Home / Colunistas / Paralisia do VI nervo (Abducente): Como identificar?

Paralisia do VI nervo (Abducente): Como identificar?

Tempo de leitura: 2 minutos.

O núcleo do sexto nervo (abducente) fica no nível da protuberância, ventral ao assoalho do quarto ventrículo. As fibras (fascículos) deixam o tronco cerebral ventralmente na junção pontobulbar.

O VI nervo craniano ou abducente inerva apenas um músculo extraocular, o reto lateral homolateral, que tem como ação básica a abdução do olho. 

No caso de sua paresia ou paralisia, há indução de uma limitação, de intensidade variável da abdução e um desequilíbrio de forças horizontais, com predomínio tônico do reto medial íntegro, consequente esotropia e diplopia homônima.

A paralisia ou paresia de reto lateral ou da abdução, muitas vezes, não representam lesões do VI nervo. Afinal, podem ser produzidos por doença de Graves, miastenia gravis, processos inflamatórios orbitários, dentre outros. 

Etiologia – Mais Prevalente

  • Infância:
    1. Viral;
    2. Congênita (muito rara – síndrome de Duane);
  • Adulto jovem:
    1.  
    Traumática;
    2. Expansiva.
  • Adulto idoso:
    1. 
    Hipertensão Arterial;
    2. Diabetes Mellitus;
    3. Arterite das células gigantes.

Paralisia do VI nervo (abducente)
Imagem de paciente do Hospital Universitário Antônio Pedro (HUAP) cedida pela Dra. Isabelle Manicacci

Quadro Clínico

  • Diplopia: A visão dupla é caracteristicamente pior para alvos distantes e menor ou ausente na fixação de perto;
  • Esotropia;
  • Limitação da abdução no lado da lesão;
  • Adução normal do olho afetado;
  • Rotação compensadora da face para o lado do músculo paralisado na paralisia unilateral;
  • Paresia do sexto nervo aguda bilateral é menos comum do que a unilateral. Sempre deve-se excluir elevação da pressão intracraniana.

Diagnóstico

  • Ângulo de Desvio;
  • Estudo das Versões;
  • Estudo da Contratura do Reto Medial;
  • Estudo da Ação do Reto Lateral (Teste de Geração de Força).

Tratamento

  • Oclusão;
  • Prismas;
  • Toxina Botulínica.

O tratamento cirúrgico deve ser instituído se depois de 6 meses a um ano o quadro não se modifica. 

Autora: 

Referências:

  • Curi RLN, Costa ICB de O,  Barroso TGM. Paralisia do VI nervo (abducente). Rev Bras de Oftalmo 2013; 72(1), 59-69.
  • Kanski JJ. Oftalmologia clínica: uma abordagem sistemática. 8. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2016.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.