Primeiro caso de reinfecção pela Covid-19 é confirmado por sequenciamento genético

Tempo de leitura: 2 min.

Pesquisadores de Hong Kong anunciaram, na última segunda-feira, 24, o primeiro caso confirmado de reinfecção pela Covid-19 no mundo: um homem de 33 anos que positivou pela segunda vez, mais de quatro meses após a primeira infecção. O caso foi confirmado através do sequenciamento genético do vírus das duas infecções, que mostraram diferenças significativas nas cepas virais.

Para os pesquisadores, porém, o fato de ele ter ficado assintomático na segunda vez mostra que o sistema imunológico do paciente manteve o vírus sob controle. O caso foi aceito e será publicado pela revista Clinical Infectious Diseases.

Um dia depois da primeira confirmação, dois outros relatos de casos europeus foram divulgados pelos cientistas. O primeiro paciente era um idoso, na Holanda, com sistema imunológico mais vulnerável. A outra era uma mulher da Bélgica, que teve sintomas leves em março e foi reinfectada em junho. Ambos os casos ainda não foram publicados oficialmente.

Leia também: Covid-19: soroconverter ou não soroconverter? Eis a questão.

Reinfecção da Covid-19

Após a divulgação dos cientistas de Hong Kong, a líder técnica da Organização Mundial da Saúde (OMS), Maria van Kerkhove, confirmou que a reinfecção é possível, mas que é necessário cautela. “É muito importante que documentemos isso, e, em países que podem fazer isso, que o sequenciamento seja feito. Isso ajudaria muito. Mas não podemos pular para nenhuma conclusão, mesmo que esse seja o primeiro caso documentado de reinfecção”, disse ela.

Van Kerkhove lembrou que as evidências até o momento apontam que os infectados pela Covid-19 desenvolvem algum nível de imunidade, mas ainda falta entender o quanto essa imunidade é protetora.

Para a porta-voz da OMS, Margaret Harris, que falou com coletiva nesta terça-feira sobre os casos, a reinfecção parece ser rara: “É um caso documentado em mais de 23 milhões. Provavelmente veremos mais casos, mas parece não ser um evento regular”.

Veja mais: É possível ter algum grau de imunidade à Covid-19 antes mesmo de pegar a doença?

Reinfecção e vacinas

Uma preocupação grande relacionada às reinfecções são o quanto isso pode afetar as vacinas que estão sendo desenvolvidas. Mas para a porta-voz da OMS, a proteção que a vacina gera é diferente da infecção natural, principalmente em casos leves. A expectativa é que a vacina dê mais imunidade.

“Quando você estimula a proteção imune com uma vacina, está fazendo um estímulo muito específico de imunidade, e muito da avaliação de uma vacina é para assegurar que a imunidade que você estimulou realmente protege. Anos e anos e anos de seguimento dizem por quanto tempo a imunidade dura”, explicou Harris.

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED

Referências bibliográficas:

Compartilhar
Publicado por
Clara Barreto

Posts recentes

Ceratite infecciosa e lentes de contato: O que precisamos saber?

A ceratite infecciosa é a complicação mais séria que pode decorrer do uso de lentes…

19 horas atrás

Hemorragia intracraniana em pacientes que tomam anticoagulantes orais

A hemorragia intracraniana é potencialmente devastadora associada à terapia anticoagulante. Sua reversão é uma emergência. Saiba…

19 horas atrás

Covid-19: Pesquisa do Ministério da Saúde vai avaliar comportamento dos brasileiros durante a pandemia

A PrevCOV do Ministério da Saúde tem o objetivo de entender o comportamento da Covid-19…

21 horas atrás

Formigamento no dedo mínimo da mão: pode ser a síndrome do túnel cubital

A síndrome do túnel cubital é a segunda neuropatia compressiva mais comum (perde apenas para…

22 horas atrás

Eliminando o câncer de colo de útero em tempos de Covid-19

No ano de 2020, os 194 países da OMS foram convocados, pela primeira vez, a…

23 horas atrás

Covid-19: papel da homocisteína na estratificação de risco

As diferenças epidemiológicas entre os países sugere que fatores étnicos e genéticos tenham impacto nas…

1 dia atrás