Terapia Intensiva

Pneumomediastino e enfisema subcutâneo na Covid-19 têm sido comum nos seus pacientes?

Tempo de leitura: 3 min.

A Covid-19, na sua forma mais grave, pode levar a quadros de síndrome do desconforto respiratório agudo (SDRA) de variados graus, demandando estratégia ventilatória protetora, recursos como posição prona, óxido nítrico e, em casos selecionados, ECMO. Eventualmente, nos deparamos com a presença de enfisema subcutâneo e pneumomediastino nos nossos pacientes em ventilação mecânica.

Algumas preocupações são que o caso esteja associado a um pneumotórax ou que os parâmetros protetores de ventilação mecânica não estejam sendo seguidos, por exemplo. No entanto, mesmo seguindo os parâmetros protetores, temos visto a ocorrência desses achados e, além disso, um aumento na sua incidência em relação ao momento prévio à pandemia. A pergunta é: qual a causa? Barotrauma ou fragilidade pulmonar pela infecção viral grave?

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas
Cadastrar Login

Pneumomediastino e Covid-19

O estudo Pneumomediastinum and subcutaneous emphysema in COVID-19: barotaruma or lung frailty?, ajudou a responder a pergunta acima. Foi publicado no journal da European Respiratory Society, em setembro de 2020.

O estudo foi de natureza retrospectiva e objetivou comparar a incidência de pneumomediastino e enfisema subcutâneo em duas coortes populacionais (pacientes ventilados mecanicamente com SDRA por Covid-19 e pacientes com SDRA por outras causas). Além disso, o estudo também visou identificar possível associação para os achados, se barotrauma ou fragilidade pulmonar.

População:

  • Pacientes maiores que 18 anos, diagnóstico de SDRA na admissão e em uso de ventilação mecânica invasiva;
  • Duas coortes populacionais;
  • Coorte SDRA Covid-19: pacientes com os critérios acima e RT-PCR positivo para SARS-CoV-2, no período de fevereiro a abril de 2020;
  • Coorte SDRA não Covid: pacientes com SDRA em um período anterior à pandemia (janeiro de 2015 a dezembro de 2019);
  • Coorte SDRA Covid-19: 169 pacientes. Pacientes mais jovens, mais frequentemente do sexo masculino, maior índice de massa corpóreo (IMC), com menor prevalência de DM2 e DPOC que a coorte SDRA não Covid;
  • Coorte SDRA não Covid: 163 pacientes.

Leia também: Como lidar com a escassez de recursos durante a pandemia por Covid-19?

Resultados

  • Maior incidência de pneumomediastino e enfisema subcutâneo nos pacientes com SDRA por Covid-19: 23 pacientes de 169 (13,6%) na coorte SDRA Covid-19 e apenas 3 de 163 (1,9%) pacientes na coorte SDRA não Covid (p<0,001);
  • Maior taxa de mortalidade nos pacientes com SDRA por Covid-19: 50,9% vs. 26,6% (p<0,001);
  • Ventilação mecânica: não houve diferença nos valores de PEEP, pressão de platô, volume corrente por preso predito e complacência entre os grupos;
  • Nos pacientes com SDRA por Covid-19 que desenvolveram enfisema e pneumomediastino: a PEEP e a pressão de platô estavam menores no dia que desenvolveram os achados que na admissão. Além disso, tais valores eram muito similares aos valores de admissão dos pacientes que não desenvolveram;
  • Parâmetros protetores de ventilação mecânica foram respeitados na coorte dos pacientes com SDRA por Covid-19.

Conclusões

Pneumomediastino/enfisema subcutâneo são mais frequentes em pacientes com SDRA por Covid-19 a despeito do uso de estratégia ventilatória protetora. Fragilidade pulmonar, e não barotrauma, parece ser a principal causa para este achado.

Mensagens práticas

  • O desenvolvimento de pneumomediastino e enfisema subcutâneo em pacientes com SDRA por Covid-19 não parece estar associado ao clássico mecanismo de barotrauma;
  • Uma vez que se afaste a associação com barotrauma, a doença subjacente deve ser considerada como causa para tais achados, denotando maior fragilidade pulmonar;
  • A incidência desses achados na pandemia por Covid-19 é alta (13%) e demanda avaliação cuidadosa;
  • Devemos continuar a seguir a estratégia ventilatória protetora pulmonar, uma vez que está associada a melhores desfechos e menor risco de barotrauma.

Autor:

Referência bibliográfica:

Compartilhar
Publicado por
Filipe Amado

Posts recentes

Uso da inteligência artificial para otimização do tratamento da sepse

Estudo avaliou modelo computacional no campo da Inteligência Artificial, capaz de sugerir tratamentos otimizados para…

60 minutos atrás

Check-up Semanal: semana da sepse, dieta vegetariana em crianças e mais! [podcast]

Check-up Semanal: confira as últimas notícias sobre semana da sepse, dieta vegetariana em crianças, apendicite…

2 horas atrás

Anestesia e síndrome carcinoide: o que precisamos saber?

A síndrome carcinoide pode surgir quando os peptídeos vasoativos secretados pelas células tumorais entram na…

3 horas atrás

Anvisa aprova uso de baricitinibe em pacientes hospitalizados com covid-19

A Anvisa aprovou uma nova indicação para o baricitinibe: o tratamento de adultos hospitalizados com…

4 horas atrás

Qual é a melhor combinação no tratamento conservador de lesões do manguito rotador?

Um estudo analisou o melhor regime de supervisão dos exercícios e o benefício das infiltrações…

5 horas atrás

AVC: como obter certificação online para aplicação da NIHSS

Foi criada uma escala para quantificar a magnitude e gravidade do AVC, a NIHSS, sendo…

6 horas atrás