Pterígio: a famosa “carninha” no olho

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

O termo pterígio vem do grego e significa “pequena asa”. Caracteriza-se como uma prega de tecido fibrovascular em formato triangular ou trapezoidal, que se origina da conjuntiva interpalpebral e se estende para a córnea. Em geral, possui localização na conjuntiva nasal, embora possa também ocorrer na região temporal.

Pode ser dividido em três partes: cabeça (parte corneana), corpo (parte conjuntival) e o pescoço que une as duas primeiras. O corpo corresponde à porção mais vascularizada e espessa do pterígio, podendo atingir a carúncula e prega semilunar. A vascularização normal da conjuntiva está substancialmente modificada no corpo do pterígio.

É classificado em três tipos: o tipo I apresenta o corpo bem definido e a cabeça avança sobre a córnea menos do que 2 mm; o tipo II estende-se sobre a córnea por cerca de 2 a 4 mm podendo induzir ao astigmatismo e redução de acuidade visual. Já o tipo III avança sobre a córnea por mais de 4 mm, entrando na zona óptica e causando redução de acuidade visual.

As queixas mais frequentes são de olho vermelho, ardor, queimação, irritação, fotofobia e sensação de corpo estranho. É consequência da quebra do filme lacrimal provocada pela irregularidade superficial da conjuntiva. Entretanto, muitas vezes, as queixas que levam o paciente a procurar tratamento estão relacionadas com a estética.

Mais do autor: ‘Cisto de inclusão conjuntival – causas, sintomas, diagnóstico e tratamento’

Existem muitas controvérsias em relação à etiologia e patogênese do pterígio. A radiação ultravioleta – UV (principalmente quando ocorre em jovens e persiste por 2 ou 3 décadas) e a irritação crônica têm sido postulados como fatores causais principais. Afeta adultos e é muito raro em crianças, tendo aumento de sua prevalência com a idade. O uso de óculos com proteção UV e chapéu foram considerados medidas úteis para prevenção da lesão.

Por razões desconhecidas, o crescimento do pterígio pode parar em qualquer fase de sua evolução, contudo, a afecção pode permanecer quiescente ou voltar a crescer novamente a qualquer momento. O pterígio em sua fase atrófica apresenta uma linha arqueada de depósito epitelial de ferro na frente da cabeça (linha de Stocker). Ambos os olhos são comumente envolvidos, mas frequentemente de forma assimétrica.

Os pterígios atípicos exigem biópsia para se descartar neoplasia intraepitelial conjuntival ou melanoma. Entre outros diagnósticos diferenciais, encontram-se o dermoide límbico, outros tumores conjuntivais, pseudopterígio e pannus.

O tratamento consiste em proteção dos olhos contra o sol, poeira e vento, além, da lubrificação com lágrimas artificiais para reduzir a irritação ocular. Nos casos de pterígios inflamados, podem ser utilizados esteroide tópico leve ou colírios anti-inflamatórios não-esteroides. A remoção cirúrgica é indicada quando o pterígio progride em direção ao eixo visual, o paciente possui irritação ocular excessiva, sintomas que persistem apesar do tratamento clínico ou a lesão interfere com o uso de lentes de contato. Os pterígios podem recorrer após a excisão cirúrgica. A dissecção da esclera nua seguida de um auto enxerto conjuntival ou de membrana amniótica reduz a taxa de recorrência. A aplicação intra-operatória de um antimetabolito (5-fluorouracil ou mitomicina-C) também reduz a recorrência.

É médico e também quer ser colunista do Portal PEBMED? Clique aqui e inscreva-se!

Autor:

Compartilhar
Publicado por
Pedro Netto
Tags: pterígio

Posts recentes

ACC 2021: oclusão do apêndice atrial em cirurgia cardíaca + anticoagulação pode reduzir risco de AVE?

O estudo LAAOS 3 avaliou se a oclusão do apêndice atrial esquerdo, adicionada à posterior…

6 horas atrás

ACC 2021: sacubitril + valsartana ou ramipril para pacientes com IAM e IC?

O trial PARADISE-MI, apresentado no congresso do ACC 2021, testou a eficácia e segurança do…

6 horas atrás

ACC 2021: aspirina na prevenção secundária – qual a melhor dose?

O estudo ADAPTABLE, apresentado no congresso do ACC 2021, buscou entender se doses maiores de…

11 horas atrás

Whitebook: murcormicose

Em nossa publicação semanal de conteúdos do  Whitebook Clinical Decision vamos falar sobre a apresentação…

12 horas atrás

Ceratite infecciosa e lentes de contato: O que precisamos saber?

A ceratite infecciosa é a complicação mais séria que pode decorrer do uso de lentes…

1 dia atrás

Hemorragia intracraniana em pacientes que tomam anticoagulantes orais

A hemorragia intracraniana é potencialmente devastadora associada à terapia anticoagulante. Sua reversão é uma emergência. Saiba…

1 dia atrás