Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Colunistas / Prevenção da doença estreptocócica do grupo B em recém-nascidos
grávida ao lado de monitor de USG pronta para realizar prevenção de doença estreptocócica do grupo B

Prevenção da doença estreptocócica do grupo B em recém-nascidos

Esse conteúdo é exclusivo para
usuários do Portal PEBMED.

Tenha acesso ilimitado a todos os artigos, quizzes e casos clínicos do Portal PEBMED.

Faça seu login ou inscreva-se gratuitamente!

O American College of Obstetricians and Gynecologists (ACOG) acaba de divulgar uma atualização dos principais componentes da triagem e profilaxia da doença neonatal de início precoce causada por estreptococos do grupo B (GBS). Essas recomendações foram publicadas na edição de fevereiro da revista Obstetrics & Gynecology.

As seguintes instituições endossam esse trabalho: American Academy of Pediatrics, American College of Nurse-Midwives, Association of Women’s Health, Obstetric and Neonatal Nurses e a Society for Maternal-Fetal Medicine. A American Society for Microbiology não pôde endossar o documento, porém contribuiu para sua revisão.

Prevenção de doença estreptocócica do grupo B

Seguem as recomendações e conclusões desse artigo:

  1. A profilaxia intravenosa (IV) direcionada com antibióticos intraparto demonstrou eficácia na prevenção da doença de início precoce (early-onset disease – EOD) pelo GBS em recém-nascidos (RN) de mulheres com culturas positivas de GBS no pré-parto e mulheres com outros fatores de risco para a colonização de GBS intraparto. Não foi demonstrado que os esquemas orais ou intramusculares pré-parto e intraparto sejam comparativamente eficazes na redução da EOD pelo GBS;
  2. Independentemente do tipo de parto planejado, todas as mulheres grávidas devem ser submetidas à triagem pré-parto para GBS com 36 (0/7)–37 (6/7) semanas de gestação, a menos que a profilaxia antibiótica intraparto para GBS seja indicada devido à bacteriúria durante a gravidez ou por uma história de um RN infectado por GBS. Esse novo momento recomendado para a triagem fornece uma janela de 5 semanas para resultados válidos da cultura, incluindo nascimentos que ocorrem até uma idade gestacional de pelo menos 41 (0/7) semanas;
  3. Todas as mulheres cujas culturas vaginais-retais com 36 (0/7)–37(6/7) semanas de gestação sejam positivas para GBS devem receber profilaxia antibiótica intraparto apropriada, a menos que um parto cesáreo pré-laboral seja realizado no ambiente das membranas intactas;
  4. Mulheres com resultado positivo da cultura pré-natal de GBS que são submetidas a parto cesáreo antes do início do trabalho de parto e com membranas intactas não necessitam de profilaxia com antibióticos;
  5. Se o resultado da cultura pré-natal de GBS for desconhecido quando o trabalho de parto começa, a profilaxia antibiótica intraparto é indicada para mulheres que têm fatores de risco para EOD por GBS. São consideradas mulheres em risco aquelas que apresentam risco substancial de parto prematuro, que têm ruptura prematura de membranas (prelabor rupture of membranes – PPROM) ou ruptura de membranas por 18 horas ou mais a termo, ou que apresentam febre intraparto. Se houver suspeita de infecção intra-amniótica, a antibioticoterapia de amplo espectro que forneça cobertura para infecções polimicrobianas e GBS deve substituir o antibiótico que fornece cobertura especificamente para a profilaxia da GBS;
  6. Se uma mulher se apresentar em trabalho de parto a termo com status desconhecido de colonização por GBS e não tiver fatores de risco que sejam uma indicação para profilaxia antibiótica intraparto, mas relatar uma história conhecida de colonização por GBS em uma gravidez anterior, é provável que o risco de EOD por GBS no RN seja aumentado. Com esse risco aumentado, é razoável oferecer profilaxia antibiótica intraparto com base no histórico de colonização da mulher. Os profissionais de saúde também podem considerar discutir a opção da profilaxia antibiótica empírica intraparto como um processo compartilhado de tomada de decisão nesse cenário clínico;
  7. A penicilina IV continua sendo o agente de escolha na profilaxia intraparto. A ampicilina IV é uma alternativa aceitável. As cefalosporinas de primeira geração (como a cefazolina) são recomendadas para mulheres cuja alergia à penicilina relatada indica um baixo risco de anafilaxia ou é de gravidade incerta. Para mulheres com alto risco de anafilaxia, a clindamicina é a alternativa recomendada à penicilina somente se o GBS isolado for suscetível à clindamicina;
  8. Como alternativa, o teste de alergia à penicilina, se disponível, é seguro durante a gravidez e pode ser benéfico para todas as mulheres que relatam alergia à penicilina, particularmente as que sugerem ser mediadas por IgE ou de gravidade desconhecida, ou ambas. A verificação da ausência de uma reação de hipersensibilidade do tipo I eliminará a necessidade de usar alternativas à penicilina para a profilaxia de EOD por GBS e fornecerá benefícios a longo prazo se o tratamento com antibióticos betalactâmicos for indicado em seu futuro tratamento de saúde. Como a maioria das mulheres com alergia à penicilina relatada é, de fato, tolerante à penicilina, o uso de testes de alergia à penicilina está sendo cada vez mais utilizado em todas as áreas da assistência médica como parte de iniciativas de administração de antibióticos, e a expansão de seu uso é incentivada em pacientes obstétricas;
  9. Para mulheres com alto risco de anafilaxia após exposição à penicilina, os requisitos laboratoriais para solicitar culturas de triagem pré-parto de GBS (seja em papel ou online em registros médicos eletrônicos) devem indicar claramente a presença de alergia à penicilina. Esta etapa visa garantir que a necessidade de testar o GBS isoladamente quanto à suscetibilidade à clindamicina seja reconhecida e executada pelo pessoal do laboratório e que o profissional de saúde entenda a importância de revisar esse resultado;
  10. A vancomicina IV continua sendo a única opção validada (tanto do ponto de vista farmacocinético como microbiológico) para a profilaxia antibiótica intraparto em mulheres que relatam alergia à penicilina de alto risco e cujo GBS isolado não seja suscetível à clindamicina. A dosagem de vancomicina para profilaxia intraparto do GBS deve ser baseada no peso e na função renal basal (20 mg/kg IV a cada 8 horas, com um máximo de 2 g por dose);
  11. As intervenções obstétricas, quando necessárias, não devem ser atrasadas apenas para fornecer quatro horas de administração de antibióticos antes do nascimento. Tais intervenções incluem (mas não estão limitadas): a administração de ocitocina, ruptura artificial de membranas ou parto cesáreo planejado, com ou sem ruptura pré-cesariana de membranas. No entanto, algumas variações na prática podem ser justificadas com base nas necessidades de pacientes individuais para melhorar a exposição a antibióticos intraparto.

Leia também: Fração atribuível da sífilis congênita devido à falta de pré-natal

Autor:

Referência bibliográfica:

  • THE AMERICAN COLLEGE OF OBSTETRICIANS AND GYNECOLOGISTS. Prevention of Group B Streptococcal Early-Onset Disease in Newborns. ACOG Committee Opinion Summary, Number 797. Obstetrics & Gynecology, v.135, n.2, p.489-492, 2020.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.