Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Clínica Médica / Prorrogada até 31 de agosto vacinação contra o sarampo para adultos de 20 a 49 anos
frascos de vacina contra o sarampo

Prorrogada até 31 de agosto vacinação contra o sarampo para adultos de 20 a 49 anos

Esse conteúdo é exclusivo para
usuários do Portal PEBMED.

Tenha acesso ilimitado a todos os artigos, quizzes e casos clínicos do Portal PEBMED.

Faça seu login ou inscreva-se gratuitamente!

A Campanha Nacional de Vacinação contra o Sarampo foi prorrogada até o dia 31 de agosto para os adultos de 20 a 49 anos em todo o país. Esta é a quarta etapa da mobilização, que totaliza mais de 90 milhões de pessoas nesta faixa-etária.

Até o dia 15 de julho, foram vacinados 3,7 milhões de indivíduos nesta faixa-etária, segundo dados preliminares das secretarias estaduais de saúde, registrados no Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunizações.
Procedimentos e orientações

O Ministério da Saúde enviou 4,3 milhões de doses da vacina, além do quantitativo para o atendimento de rotina. Também está em andamento a aquisição emergencial de 29 milhões de seringas e agulhas para apoiar os estados na operacionalização da vacinação.

Os médicos devem alertar aos seus pacientes sobre a importância da vacinação contra o sarampo, mesmo com a pandemia do novo coronavírus em andamento no país. Já os profissionais de Enfermagem devem realizar ações educativas sobre o sarampo para que a população saiba que apesar de altamente transmissível, essa é uma doença que pode ser prevenida através da vacinação.

Leia também: Qual a imunidade de bebês com menos de 1 ano ao sarampo?

As duas primeiras etapas da campanha ocorreram em 2019, com a realização de ações nacionais, em outubro, para crianças de seis meses a cinco anos. A segunda etapa foi realizada em novembro para a população de 20 a 29 anos. Já a terceira etapa, que ocorreu entre 10 de fevereiro a 13 de março deste ano, teve como público-alvo as pessoas de 5 a 19 anos.

Diante da atual situação de pandemia, o Ministério da Saúde tem desenvolvido ações em conjunto com os estados com o objetivo de orientar a população na importância do comparecimento aos postos de saúde para a imunização contra o sarampo.

Vale ressaltar que o Plano de Ação para Interrupção da Circulação do Vírus do Sarampo no Brasil 2020 está em andamento visando privilegiar as atividades fundamentais e necessárias aos três entes federativos, envolvendo vigilância, imunização, laboratório e assistência, para que se possa alcançar a eliminação do sarampo no país.

Cenário atual do sarampo

De acordo com o último Boletim Epidemiológico do Ministério da Saúde, neste ano, até 27 de junho, foram confirmados 5.642 casos de sarampo em 21 estados.

Os estados que estão em pior situação no ranking são: Pará (3.237 casos – 57,4%); Rio de Janeiro (1.192 casos – 21,1%); São Paulo (688 casos – 12,2%); Paraná (248 casos – 4,4%); e Santa Catarina (111 casos – 2%). Esses cinco estados concentram o maior número de casos confirmados da doença, totalizando 5.476 (97,1%) casos.

Até o momento, o país registra cinco óbitos por sarampo, sendo três no Pará, um no Rio de Janeiro e um em São Paulo. Os dados correspondem à Semana Epidemiológica (SE) de 1 a 25 de 2020 (até 20 de junho).

Veja mais: Sarampo: saiba mais sobre prevenção, diagnóstico e tratamento dessa doença

Contraindicações

  • Mulheres grávidas, pois as vacinas são produzidas com o vírus do sarampo vivo, apesar de atenuado, e a gestação tende a diminuir a imunidade da mulher;
  • Pessoas imunossuprimidas por doença ou uso de medicação;
  • Adultos que vivem com HIV/Aids com CD4 < 200. Para aqueles com CD4 entre 200 e 350, os parâmetros clínicos e risco epidemiológico devem ser avaliados pelo médico para a tomada de decisão;
  • Crianças que vivem com HIV/Aids que tenham imunossupressão e/ou sintomatologia grave (CD4 < 15%, para aquelas até 5 anos; e CD4 <200 cel/mm3, para maiores de 5 anos);
  • Pessoas com histórico de anafilaxia após aplicação de dose anterior das vacinas ou a algum de seus componentes.

É importante ressaltar que não há contraindicação para alérgicos a ovo para essa vacina.

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED

Autora:

Referências bibliográficas:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.