Psiquiatria

Pesquisa alerta para altos níveis de depressão e pensamentos suicidas entre trabalhadores de saúde da América Latina

Tempo de leitura: 4 min.

Trabalhadores de saúde de onze países latino-americanos apresentam altas taxas de sintomas depressivos, pensamentos suicidas e sofrimento psíquico, segundo estudo liderado pelas Universidades do Chile e da Columbia, nos Estados Unidos, com a colaboração da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), braço da Organização Mundial de Saúde (OMS) nas Américas.   

O relatório, divulgado no início deste ano, mostra que de 14,7% a 22% dos trabalhadores de saúde dos países entrevistados (Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Bolívia, Guatemala, México, Peru, Porto Rico, Venezuela e Uruguai) apresentaram sintomas que levam a suspeita de um episódio depressivo, enquanto de 5% a 15% dos trabalhadores afirmaram pensar em cometer suicídio. 

O estudo ainda mostra que, em alguns países, apenas um terço dos que disse precisar de atendimento psicológico realmente o recebeu. 

“A pandemia mostrou o desgaste dos trabalhadores de saúde e, nos países onde o sistema de saúde entrou em colapso, os profissionais sofreram com jornadas extenuantes e dilemas éticos que tiveram impacto em sua saúde mental. E a pandemia ainda não acabou. Portanto, é fundamental cuidar de quem cuida de nós o quanto antes”, disse Anselm Hennis, diretor do Departamento de Doenças Não Transmissíveis e Saúde Mental da OPAS.

Leia também: Burnout… queimar fora: um relato

Mais sobre o levantamento 

O levantamento teve a participação de 14.502 trabalhadores de saúde, contando ainda com acadêmicos e pesquisadores de instituições dos onze países participantes.  

Necessidade de apoio emocional e financeiro, preocupação em proteger familiares, conflitos com parentes de pacientes infectados e mudanças nas funções habituais de trabalho foram alguns dos principais fatores que afetam a saúde mental dos funcionários da área de saúde. 

Por outro lado, confiar que a instituição de saúde e o governo conseguiriam lidar com a pandemia, ter o apoio dos colegas de trabalho e se considerar uma pessoa religiosa foram alguns dos fatores que ajudaram a proteger a saúde mental dos entrevistados. 

“A pandemia aumentou o estresse, a ansiedade e a depressão dos trabalhadores de saúde e expôs a falta de políticas específicas para proteger a saúde mental. Existe uma dívida de saúde que deve ser paga”, considerou Rubén Alvarado, acadêmico do programa de saúde mental da Faculdade de Medicina da Universidade do Chile e um dos principais pesquisadores do estudo. 

O relatório destacou que é necessário com urgência desenvolver políticas específicas que permitam organizar ações para proteger a saúde mental desses trabalhadores. Nesse sentido, o relatório orienta algumas ações, como modificar o ambiente laboral, garantir condições adequadas de trabalho, conceder remuneração digna, condições contratuais estáveis ​​e criar espaços onde as pessoas da equipe possam conversar e praticar o autocuidado. 

“Após dois anos de pandemia, muitos trabalhadores ainda não recebem o apoio que precisam e isso pode fazer com que eles desenvolvam diferentes transtornos mentais nos próximos anos, algo para o qual temos que estar preparados”, alertou a pesquisadora Ezra Susser, da Universidade da Columbia. 

Curso online e gratuito de autocuidado 

A OPAS lançou em janeiro deste ano um curso online gratuito de autocuidado para ajudar os trabalhadores de saúde que atuam em áreas de emergências. 

O curso é composto por um módulo introdutório e três módulos principais, cada um dos quais inicia com a apresentação dos seus objetivos pedagógicos. 

O programa inclui conteúdos básicos de abrangência ampla, questões de reflexão e atividades práticas distribuídas ao longo de todos os módulos. 

Qualquer trabalhador que atue em emergências de primeira linha, incluindo equipes de saúde e outras profissões (resgate, proteção civil, segurança, etc.) da América Latina pode fazer o curso, sem data de término de inscrição.

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED 

Referências bibliográficas:

Compartilhar
Publicado por
Úrsula Neves

Posts recentes

Associação da vacinação contra COVID-19 durante a gravidez com incidência de infecção por SARS-CoV-2 em lactentes

A vacinação contra covid-19 em grávidas pode diminuir as chances de manifestação da doença em…

52 minutos atrás

Estudo associa placenta lateral com parto pré-termo e cesariana

O risco de hipofluxo placentário parece ser mais frequente em casos de placenta lateral, podendo…

2 horas atrás

WONCA 2022: veja a cobertura completa do congresso internacional de medicina de família

A conferência europeia da Organização Mundial de Médicos de Família (WONCA 2022) acontece em Londres…

2 horas atrás

Síndrome de Ramsay Hunt: o que preciso saber?

Em 1907, James Ramsay Hunt descreveu diversos casos médicos que hoje configuram a Síndrome de…

3 horas atrás

É possível a redução e suspensão dos anti-TNF em pacientes com espondiloartrites e artrite psoriásica?

O uso de anti-TNF está relacionado ao aumento no risco de infecções e reações, além…

4 horas atrás

WONCA 2022: 7 valores centrais sobre o que é exercer medicina de família

O segundo dia do WONCA 2022 teve um marco histórico para a construção da identidade…

5 horas atrás