Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Clínica Médica / Quais as medidas de precaução para cada tipo de transmissão possível do coronavírus?
médico de touca e máscara lavando as mãos para evitar contaminação pelo coronavírus

Quais as medidas de precaução para cada tipo de transmissão possível do coronavírus?

Acesse para ver o conteúdo
Esse conteúdo é exclusivo para usuários do Portal PEBMED.

Tenha acesso ilimitado a todos os artigos, quizzes e casos clínicos do Portal PEBMED.

Faça seu login ou inscreva-se gratuitamente!

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

Com a ameaça da introdução do coronavírus no país, é importante estar atento para que as adequadas medidas protetivas sejam tomadas. Além da identificação dos casos suspeitos, a adesão às precauções respiratória e de contato são essenciais para evitar o contágio.

Precauções durante o surto de coronavírus

Precaução por gotículas

A precaução respiratória por gotículas visa a proteger contra agentes que possuem transmissão aérea por gotículas, geradas com a fala, tosse, espirro ou procedimentos que manipulem vias aéreas. As gotículas depositam-se em superfícies e não alcançam grandes distâncias.

Atualmente, a Organização Mundial de Saúde e o Ministério da Saúde recomendam que casos suspeitos e confirmados de infecção pelo 2019-nCoV sejam colocados em precaução por gotículas. Outros exemplos de doenças que exigem precaução de gotículas incluem meningite meningocócica (nas primeiras 24h de antibioticoterapia), caxumba e rubéola.

Idealmente, pacientes em precaução por gotículas devem ser colocados em quartos privativos. Em cenários em que isso não é possível, o fato de as gotículas terem dispersão limitada permite que os pacientes sejam colocados em enfermarias coletivas, desde que haja uma distância de pelo menos 1 metro entre os leitos.

O elemento diferencial da precaução por gotículas é o uso de máscara cirúrgica pelo profissional de saúde que presta assistência ao paciente. Para correta proteção, o profissional deve observar se a máscara está bem ajustada em seu rosto. Além disso, fatores como umidade diminuem a eficácia da máscara como barreira, o que faz com que sua troca seja frequentemente necessária. Lembrando sempre que máscaras cirúrgicas são descartáveis e de uso único, devendo ser jogadas no lixo após o atendimento do paciente.

Em caso de risco de contato com respingos e secreções, deve-se usar também óculos de proteção ou protetor de face, capote – impermeável se houver risco de contato com secreções em grande quantidade – e luvas de procedimento.

Veja mais sobre coronavírus:

Precaução por aerossóis

Os aerossóis são partículas menores do que as gotículas, capazes de permanecer em suspensão no ar por períodos prolongados. Dessa forma, necessitam de medidas de proteção diferenciadas. Exemplos de doenças com transmissão por aerossol são tuberculose, sarampo e varicela.

Pacientes em precaução por aerossóis devem permanecer em leitos de isolamento respiratório com filtros HEPA, que devem ficar ligados continuamente, e pressão negativa. Quando isso não é possível, uma alternativa é a internação em quartos privativos com em que há possibilidade de manter as janelas abertas. Em ambos os casos, o objetivo é que a circulação de ar do quarto se dê para o exterior da unidade de saúde. As portas devem permanecer fechadas e as portas da antessala e do quarto não devem permanecer abertas ao mesmo tempo.

Um detalhe importante é que, após a saída do paciente do quarto, o filtro deve ficar ligado e os profissionais devem continuar usando máscara N95 para entrar no quarto por um período de tempo que varia conforme a capacidade do filtro HEPA.

Ouça nosso podcast! Falamos sobre tudo o que o profissional de saúde precisa saber sobre o novo surto!

Outro diferencial é o uso de máscara. Na precaução por aerossóis, o profissional deve usar máscaras do tipo N95 (PFF2 pela nomenclatura da Anvisa) quando entrar no quarto do paciente. O mesmo deve ser observado por outros trabalhadores do hospital – como copeiros, técnicos de radiologia e laboratório ou profissionais da limpeza – e acompanhantes. O paciente deve utilizar máscara cirúrgica nas situações em que estiver indicada, não precisando permanecer de máscara dentro do quarto.

Na maior parte das ocasiões, a máscara N95 é reutilizável, mantendo sua eficácia por cerca de 3 meses se bem conservada. Para que isso seja factível, não pode apresentar dobras e ficar bem acoplada ao rosto de quem a usa.

Umidade, maquiagem e marcas na trama da máscara (incluindo escrever o nome) diminuem a eficácia e a vida útil da N95. Recomenda-se que sejam guardadas em sacos de papel. Para o 2019-nCov, os guidelines que abordam essa questão recomendam uso único mesmo da máscara N95.

cadastro portal

Precaução por contato

Pacientes com doenças com transmissão por contato, seja de forma direta com a superfície corporal do paciente, seja de forma indireta por meio de contato com objetos e superfícies.

Para o 2019-nCoV, além das precauções respiratórias, recomenda-se precaução de contato para todos os casos suspeitos e confirmados. Também deve ser aplicada em pacientes com infecção ou colonização por microrganismos multirresistentes – de acordo com as políticas da Comissão de Controle de Infecção Hospitalar local – ou em casos de escabiose e pediculose.

Os equipamentos de proteção individual (EPIs) mais importantes na precaução de contato são capote e luvas. O capote não precisa ser necessariamente descartável, desde que seja colocado e retirado de forma correta. Máscaras e óculos de proteção devem ser utilizados conforme as recomendações de precaução padrão. Os equipamentos para exame clínico, como esfigmomanômetro, estetoscópio ou termômetros, devem ser de uso individual, não devendo ser usados em outros pacientes.

Além do uso de EPIs, um elemento essencial para o sucesso da aplicação das medidas de precaução é a higienização das mãos. O uso de preparações alcoólicas já se mostrou ao de água e sabão, exceto em caso de presença de sujidade visível e de infecções por Clostridioides difficile (antigo Clostridium difficile). Adornos como anéis, pulseiras e relógios e mangas longas de jaleco que cobrem os punhos tornam mais difícil a adequada higienização das mãos e devem ser evitados.

A higienização das mãos deve ser aplicada nos 5 momentos: antes do contato com o paciente, antes da realização de procedimentos assépticos, após o risco de exposição a fluidos corporais, após o contato com o paciente e após o contato com áreas próximas ao paciente.

Adaptado de: Cartazes Anvisa

Mensagens práticas

Em resumo:

  • Precaução por gotículas: profissional usa máscara cirúrgica, que deve ser de uso único. Cuidado com a umidade. Se necessário, pacientes podem ficar em enfermarias coletivas, desde que com distância de 1 metro entre os leitos.
  • Precaução por aerossóis: profissional usa máscara N95. Internação em leito de isolamento com filtro HEPA e pressão negativa. Atenção para o ajuste no rosto e para a correta conservação das máscaras.
  • Evitar transportar pacientes em precaução respiratória. Se o transporte for necessário, tanto na precaução por gotículas quanto na por aerossóis, o paciente deve utilizar máscara cirúrgica durante todo o tempo. Dentro do quarto, o paciente não precisa ficar de máscara.
  • Quartos de isolamento: portas sempre fechadas. Se com filtro HEPA, as janelas permanecem fechadas. Se sem filtro HEPA, as janelas permanecem abertas. Após a saída do paciente, permanecer com o filtro ligado e respeitar o tempo em que deve continuar usando N95.
  • Higienização das mãos: essencial em todos os tipos de precaução (e nos pacientes que não estão em precaução). Preparações alcoólicas são mais eficazes na maior parte das ocasiões. Respeitar os 5 momentos para higienização. Retirar adornos e dobrar as mangas do jaleco.

Autor:

Referências bibliográficas:

2 comentários

  1. Avatar
    Rogério Maestri

    Gostaria de saber se estão sendo montados outros quartos com pressão negativa no Brasil para isolar convenientemente os pacientes.

  2. Avatar

    Muito bom esse artigo. Achei esclarecedor. Minha dúvida era quanto ao código/caracterização das máscaras.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.