Profilaxia da conjuntivite neonatal: recomendações da Sociedade Brasileira de Pediatria

Tempo de leitura: 2 min.

A conjuntivite ou oftalmia neonatal é definida como uma conjuntivite purulenta do recém-nascido (RN), que ocorre nas primeiras quatro semanas de vida. Ela é geralmente causada por bactérias adquiridas no canal de parto, principalmente Neisseria gonorrhoeae e Chlamydia trachomatis, pelo contato com secreções genitais maternas.

Leia também: O uso de antibioticoterapia tópica é eficaz para o tratamento de conjuntivite bacteriana?

História

Em 1881, o obstetra alemão Sigmund Franz Credé instituiu um método de profilaxia com o uso oftálmico de solução aquosa de nitrato de prata a 1%, que resultou numa redução drástica nos casos de oftalmia neonatal. O Método de Credé tornou-se  preconizado como rotina em maternidades de todo o mundo, sendo extremamente eficaz na prevenção da oftalmia gonocócica.

No entanto, recentemente, a necessidade do uso de medicações preventivas para oftalmia neonatal vem sendo questionada em países de alta renda. O uso do nitrato de prata pode causar uma conjuntivite química e, em locais de elevado nível de assistência pré-natal, com realização de testes rápidos na gestação, o risco do uso da medicação poderia superar os benefícios. Além disso, os sais de prata não são tão eficazes na prevenção da oftalmia por clamídia, e esta bactéria vem se tornando mais prevalente que o gonococo em mulheres em idade fértil.

Diretriz recente

O Departamento Científico de Neonatologia da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) divulgou recentemente novas diretrizes para a profilaxia da conjuntivite neonatal por transmissão vertical no Brasil. Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) de 2001 mostram que a infecção genital por Chlamydia trachomatis é a infecção sexualmente transmissível bacteriana mais comum em todo o mundo, tanto em países de renda média quanto alta. No Brasil, estudos em diversas regiões corroboram estes dados, com a prevalência da infecção por clamídia ficando em torno de 6-13% das mulheres em idade fértil e, de gonococo, em torno de 1,5%.

Saiba mais: A ceratoconjuntivite pode ser a apresentação inicial do novo coronavírus?

Em vista deste panorama, a SBP reforça a necessidade de se manter o método de Credé em todo o território nacional e endossa as seguintes recomendações medicamentosas:

  • Uso da povidona a 2,5% (colírio), considerando sua menor toxicidade em relação ao nitrato de prata a 1% e maior eficácia contra clamídia;
  • Utilização da pomada de eritromicina a 0,5% e, como alternativa, tetraciclina a 1%;
  • A utilização de nitrato de prata a 1% deve ser reservada apenas em caso de não se dispor de eritromicina ou tetraciclina, ainda que o ideal seja a formulação em colírios.

Autor(a):

Referências bibliográficas:

Compartilhar
Publicado por
Viviane Mauro Corrêa Meyer

Posts recentes

Consulta pública para atualização do tratamento de espondilite anquilosante no SUS

Está aberta a consulta pública sobre a ampliação de medicamentos biológicos na primeira linha de…

3 minutos atrás

ACC 21: o que já sabemos sobre anticoagulantes em pacientes com Covid-19?

Uma sessão inteira do congresso do ACC 2021 foi dedicada à discussão o uso de anticoagulantes…

19 horas atrás

ACC 2021: dapagliflozina seria benéfico em pacientes com Covid-19 e fatores de risco?

Um estudo que avaliou o uso da dapagliflozina na Covid-19 em pacientes com fatores de…

20 horas atrás

ATS 2021: síndrome pós-Covid-19 e reabilitação pulmonar

A síndrome pós-Covid-19 e seu manejo foram temas de uma das sessões do congresso da…

22 horas atrás

ATS 2021: novidades na abordagem de tromboembolismo pulmonar

Uma das temáticas abordadas no ATS 2021 foram as novidades em tromboembolismo pulmonar (TEP), que…

24 horas atrás

ATS 2021: abordagem de nódulos e massas pulmonares – práticas atuais

Um dos principais assuntos discutidos no congresso da American Thoracic Society, ATS 2021, foi nódulos…

1 dia atrás