U$25 mil por paciente tratado.

As cefalosporinas de 1ª geração são a classe antibiótico mais usada na profilaxia cirúrgica, mas há dúvidas se são seguras em pacientes com alergia à penicilina: essa é uma grande dúvida para a maioria dos anestesistas quando se deparam com pacientes alérgicos a penicilina. Com medo da reação cruzada entre as duas medicações, muitos médicos preferem não correr o risco.

A penicilina e a cefalosporina fazem parte da mesma família de antibióticos, os beta-lactâmicos e possuem uma estrutura física semelhante porém não igual, onde as duas substâncias compartilham a mesma cadeia R1 e mesma cadeia do anel betalactâmico.

As cefalosporinas de 1ª geração (cefazolina) são o antibiótico de primeira escolha para a profilaxia de infecções pós operatórias pelo espectro bacteriano que atingem (gram positivos de pele), além de ser de baixo custo e de fácil administração. Nos pacientes alérgicos, as outras opções são a Clindamicina e Vancomicina. Ambas têm maior custo, administração mais lenta e estão relacionadas a mais chances de complicações, como colite pseudomembranosa e nefrotoxicidade.

De acordo com estudos atuais-Anestesia e Analgesia 2018-Misconceptions surrounding Penicilin Allergy-Implications for Anesthesiologists, não há evidências atuais que contra indiquem absolutamente a administração de Cefazolina em paciente alérgicos a penicilina. Apesar de estruturalmente parecidos, não há no presente estudo clínico nada que comprove incidência alta de reação cruzada. Alguns grupos de alergistas recomendam o teste cutâneo de alergia à penicilina, sendo o teste negativo uma segurança para uso de cefalosporina. Essa posição é controversa e não há estudos conclusivos ainda.

Leia maisPacientes com alergia à penicilina têm o dobro de risco de infecção de sítio cirúrgico

Estatisticamente falando, atualmente ocorre uma incidência de 2% de reações cruzadas entre penicilina e cefalosporina, sendo os maiores casos em relação as aminocefalosporinas (40%). Em se tratando das cefazolinas, que são as cefalosporinas comumente utilizadas para profilaxia em sítio cirúrgico, esse risco de reação cruzada é baixíssimo (em torno de 1%). Isso se deve ao fato de que as aminoscefalosporinas são mais estruturalmente semelhantes as penicilinas pois compartilham além do anel B- lactâmico as mesmas cadeias R1 comuns as penicilinas. O que difere das Cefazolinas que possuem apenas uma cadeia lateral levando a baixa risco de reação cruzada.

Vale ressaltar que a reação alérgica as Penicilinas propriamente dita é mediada imunologicamnete pelas IgE e apresenta sinais e sintomas ricos e graves como prurido, urticária, flush, angioedema, edema de laringe, bronccoespasmo podendo levar a choque e morte. Esses efeitos diferem dos efeitos secundários tardios que não tem ação mediada imunologicamente, como Síndrome de Stevens Johnson, necrólise epidérmica tóxica e endovasculite induzida.

Qual a mensagem para a prática clínica?

Quando a história é de alergia grave à penicilina mediada por IgE, como anafilaxia, está contra indicado o uso de Cefalosporina de qualquer geração. Nos demais casos, a cefazolina pode ser usada como profilaxia cirúrgica.

É médico e quer ser colunista do Portal da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Referências:

  • Anestesia e Analgesia 2018-DOI 10.123:ANE
  • JAMA. 2019;321(2):188-199. doi:10.1001/jama.2018.19283
  • Immunol Allergy Clin N Am 37 (2017) 643–662
Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastre-se grátis Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe e-books, e outros materiais para aprimorar sua prática médica e gestão Baixe e-books, e outros materiais
para aprimorar sua prática
médica e gestão

Especialidades

Tags