Por que e quando realizar a mamografia em mulheres?

Tempo de leitura: 1 min.

Já se sabe que mamografia é o exame de primeira escolha para o rastreio de câncer de mama. Segundo o Ministério da Saúde, ela é realizada para todas as mulheres acima de 50 anos, enquanto para a Sociedade Brasileira de Mastologia a realização idealmente deve ser feita a partir de 40 anos.

Em pacientes de alto risco, o exame de rastreio deve ser realizado a partir de 35 anos. Mas existem muitas mulheres que acham o exame dolorido e desnecessário, ficando alerta apenas quando surgem lesões palpáveis.

Mamografia

A mamografia é um exame extremamente necessário (nas faixas etárias já descritas) pois, além de diagnosticar lesões palpáveis, ela diagnóstica lesões impalpáveis.

O câncer de mama pode se apresentar de diversas formas, palpáveis ou não! Alterações na pele ou não! As alterações palpáveis e visíveis são fáceis de serem diagnosticadas, mas e a forma impalpável?!

Alterações impalpáveis, como o nome já diz, são alterações que não conseguimos diagnosticar a “olho nu” ou ao toque manual. Estas lesões que podem ser relacionadas ao câncer de mama ficam evidenciadas através de exames de imagem. Por exemplo, na mamografia podemos ver distorções, assimetrias e microcalcificações.

Veja também: Outubro Rosa: prevenção e evolução dos tratamentos do câncer de mama

Nem sempre essas alterações serão interpretadas como câncer, pois algumas microcalcificações na mama são benignas. Mas temos outras, de formas e tamanhos diferentes, que levam à suspeição de câncer e, por isso, não devem ser subestimadas!

Sendo assim, a mamografia se faz necessária e deve ser realizada como exame de rastreio sempre que houver suspeição, fatores de risco ou a idade maior que a definida anteriormente.

Autor:

Referências bibliográficas:

Compartilhar
Publicado por
Sara Dutra

Posts recentes

Sintomas psicossociais negativos em pré-escolares associados ao tempo de tela

Estudo concluiu que o tempo de tela de crianças pré-escolares aumentou e foi associado à…

1 hora atrás

ATS 2021: infecções fúngicas em ambiente intra-hospitalar

Infecções fúngicas são uma ameaça na terapia intensiva. Na pandemia de Covid-19, a preocupação aumentou.…

2 horas atrás

Hidroanecefalia x hidrocefalia máxima: você sabe a diferença?

A diferenciação entre hidroanecefalia e hidrocefalia máxima é crucial para a definição do prognóstico neonatal…

3 horas atrás

ACC 21: ablação de fibrilação atrial é superior ao controle de frequência cardíaca em pacientes com IC?

Em estudo apresentado no ACC 2021 avaliou se a ablação de fibrilação atrial é maior ao…

4 horas atrás

Hemorragia puerperal: prevenir com ácido tranexâmico na cesárea diminui a mortalidade?

Um artigo teve como objetivo de estudar uma possível prevenção da hemorragia puerperal com o…

5 horas atrás

CFM divulga resolução definindo como experimental o uso da cloroquina por inalação

O Conselho Federal de Medicina estabeleceu inalação de cloroquina como procedimento experimental no tratamento contra…

6 horas atrás