Pacientes diagnosticados com demência podem dirigir?

Neste artigo abordaremos a manutenção da direção por pacientes diagnosticados com demência nos estágios iniciais ou distúrbios cognitivos leves. É possível esses indivíduos continuarem dirigindo?

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

Questionamentos acerca da manutenção da direção de veículos por pacientes com declínio cognitivo leve e estágios iniciais de demência são frequentes na prática clínica. De um lado, familiares receosos esperam que o médico proíba o paciente de dirigir. Por outro, pacientes ainda autônomos – que têm na direção fonte de lazer, trabalho e independência – esperam de seu médico permissão para continuar a se manter ativo.

Nesse sentido, trata-se de um assunto complexo que envolve não apenas aspectos médicos, mais também questões legais e sociais.

O documento Driving with dementia or mild cognitive impairment: Consensus Guidelines for Clinicians organizado pela Universidade de Newcastle – Reino Unido e publicado em 2018, busca auxiliar nas discussões e decisões sobre o tema. No decorrer da leitura, torna-se necessário que as diferenças entre as legislações de tráfego do Reino Unido e do Brasil sejam respeitadas. No entanto, as considerações pertinentes aos aspectos gerais entre demência e direção podem ser aplicadas à nossa realidade.

Recomendações oficiais

De acordo com a Driver and Vehicle Licensing Agency, responsável pela concessão de habilitação no Reino Unido, em casos de demência:

  • O órgão deve ser notificado pelo próprio paciente;
  • A autorização usualmente baseia-se em relatórios médicos;
  • Avaliações formais da capacidade de direção podem ser necessárias;
  • Quando a habilitação incluir ônibus e caminhões, deve ser proibida.

No Brasil não há normas específicas para tais situações. Entretanto, na resolução do CONTRAN nº 425 de 27/11/2012 é possível destacar:

  • O preenchimento dos formulários com o resultado do exame de aptidão física e mental e da avaliação psicológica é de responsabilidade das entidades credenciadas pelos órgãos ou entidades executivos de trânsito dos Estados e do Distrito Federal;
  • As informações prestadas pelo candidato são de sua responsabilidade;
  • O exame de aptidão física e mental contempla, entre outros: comportamento, contactuação e compreensão, perturbações da percepção e atenção, orientação, memória e concentração, controle de impulsos;
  • A avaliação psicológica inclui a aferição dos seguintes aspectos: tomada de informação; processamento de informação; tomada de decisão; comportamento; auto avaliação do comportamento; traços de personalidade.

Efeitos das demências sobre a direção

Nem todos os indivíduos com diagnóstico de demência necessitam parar de dirigir imediatamente, uma vez que mesmo após o diagnóstico os motoristas poderão manter tal habilidade de forma segura por algum tempo. É preciso ser observado que a deterioração das funções necessárias ao seu exercício pode diferir para cada paciente. No entanto, quando esse processo é detectado, ele implica na perda da habilitação.

As funções suscetíveis de comprometimento pelos quadros demenciais e as habilidades a elas relacionadas incluem

  • Função executiva: tomada de ações apropriadas para evitar acidentes; planejamento de rotas; resposta apropriada aos sinais em estradas, sinais de transito e de outros motoristas; sequenciamento de tarefas necessárias para começar, controlar e parar um carro; resposta a mudanças inesperadas e antecipação e reação a futuros cenários na via;
  • Habilidades visuoespaciais e visuoperceptuais: reconhecimento de outros motoristas e julgamento de suas velocidades e distâncias; reconhecimento dos sinais na via, marcações na pista e sinais de trânsito; manutenção da segurança e posicionamento consistente na via;
  • Atenção e concentração: manutenção da atenção na via e nos outros motoristas; manutenção da velocidade apropriada; divisão da atenção entre diversos perigos em situações de risco;
  • Tempo de reação: antecipação e reação rápidas e consistentes à ação de outros motoristas;
  • Memória: planejamento e recordação de rotas; recordação do significado dos sinais na via, marcações na pista e sinais de trânsito.

Avaliação da segurança para direção no paciente com demência

A discussão a cerca de capacidade para direção deve incluir o próprio paciente e também pessoas próximas a ele (familiares e cuidadores). O contexto ideal é que tais encontros sejam realizados em ocasiões separadas. O paciente dever ser avaliado não apenas quanto aos hábitos atuais de direção, mais também quanto a função cognitiva; habilidade funcional; co-morbidades e medicações.

Leia mais: Estudo mostra Brasil como segundo país em prevalência de demência

Apesar de não haver testes cognitivos específicos para a capacidade de direção, os testes do desenho do relógio e o Trail Making Test B parecem úteis. Em algumas situações podem ser até mesmo necessária uma avaliação em um centro de treinamento de condutores.

Durante a consulta determinados sinais e sintomas devem ser valorizados

  • Sinais de alerta na direção: culpa por acidentes ou “quase acidentes”; problemas para estacionar; excesso de velocidade e desconhecimento de limites; lentidão excessiva; atraso nas reações ou mau julgamento; necessidade de atuação dos passageiros como copilotos; pouco controle ou hesitação em rotatórias e entroncamentos; insegurança por parte dos passageiros; perder-se em rotas familiares;
  • Sintomas a serem questionados: alterações de personalidade com desinibição, impulsividade de agressividade; sonolência diurna excessiva e variação no nível de alerta; sintomas psicóticos; ansiedade e depressão severos; insight pobre sobre como a demência pode interferir na direção.

Direção segura, plano de redução da direção e identificação de alterações

Para os pacientes em condições de continuar a dirigir, medidas que garantam direção segurança devem ser discutidas com pacientes e familiares:

  • Limitar-se a rotas conhecidas.
  • Evitar dirigir a noite;
  • Não dirigir se estiver se sentindo mal ou cansado;
  • Não ingerir bebida alcoólica no dia ou mesmo na véspera de dirigir;
  • Não dirigir em condições climáticas desfavoráveis.

Deve-se observar que a progressão do quadro demencial tornará a direção proibitiva em algum momento. É necessário identificar sinais sutis de que a direção esta se tornando insegura:

  • Julgamento visuespacial: mudança na proximidade do carro com outros veículos estacionados ou em ultrapassagens; incapacidade de manter um curso regular numa faixa; dificuldade em seguir mudanças sutis no curso da via;
  • Resposta a imprevistos: falhas repetidas em responder à ambientes inseguros como entroncamentos ou cruzamentos;
  • Redução da atenção: sobrecarregado em situações cotidianas;
  • Tomada de decisão: declínio na capacidade de tomar decisões de forma independente quando dirigindo; comandos verbais são dados pelo passageiro; correção excessiva ou errática a mudanças na direção na via ou ao ambiente;
  • Erros sequenciais: falha em soltar o freio de mão; em checagens antes de sair; problemas com a mudança de engrenagem;
  • Aumento da vigilância do passageiro: passageiros tornam-se mais atentos as mudanças na habilidade de direção; ou de passageiros passivos passam a fornecer comandos ou pistas.

Tendo-se a ciência desse processo de deterioração de determinadas habilidades é imperativo ocorrer um preparo gradual de pacientes e familiares para esse momento, devendo ser demostradas alternativas à direção e os possíveis benefícios de sua cessação.

Algumas considerações

O documento apresentado pode servir como fonte te inspiração para adoção de medidas semelhantes em nosso país. Para além da problemática envolvendo demência e direção, desperta reflexões sobre o envelhecimento da população em nosso país e sobre a urgência de políticas públicas voltadas para os idosos.

Tais políticas não devem abranger apenas o âmbito da saúde. Por um lado, o envelhecimento populacional traz consigo o aumento da prevalência de diversas doenças, entre elas a doença de Alzheimer; por outro, temos idosos alcançando idades cada vez mais avançadas mantendo-se fisicamente, cognitivamente, socialmente e economicamente ativos.

A capacidade para direção é apenas um exemplo da tantas outras atividades que tangenciam a vida do individuo idoso, saudável ou não, e que precisam ser debatidas.

É médico e também quer ser colunista do Portal da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Referências:

  • BRASIL. Departamento Nacional de Transito. Resolução nº 425, de 27 de novembro de 2012.
  • UNIVERSIDADE DE NEWCASTLE. Driving with dementia or mild cognitive impairment: Consensus Guidelines for Clinicians. Reino Unido: 2018. Disponível em: https://research.ncl.ac.uk/driving-and-dementia/downloads/Final%20Guideline.pdf. Acesso em: 13 de janeiro de 2019.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe o Whitebook Tenha o melhor suporte
na sua tomada de decisão.

Especialidades

Tags