Ginecologia e Obstetrícia

Parto prematuro: usar ou não progesterona?

Tempo de leitura: 2 min.

O nascimento de fetos prematuros pode trazer prejuízos desde o nascimento, logo após o parto, até repercussões na vida adulta dessas crianças. A morbimortalidade associada à prematuridade é amplamente discutida na literatura e tratada pela obstetrícia.

Potenciais complicações incluem:

  • Infecções neonatais;
  • Síndrome de desconforto respiratório recém nascido;
  • Longos períodos de internação;
  • Retardo desenvolvimento neuropsicomotor;
  • Paralisia cerebral;
  • Déficits cognitivos e evolutivos;
  • Doenças respiratórias na vida adulta.

Enfim, se a prematuridade pudesse ser prevenida ou evitada essas intercorrências poderiam ser minimizadas.

Com esse objetivo temos protocolos de prevenção de trabalho de parto prematuro sugerindo o uso de progesterona de forma profilática.

Leia também: Parar de fumar ainda na gravidez reduz parto prematuro

Progesterona no parto prematuro

Um trabalho bem interessante publicado no American Journal of Perinatology utilizou um grande estudo multicêntrico incluindo 1740 mulheres, de nove países. Essas mulheres eram randomizadas desde 16 a 20 semanas para entrar no protocolo para receber progesterona como forma de prevenção de novos partos prematuros.

Os autores não encontraram diferenças significativas nos grupos estudados. A comparação do uso de caproato de progesterona intramuscular com placebo não mostrou-se significante.

Mais do autor: Sepse na gestação: como não perder o diagnóstico de vista

O protocolo do Colégio Americano de Ginecologia e Obstetrícia ainda orienta uso de progesterona como forma de profilaxia para partos prematuros, apesar de sugerir a discussão de dose e vias de administração com as pacientes.

Protocolo no Brasil

No Brasil, seguimos o mesmo protocolo, com administração de progesterona por via vaginal ou oral.

Entretanto, não temos estudos que quantifiquem e digam se existem complicações a longo prazo nos recém-nascidos cujas mães usaram progesterona durante longos períodos na gravidez.

Autor:

Referência bibliográfica:

  • Practice Advisory: Clinical guidance for integration of the findings of the PROLONG study: Progestin’s Role in Optimizing Neonatal Gestation. American College of Obstetricians and Gynecologists. Disponível em <https://www.acog.org/Clinical-Guidance-and-Publications/Practice-Advisories/Clinical-guidance-for-integration-of-the-findings-of-The-PROLONG-study-Progestins-Role-in-Optimizing>
Compartilhar
Publicado por
João Marcelo Martins Coluna

Posts recentes

Transtorno do pânico: qual a diferença do ataque de pânico?

Neste episódio, a Dra. Paula Hartmann vai falar sobre transtorno do pânico. Entenda os fatores…

11 horas atrás

Xantelasma: Diagnóstico e tratamento

O xantelasma é uma placa de gordura, amarelada que ocorre mais comumente no canto interno da pálpebra.…

11 horas atrás

Síndrome do piriforme: o que é e qual o seu tratamento?

A síndrome do piriforme é uma condição decorrente da compressão do nervo ciático pelo músculo…

12 horas atrás

Urina de 24 horas: como orientar a coleta?

Embora a coleta/conservação de urina seja simples, ela costuma gerar muitas dúvidas nos pacientes e até…

13 horas atrás

Enfermeiros dos EUA são mais propensos a ter pensamentos suicidas do que outros trabalhadores da área de saúde

Os pesquisadores descobriram que o Burnout estava fortemente associado à pensamentos suicidas entre os enfermeiros.…

15 horas atrás

Assistência manual intermitente da respiração versus pressão suporte durante o processo de extubação

Não só a intubação orotraqueal mas o processo da extubação é um dos maiores desafios…

16 horas atrás