Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Anestesiologia / Quais as possíveis causas da lesão nervosa pós-operatória?
médicos cirurgiões com sua aparelhagem para evitar lesão nervosa pós-operatória

Quais as possíveis causas da lesão nervosa pós-operatória?

Esse conteúdo é exclusivo para
usuários do Portal PEBMED.

Tenha acesso ilimitado a todos os artigos, quizzes e casos clínicos do Portal PEBMED.

Faça seu login ou inscreva-se gratuitamente!

Muito se especula sobre as causas de lesão nervosa pós-operatória, principalmente em cirurgias de membros superiores. Estatisticamente falando há uma incidência de aproximadamente 5% de aparecimento de lesão nervosa pós-operatória, sendo que mais de 40% desses pacientes apresentam alguma perda de função do membro definitivamente, o que causa grande angústia e ansiedade tanto por parte do paciente como por parte da equipe cirúrgica.

Estudos têm sido realizados para identificar as causas e possíveis fatores que podem levar ao aparecimento dessas lesão, principalmente em cirurgias onde se é realizado bloqueios locais como bloqueio de plexo braquial.

Leia também: Como abordar paciente com lesão renal aguda no perioperatório?

Lesão nervosa pós-operatória

O mais recente estudo sobre essa estatística selecionou diversos pacientes com uma avaliação pré-operatória minuciosa para exclusão de qualquer condição clínica que determinasse lesão nervosa preexistente com o preenchimento de questionário de avaliação da função do membro e exame físico minucioso por profissional especialista em cirurgia de mão.

Qualquer paciente que apresentasse um mínimo grau de alteração nervosa, assim como disfunções autonômicas como sudorese local, alteração de coloração e temperatura da pele ou do crescimento de pelos foram excluídos do estudo. Em relação à técnica cirúrgica e anestésica, essas ficaram a critério dos profissionais, não havendo nenhuma mudança da rotina anestésica-cirúrgica nesses pacientes.

Somente em relação ao torniquete cirúrgico que foi estipulado tempo de no máximo 120 minutos e uma pressão de insuflação de até 180 mmHg. No pós-operatório os pacientes foram também minuciosamente avaliados para a presença ou não de lesão nervosa até seis semanas após o procedimento. Da totalidade dos pacientes submetidos ao estudo, evidenciou-se que 5% apresentaram lesão nervosa pós-operatória, sendo que a maioria das lesões não estava relacionada a técnica anestésica, principalmente pela estatística demonstrar que a incidência de lesão em pacientes submetidos a anestesia geral sem bloqueio era a mesma daqueles que foram submetidos ao bloqueio local. A incidência de lesão comprovada por motivos anestésicos foi de 0,1%.

Mais da autora: Uso do ácido tranexâmico pode ser eficaz na hemorragia aguda por trauma?

Alguns fatores inerentes ao paciente estão relacionados ao aparecimento de lesão nervosa no pós-operatório, como baixo peso e extremos de vida, principalmente por esses pacientes apresentarem uma exposição anatômica mais superficial do nervo. Fatores de risco relacionados à cirurgia são mais evidentes, como, por exemplo, o trauma direto do nervo no campo operatório e lesões causadas pelo torniquete e posicionamento forçado do membro.

Conclusões

O estudo demonstrou que a exata causa da injúria nervosa é de difícil identificação, porém na maioria dos casos as suspeitas de lesão caíram principalmente em cima do procedimento cirúrgico. Importante detalhe foi demonstrado que pacientes que foram submetidos a bloqueio regional não apresentaram maior incidência de lesão dos que aqueles submetidos a anestesia geral. Fator bastante relevante, pois as vantagens do bloqueio de plexo braquial sobre a anestesia geral são bem maiores.

Apesar da lesão nervosa ser bem rara e ainda não haver evidências concretas sobre as causas exatas, 40% dos pacientes que apresentam lesão neural pós-cirúrgica evoluem com lesão crônica, o que acaba por comprometer a capacidade funcional do membro. Por isso, os casos de injúria nervosa são bastante preocupantes para toda a equipe cirúrgica.

Quer receber as principais novidades em Medicina? Inscreva-se aqui!

Autora:

Referências bibliográficas:

  • Droog W, Lin DY, Galvin EM.Is It the Surgery or the Block? Incidence, Risk Factors, and Outcome of Nerve Injury following Upper Extremity Surgery.PRS Global Open 2019 sep:7(9):e2458
  • Watson JC, Huntoon MA. Neurologic evaluation and management of perioperative nerve injury. Reg Anesth Pain Med.2015;40:491–501.
  • Neal JM, Barrington MJ, Brull R, et al. The second ASRA practice advisory on neurologic complications associated with regional anesthesia and pain medicine: executive summary 2015. Reg Anesth Pain Med. 2015;40:401–430.
  • Brull R, McCartney CJ, Chan VW, et al. Neurological complications after regional anesthesia: contemporary estimates of risk.Anesth Analg. 2007;104:965–974.
  • Brull R, Hadzic A, Reina MA, et al. Pathophysiology and etiology of nerve injury following peripheral nerve blockade. Reg Anesth Pain Med. 2015;40:479–490.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.