Página Principal > Ginecologia e Obstetrícia > Preventivo: quando não fazer?
mulher na consulta com a médica

Preventivo: quando não fazer?

A American Society for Colposcopy and Cervical Pathology listou cinco cenários em que o exame citopatológico de colo de útero – popularmente conhecido como preventivo – ou tratamento é desnecessário. As recomendações fazem parte da campanha Choosing Wisely.

As recomendações são:

1) Não realizar o Papanicolaou ou triagem de HPV em mulheres que tiveram histerectomia (com remoção do colo do útero), a menos que o procedimento tenha sido para displasia cervical de alto grau ou câncer

O câncer vaginal após a histerectomia é muito raro. No rastreio, é mais provável que o médico descubra mudanças benignas que resultem em testes desnecessários e invasores do que para impedir o câncer. O Papanicolaou é recomendado para mulheres que tiveram uma histerectomia para displasia cervical de alto grau ou câncer, pois nesses casos o risco de câncer vaginal permanece elevado. A avaliação vaginal também pode ser indicada na presença de câncer vulvar associado ao HPV.

Veja também: ‘Teste de urina para detectar HPV de alto risco?’

2) Não realizar o Papanicolaou ou triagem de HPV em mulheres imunocompetentes menores de 21 anos

O câncer de colo de útero é raro em adolescentes e nada indica que o rastreamento reduz esse risco. Em contrapartida, a triagem de adolescentes para câncer de colo do útero os sujeitam aos danos potenciais de testes, biópsias e procedimentos, sem benefício comprovado.

3) Não pedir exames de triagem para tipos de HPV de baixo risco

A identificação de um tipo de HPV de baixo risco não altera o manejo ou tratamento do paciente.

As melhores condutas médicas você encontra no Whitebook. Baixe o aplicativo #1 dos médicos brasileiros. Clique aqui!

4) Evitar o tratamento da NIC 1 em mulheres com menos de 25 anos

Independente da citologia prévia, o tratamento da neoplasia intraepitelial cervical grau 1 (NIC 1) em mulheres com idade entre 21 e 24 anos não é recomendado. Assim como a infecção pelo HPV em mulheres jovens, as taxas de regressão são altas e é raro que essas lesões progridam.

5) Não realizar o Papanicolau ou a triagem anual de HPV em mulheres imunocompetentes com história de rastreio negativo

Com base em estudos, os intervalos de rastreio devem ser superiores a um ano, mas as evidências atuais não suportam um intervalo mais longo do que 3 anos.

Referências:

  • https://www.choosingwisely.org/societies/american-society-for-colposcopy-and-cervical-pathology/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.