Enfermagem

Pré-natal do parceiro: desafios e soluções

Tempo de leitura: 2 min.

O pré-natal do parceiro é uma das formas de incluir os homens na paternidade consciente e ativa, além de promover ações de saúde para esse público que frequenta tão pouco as unidades de saúde. A inclusão dos parceiros visa à quebra de paradigmas, tendo em vista que, o planejamento reprodutivo e cuidados a família estiveram por tanto tempo vinculado apenas à mulher.

Leia também: Quiz: O que o enfermeiro precisa saber sobre hepatites virais para o acompanhamento do pré-natal na APS?

Importância da participação

A gestação é marcada por mudanças psicológicas tanto para as mulheres como para os homens. Ambos acrescentam ao papel de companheiro e companheira o de pai e mãe. Tal alteração é um marco do desenvolvimento do casal. E, em casos de desequilíbrios pode levar a crises emocionais, emoções instáveis, e até sintomas físicos como ganho de peso, enjoos, dentre outros que caracterizam a Síndrome de Couvade.

Embora exista uma tendência dos pais participarem mais ativamente do pré-natal e nascimento nos últimos anos, observamos na prática que muitos ainda não são incluídos no pré-natal do parceiro, conforme preconizado pela Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem (PNAISH) em 2009. O mesmo inclui acolhimento do parceiro desde a suspeita da gravidez, perpassando a oferta de testes rápidos de sífilis e HIV e aconselhamento, a atualização do cartão de vacina, a participação de atividades educativas, consultas e exames, e a participação no momento do parto.

Saiba mais: Exposição pré-natal ao álcool e efeitos adversos nos filhos

Ademais, é necessário pensar nesse cuidado para além dos preceitos biológicos e heteronormativos, considerando os diversos arranjos familiares existentes e possibilidades de vivências de paternagem. E, em todos os casos, o profissional de saúde deve respeitar a decisão da mulher de ser ou não acompanhada pelo parceiro nessas consultas.

Mensagem final

Portanto, os principais desafios e soluções são a mudança de paradigma de cuidados na atenção de pré-natal. Nesse cenário, o profissional focará no trinômio pai-mãe-criança e não no apenas binômio mãe-criança.  Contudo, é a partir dessas cisões de conhecimentos que nós, enfermeiras, avançaremos para a visão holística do indivíduo e entenderemos que a nossa profissão não cabe na visão biomédica. Que tal chamar o companheiro da gestante para próxima consulta de pré-natal e orientá-lo sobre os serviços disponíveis no serviço e seus direitos?

Referências bibliográficas:

  • Herrmann A, et al. Guia do Pré-Natal do Parceiro para Profissionais de Saúde. Rio de Janeiro: Ministério da Saúde, 2016.
  • Maldonado MT. Psicologia da gravidez: gestando pessoas para uma sociedade melhor. São Paulo: Ideias & Letras, 2017.
Compartilhar
Publicado por
Hérica Pinheiro Corrêa
Tags: pré-natal

Posts recentes

Desafio diagnóstico de Guillain Barré: paresia de membros inferiores

A síndrome de Guillain-Barré apresenta muitos desafios na obtenção de um diagnóstico. Acompanhe os relatos…

10 horas atrás

Soluções para pacientes com fobias de ressonância magnética e tomografia

Realizar uma ressonância magnética ou tomografia costuma ser uma tarefa muito difícil para alguns pacientes.…

1 dia atrás

Whitebook – Demência Avançada

De acordo com o Whitebook Clinical Decision, a demência avançada é a fase final (e…

1 dia atrás

Revisão de guidelines para cistos pancreáticos

O acompanhamento de lesões císticas do pâncreas requer atenção constante do médico. Confira atualização recente…

2 dias atrás

Highlights International AIDS Conference 2022

Nesse episódio, confira os principais destaques do International AIDS Conference, o AIDS 2022. Não deixe…

2 dias atrás

Organizando a consulta: o guia Calgary-Cambridge

Em mais um texto da Série Comunicação Médica, vamos entender a importância da comunicação e…

2 dias atrás