Leia mais:
Leia mais:
PEBMED e ILAS: manejo hemodinâmico na sepse [podcast]
PEBMED e ILAS: terapia antimicrobiana na sepse [podcast]
Sepse: devo acompanhar o lactato? (caso clínico)
PEBMED e ILAS: Destaques da Surviving Sepsis Campaign (2021) [podcast]
PEBMED e ILAS: reabilitação na sepse [podcast]

PEBMED e ILAS: destaques da Surviving Sepsis Campaign – manejo da sepse e choque séptico

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

As recomendações do Surviving Sepsis Campaign (SSC) sobre o manejo da sepse e choque séptico foram atualizadas em outubro de 2021. O documento, publicado de forma conjunta na Intensive Care Medicine e na Critical Care Medicine, resume as principais evidências e recomendações relacionadas ao manejo da sepse e choque séptico no mundo.

Em conjunto com o Instituto Latino-Americano de Sepse (ILAS), trouxemos os principais pontos de destaque dos novos guidelines. Mais sobre as recomendações e outras atualizações sobre sepse você poderá encontrar no XVIII Fórum de Sepse, que acontece em junho.

Guideline sepse 2021

Ressuscitação inicial

  1. Sepse e choque séptico são emergências médicas! Inicie o tratamento e a ressuscitação de forma imediata (recomendação de melhor prática);
  2. Expansão volêmica de, no mínimo, 30 mL/kg de cristaloides nas primeiras 3 horas de ressuscitação, em pacientes com evidência de hipoperfusão pela sepse ou choque séptico; aqui, atenção, houve uma redução do grau de recomendação de forte para fraca, significando que podemos avaliar criticamente nosso paciente e decidir sobre a conduta ideal para cada caso (recomendação fraca);
  3. Visando guiar a ressuscitação volêmica, dê preferência ao uso de medidas dinâmicas de fluidorresponsividade em detrimento a somente exame físico ou parâmetros estáticos (recomendação fraca);
  4. Utilize a redução do lactato como meta para guiar a ressuscitação em pacientes com lactato elevado (não deixe de considerar o contexto clínico e outras causas para elevação do lactato)(recomendação fraca);
  5. E, por último, a novidade da guideline. Utilize o tempo de enchimento capilar para guiar a ressuscitação, como adjuvante a outras medidas de perfusão!(recomendação fraca)

Antibioticoterapia

Se por um lado, a administração precoce de antibióticos é uma intervenção essencial para redução de mortalidade na sepse, o uso excessivo de antimicrobianos em pacientes sem infecção aumenta a exposição a eventos adversos, como reações alérgicas, insuficiência renal, trombocitopenia, além de favorecer o surgimento de microrganismos resistentes. Por esse motivo, a necessidade e a urgência do início de antibioticoterapia devem ser guiadas individualmente pela probabilidade de infecção e pela gravidade de cada caso.

Quais as novas recomendações neste tópico?

  • Para pacientes adultos com choque séptico ou com alta probabilidade de sepse, recomenda-se administração imediata de antimicrobianos, idealmente na primeira hora (recomendação forte);
  • Para pacientes adultos com possível sepse sem choque, recomenda-se avaliação rápida da possibilidade da presença de infecção vs. causas não infecciosas de doença aguda (recomendação de melhor prática);
  • Para pacientes adultos com possível sepse sem choque, sugere-se avaliação rápida e, se a suspeita de infecção persistir, administração de antibióticos nas primeiras 3h desde o reconhecimento de sepse (recomendação fraca);
  • Para pacientes adultos com baixa possibilidade de infecção e sem choque, sugere-se não iniciar antibióticos e monitorar o paciente (recomendação fraca).
Adaptado de: Evans L, Rhodes A, Alhazzani W, et al. Surviving sepsis campaign: international guidelines for management of sepsis and septic shock 2021 [published online ahead of print, 2021 Oct 2]. Intensive Care Med. 2021;10.1007/s00134-021-06506-y

Drogas vasoativas

Nos pacientes que dentro da primeira hora ainda não atingiram um valor de PAM acima de 65 mmHg ou que apresentam grave instabilidade hemodinâmica e que não podem esperar o término da expansão volêmica, o uso precoce de drogas vasoativas deve ser encorajado. O objetivo é interromper a má perfusão de órgãos o mais precoce possível, não sendo adequado esperar que o total dos 30 mL/kg de volume sejam feitos antes de ponderar sobre o início precoce do vasopressor. Na sepse, tempo é vida.

  • Para adultos com choque séptico, recomendamos o uso de norepinefrina como agente de primeira linha em vez de outros vasopressores (recomendação forte);
  • Para adultos com choque séptico em norepinefrina com níveis inadequados de PAM, sugerimos adicionar vasopressina em vez de aumentar a dose de norepinefrina (recomendação fraca); geralmente se associa vasopressina quando a dose de noradrenalina está entre 0.25-0.5 mcg/kg/min..
  • Para adultos com choque séptico e disfunção cardíaca com hipoperfusão persistente, apesar de volemia e pressão arterial adequados, sugerimos adicionar dobutamina à norepinefrina ou usar epinefrina sozinha (recomendação fraca);
Adaptado de: Evans L, Rhodes A, Alhazzani W, et al. Surviving sepsis campaign: international guidelines for management of sepsis and septic shock 2021 [published online ahead of print, 2021 Oct 2]. Intensive Care Med. 2021;10.1007/s00134-021-06506-y

Terapias adicionais

Corticoide

Houve uma mudança importante na recomendação sobre uso de corticoide. Previamente o uso era indicado apenas em casos refratários. Com as novas evidências, se sugere o uso nos pacientes com choque séptico que persistem com necessidade de vasopressor. Entende-se por persistência o uso de doses > 0,25 mcg/kg/min por mais do que 4 horas.
Tipicamente, utiliza-se hidrocortisona na dose de 200 mg/dia (50 mg a cada 6h ou em infusão contínua, sem superioridade de uma em relação à outra).

Vitamina C

Muito discutida no tratamento da sepse. O painel atual analisou sete ensaios clínicos randomizados, envolvendo um total de 416 pacientes graves além de outros dois estudos randomizados mais recentes. A utilização da vitamina C não promoveu redução da mortalidade em comparação ao cuidado padrão. Considera-se que não há ainda dados de segurança suficientes. Assim, fica a recomendação:

Em pacientes com sepse e choque séptico, sugere-se contra o uso de vitamina C endovenosa.

ILAS

O Instituto Latino-Americano de Sepse tem como missão promover ações que reduzam o impacto da sepse. Uma de suas ações é o Fórum de Sepse, já na sua 18a edição, que será realizado nos próximos dias 02 e 03 de junho, em São Paulo. Um encontro com o que há de mais recente sobre sepse, em seus aspectos clínicos e translacionais, com mais de 30 convidados internacionais e 70 convidados nacionais! Inscreva-se aqui.

Autor(a):

Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastrar Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades
#Evans L, Rhodes A, Alhazzani W, et al. Surviving sepsis campaign: international guidelines for management of sepsis and septic shock 2021 [published online ahead of print, 2021 Oct 2]. Intensive Care Med. 2021;1-67. doi: 10.1007/s00134-021-06506-y
Referências bibliográficas:

    O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

    Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado.

    Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.