Polimixinas: conheça nova diretriz internacional sobre uso clínico

As polimixinas ressurgiram como opção para o tratamento de bactérias multirresistentes, especialmente Pseudomonas aeruginosa e acinetobacter baumannii.

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar esse conteúdo crie um perfil gratuito no AgendarConsulta.

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

Comercializadas desde a década de 1950, as polimixinas ressurgiram como opção para o tratamento de bactérias multirresistentes, especialmente Pseudomonas aeruginosa, Acinetobacter baumannii e enterobactérias.

Seu mecanismo de ação envolve a interrupção da integridade da membrana extracelular de bactérias Gram-negativas. São comercializadas em duas apresentações principais: poliximina B e polimixina E, mais conhecida como colistina. A colistina é uma pró-droga inativa, que necessita de conversão em forma ativa para sua atividade, enquanto a polimixina B é administrada já em sua forma ativa. A atividade in vitro de ambas é virtualmente idêntica, sendo bactericidas contra cepas suscetíveis de P. aeruginosa, A. baumannii e K. pneumoniae, com um efeito pós-antibiótico modesto.

Leia maisBactérias resistentes: qual melhor tratamento, tazocin ou meropenem?

Entretanto, o potencial nefrotóxico e as características farmacodinâmicas diferentes entre as formulações frequentemente geram preocupação e dúvidas na prática médica. No ano de 2019, foi lançado um consenso internacional, endossado por diversas sociedades, para o uso clínico desses antibióticos, explorando indicações, doses e ajustes, visando a otimizar a utilização.

polimixinas

Veja abaixo as principais recomendações da diretriz:

Polimixina B x colistina

  • O consenso recomenda o uso preferencial de polimixina B em infecções invasivas, já que apresenta melhor perfil farmacocinético em humanos e menor potencial nefrotóxico.
  • Para infecções do trato urinário inferior, recomenda-se o uso de colistina, a qual é convertida em sua forma ativa no trato urinário.
    Recomendações para o uso de colistina
  • Em pacientes críticos, os níveis séricos de colistina aumentam em um ritmo variado, podendo levar horas ou dias para atingir valores adequados para seu efeito bactericida. Por esse motivo, recomenda-se a administração de dose de ataque: 9.000.000 UI, infundida em 30 minutos a 1 hora, seguida de dose de manutenção 12 a 24h após.
  • Para pacientes com função renal normal, a dose de manutenção é de 9.000.000 a 10.900.000 UI/dia, divididos em 2 doses, as quais devem ser infundidas em 30 minutos a 1 hora. É importante monitorar a função renal para avaliar a necessidade de ajuste de dose.
  • Para pacientes em hemodiálise, doses suplementares devem ser administradas para compensar perdas de acordo com a modalidade de HD utilizada. Para pacientes em HD intermitente, a recomendação é de que, nos dias sem diálise, a dose seja de 3.950.000 UI/dia. Nos dias de diálise, uma dose suplementar pós-HD deve ser administrada: 1.200.000 UI para sessões de 3h ou 1.600.000 UI para sessões de 4h. Para pacientes em HD contínua, a dose recomendada é de 6.650.000 UI, 12/12h (aproximadamente 13.300.000 UI/dia). Já para pacientes em HD prolongada, a dose suplementar equivale a 10% da dose diária para cada hora de diálise (i.e., para uma sessão de 10h de HD, a dose é de 10% da dose diária x 10).

Recomendações para o uso de polimixina B

  • Recomenda-se dose de ataque de 20.000 a 25.000 UI/kg, administrada durante 1h.
  • Para pacientes com infecções graves, a dose de manutenção deve ser de 12.500 a 15.000 UI/kg, a cada 12h, infundida em 1h.
  • Diferentemente da colistina, as doses de manutenção de polimixina B não precisam de ajuste pela função renal, uma vez que sua eliminação não é predominantemente renal.
  • Também não são necessárias correções nas doses, tanto de ataque quanto de manutenção, nos casos de pacientes em hemodiálise.

O guideline também aponta algumas estratégias para diminuir o risco de nefrotoxicidade nos pacientes em uso de colistina ou polimixina B.

São elas:

  • Evitar o uso concomitante de outras drogas nefrotóxicas.
  • Evitar doses maiores do que as recomendadas pelo guideline.
  • Quando ambas as formulações estiverem disponíveis, dar preferência à polimixina B pelo seu menor potencial nefrotóxico. A exceção seriam casos de infecção do trato urinário, em que a colistina estaria mais indicada.
  • Não há recomendação para o uso de antioxidantes, como vitamina C, como estratégia nefroprotetora. Apesar de o dano renal parecer ser mediado por meio de estresse oxidativo, não existem evidências de que substâncias antioxidantes sejam benéficas na prevenção de insuficiência renal associada às polimixinas.

É médico e quer ser colunista do Portal da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Referências:

  • Tsuji, BT, Pogue, JM, Zavascki, AP, Paul, M, Daikos, GL, Forrest, A, Giacobbe, DR, Viscoli, C, Giamarellou, H, Karaiskos, I, Kaye, D, Mouton, JW, Tam, VH, Thamlikitkul, V, Wunderink, RG, Li, J, Nation, RL, Kaye, KS. International Consensus Guidelines for the Optimal Use of the Polymyxins: Endorsed by the American College of Clinical Pharmacy (ACCP), European Society of Clinical Microbiology and Infectious Diseases (ESCMID), Infectious Diseases Society of America (IDSA), International Society for Anti-infective Pharmacology (ISAP), Society of Critical Care Medicine (SCCM), and Society of Infectious Diseases Pharmacists (SIDP). Pharmacotherapy 39 (1), 2019.
Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastre-se grátis Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe e-books, e outros materiais para aprimorar sua prática médica e gestão Baixe e-books, e outros materiais
para aprimorar sua prática
médica e gestão

Especialidades