Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Saúde & Tecnologia / Profissionais de saúde estão proibidos de privilegiar pacientes particulares, no Rio
médica mostrando prontuário a paciente homem

Profissionais de saúde estão proibidos de privilegiar pacientes particulares, no Rio

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

Mais uma lei entra em vigor! Está proibida em todo o estado do Rio de Janeiro a prática de atendimento privilegiado a pacientes particulares pelo prestador de serviço, sendo este profissional de saúde contratado e credenciado por operadora de plano ou seguro privado de assistência à saúde, e ainda cooperado de operadora de plano ou seguro privado de assistência à saúde.

A marcação de consultas, exames e quaisquer outros procedimentos serão realizados de forma a atender às necessidades dos consumidores, privilegiando-se os casos de emergência e urgência, assim como as pessoas a partir de 60 anos, as gestantes, lactantes e crianças de até cinco anos.

Está vedada a utilização de agendas com prazos de marcação diferenciados quanto ao tempo de marcação entre o paciente coberto por plano ou seguro privado de assistência à saúde e o paciente atendido após pagamento à vista, chamando de atendimento particular.

Leia mais: É lei! Profissionais de saúde não podem usar jaleco fora do trabalho, no Rio

É o que estabelece a nova lei fluminense 8.720/20, proposta pelo deputado Renato Cozzolino (PRP), sancionada pelo governador Wilson Witzel e publicada pelo Diário Oficial do Executivo no dia 27 de janeiro de 2020. A nova lei já entrou em vigor desde a data de sua publicação.

É importante frisar que a norma valerá apenas para os profissionais conveniados às operadoras de plano ou seguro de saúde. A mudança não valerá para as condições excepcionais previstas no contrato firmado entre a operadora de saúde e o médico conveniado, que deverão ser divulgadas aos consumidores.

Discriminação

Segundo o autor, a intenção foi extinguir esse tipo de discriminação que prejudicaria aqueles que pagam mensalmente por um plano de saúde. “Não há motivos para essa diferenciação. O que observamos hoje na prática é que quando os cidadãos vão marcar uma consulta a primeira pergunta que fazem é se a consulta particular ou para plano de saúde. Quando é particular, vemos que a consulta é marcada o quanto antes. Mas se, em vez de puxar o dinheiro o cliente puxar o cartão do plano de saúde, em algumas situações, a consulta só é marcada dali a alguns meses. Queremos acabar com essa discriminação”, justificou o autor da medida, o deputado Renato Cozzolino (PRP).

Veja ainda: Lei determina que o SUS ofereça o diagnóstico de câncer em até 30 dias

“Esperamos, com esta proposta, contribuir para a diminuição do enorme número de reclamações dos consumidores de planos e seguros privados de assistência à saúde”, disse o senador da República, Pedro Taques.

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED

Autor:

Referências bibliográficas:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.