Púrpura trombocitopênica imune: como manejar de acordo com as novas atualizações?

Tempo de leitura: 3 min.

Em novembro de 2019, a Blood Advances publicou uma atualização do International Consensus Report de 2010 sobre a púrpura trombocitopênica imune (PTI). Neste artigo, vamos falar sobre o diagnóstico e manejo mais atual para PTI.

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas
Cadastrar Login

Púrpura trombocitopênica imune

O diagnóstico de púrpura trombocitopênica imune é de exclusão, ou seja, outras causas de trombocitopenia devem ser excluídas através da avaliação clínica (anamnese e exame físico) e laboratorial (incluindo hematoscopia de sangue periférico).

Diante de um paciente com trombocitopenia isolada, é fundamental a análise de sangue periférico, a fim de excluir pseudotrombocitopenia, caracterizada pela presença de grumos plaquetários, macroplaquetas e/ou satelitismo plaquetário, com contagem plaquetária manual normal.

Se não forem evidenciadas alterações à hematoscopia de sangue periférico e ao exame físico que sugiram outro diagnóstico, o estudo de medula óssea pode ser postergado num primeiro momento. A avaliação da medula é apropriada nos casos de recaída ou falha à primeira linha terapêutica, bem como quando esplenectomia estiver sendo considerada e quando hemograma e/ou hematoscopia de sangue periférico detectarem anormalidades, devendo incluir idealmente mielograma, citometria de fluxo, citogenética e biópsia.

Leia também: Caplacizumabe é eficaz no manejo da púrpura trombocitopênica trombótica?

Tratamento

A finalidade do tratamento é basicamente prevenir eventos hemorrágicos graves. O manejo é individualizado, variando de acordo com a contagem plaquetária, o quadro clínico e as características do paciente. Em geral, objetiva-se contagem plaquetária > 20.000-30.000/mm³ em indivíduos sintomáticos.

Corticosteroides em doses imunossupressoras representam a primeira linha de tratamento na grande maioria dos casos. Costuma-se fazer prednisona 1 mg/kg/dia (dose máxima de 80 mg/dia) por duas a três semanas ou dexametasona 40 mg/dia por quatro dias, repetindo o esquema por até três vezes. Se houver resposta adequada, recomenda-se desmame até suspensão em seis a oito semanas de tratamento, mesmo na presença de queda plaquetária durante a redução de dose.

Na ausência de resposta após duas semanas de corticoterapia, o desmame do corticosteroide deve ser feito em uma semana, para rápida suspensão. Longos cursos de corticosteroide devem ser evitados, apesar de poucos indivíduos se beneficiarem de baixas doses de prednisona continuamente.

Mais da autora: Síndrome do anticorpo antifosfolipídeo na gestação: como manejar?

A administração de imunoglobulina (1 g/kg em 1-2 dias consecutivos ou 0,4 g/kg/dia por 5 dias) está indicada para pacientes com hemorragia ou alto risco hemorrágico, que necessitam de procedimentos invasivos ou que não responderam à corticoterapia. Pacientes com contraindicação ao uso de corticosteroides em doses altas também se beneficiam com o uso de imunoglobulina (ex.: diabetes mal controlado, infecção ativa).

Agonistas do receptor de trombopoetina (ex.: eltrombopague) e rituximabe são considerados opções de segunda linha. Portadores de PTI com hemorragia potencialmente fatal (ex.: sistema nervoso central) devem ser manejados com corticoterapia venosa e imunoglobulina. Transfusão de plaquetas pode ser útil nesse contexto. Agonistas do receptor de trombopoetina podem ser considerados se houver falha terapêutica às opções anteriores.

A esplenectomia associa-se a longos períodos de remissão, porém o risco de recaída não é nulo. Recomenda-se aguardar, no mínimo, 12-24 meses após o diagnóstico antes do procedimento cirúrgico por conta da chance de remissão ou estabilização da contagem plaquetária. Os candidatos à cirurgia devem ser encaminhados para vacinação contra germes encapsulados (pneumococo, meningococo e hemófilo), pelo menos, duas semanas antes da esplenectomia. Vale lembrar que o uso de rituximabe nos seis meses anteriores pode interferir na eficácia das vacinas. Tromboprofilaxia pós-operatória deve ser considerada se plaquetometria > 30.000-50.000/mm³.

Em caso de múltiplas recaídas, é importante rever o diagnóstico, realizando estudo de medula óssea (principalmente se ainda não tiver sido feito), e avaliar real necessidade de tratamento, considerando plaquetometria e risco hemorrágico. Má aderência ou uso de subdoses dos medicamentos também precisam ser descartados. Pacientes que recaem com mais de um ano após esplenectomia devem ser investigados quanto à possibilidade de baço acessório.

Quando há refratariedade a várias opções terapêuticas, deve-se considerar encaminhar o paciente para estudos clínicos, sempre que possível.

Quer receber as principais novidades em Medicina? Cadastre-se em nosso Portal!

Autor:

Referências bibliográficas:

  • Provan, Drew, et al. “Updated international consensus report on the investigation and management of primary immune thrombocytopenia.” Blood advances 3.22 (2019): 3780-3817.
  • Provan, Drew, et al. “International consensus report on the investigation and management of primary immune thrombocytopenia.” Blood, The Journal of the American Society of Hematology 115.2 (2010): 168-186.
  • Neunert, Cindy, et al. “The American Society of Hematology 2011 evidence-based practice guideline for immune thrombocytopenia.” Blood 117.16 (2011): 4190-4207.
Compartilhar
Publicado por
Lívia Pessôa de Sant'Anna

Posts recentes

12 conteúdos novos com imagens no Whitebook

O Whitebook têm recebido várias figuras. Na atualização desta semana, acrescentamos 12 conteúdos novos com…

13 horas atrás

Vacinação contra Covid-19: Papel da enfermagem na conscientização da segunda dose da vacina

A equipe de enfermagem possui um papel fundamental na conscientização da vacinação contra Covid-19 para…

14 horas atrás

Cerclagem em gestações gemelares: indicação pelo exame físico

Um trial estudou a eficácia da cerclagem na prevenção de trabalho de parto com nascimento…

15 horas atrás

Quais colírios usar no atendimento ou prescrever para tratamento de gestantes?

Sou oftalmologista e vou atender uma gestante. Quais colírios posso usar no atendimento ou prescrever…

16 horas atrás

Teste do Pezinho é ampliado e passa a detectar até 50 novas doenças pelo SUS

A ampliação do Teste do Pezinho, que eleva de seis para 50 o número de…

17 horas atrás

Avaliação da fase pré-analítica do exame de urina de rotina

O exame de urina de rotina é um dos exames mais solicitados e importantes de…

18 horas atrás