Prevenção de alergia por contraste: 5 horas de corticoterapia venosa são suficientes

Em estudo retrospectivo de não inferioridade, pesquisadores compararam a ocorrência de reações alérgicas a contraste venoso em pacientes com histórico prévio submetidos a duas estratégias distintas.

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar esse conteúdo crie um perfil gratuito no AgendarConsulta.

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

A dessensibilização de pacientes alérgicos a contraste venoso para tomografia é alvo de muitas dúvidas. Não há um consenso quanto a melhor prática de corticoterapia pré-contraste, e cada hospital ou serviço costuma utilizar recomendações próprias.

Algumas vezes, inclusive, a realização de tomografia em pacientes alérgicos no serviço de emergência acaba por motivar a internação do paciente para o correto preparo, a fim de evitar uma longa permanência do paciente no departamento de emergência. Por outro lado, a prática implica em internação de um paciente com potencial de alta hospitalar, e protocolos de resposta mais rápida poderiam diminuir seu tempo de estadia na emergência, e poupar o paciente de uma internação desnecessária.

A maioria dos protocolos de dessensibilização de contraste envolve a administração intermitente de corticoide oral por um período total de 13 horas antes do exame. Pensando nisso, em estudo retrospectivo de não inferioridade, pesquisadores compararam a ocorrência de reações alérgicas a contraste venoso em pacientes com histórico prévio submetidos a duas estratégias distintas: corticoterapia oral por 13 horas ou corticoterapia intravenosa por 5 horas.

O estudo analisou retrospectivamente 202 pacientes submetidos a dessensibilização com protocolo de corticoide venoso por 5 horas em uma única unidade de saúde durante um período de 8 anos, e comparou com uma coorte, previamente publicada pela mesma instituição, com 626 pacientes tratados com corticoterapia oral por 13 horas. A taxa de 2,5% de reações em pacientes com corticoterapia venosa por 5 horas mostrou-se não-inferior à taxa de 2,1% de reações em pacientes que receberam a terapia oral por 13 horas.

Muitos serviços já utilizam protocolos mais rápidos e este estudo afirma a não inferioridade desta estratégia em relação ao longo período de 13 horas. No entanto, dadas as limitações do estudo, abre-se a oportunidade em desenvolver um ensaio clínico randomizado de pacientes entre as 2 estratégias, cuja confirmação dos resultados aqui apresentados traria maior segurança para a dessensibilização mais curta.

Quer receber diariamente notícias médicas no seu WhatsApp? Cadastre-se aqui!

Referências:

Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastre-se grátis Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe e-books, e outros materiais para aprimorar sua prática médica e gestão Baixe e-books, e outros materiais
para aprimorar sua prática
médica e gestão

Especialidades

Tags