Página Principal > Colunistas > Quais as taxas de risco de demência após ataque isquêmico e AVC?
Lesões corticais

Quais as taxas de risco de demência após ataque isquêmico e AVC?

Tempo de leitura: 3 minutos.

Com as taxas de sobrevivência após o aumento do AVC, a demência se tornou uma preocupação crescente para pacientes, familiares e profissionais de saúde. Estudos anteriores identificaram fortes preditores de demência pós-AVC, incluindo idade, baixo nível educacional, acidente vascular cerebral prévio, gravidade do AVC, disfasia, diabetes, fibrilação atrial e leucoaraiose em imagens cerebrais.

Neste estudo realizado no Reino Unido e publicado na revista The Lancet Neurology de fevereiro, Sarah T Pendlebury e Peter M Rothwell relatam que cerca de 20% dos pacientes admitidos no hospital por acidente vascular cerebral desenvolvem demência no primeiro ano após o evento; a incidência é maior naqueles com AVC recorrente e menor naqueles com AVC de primeira vez.  Além disso, cerca de um em cada dez pacientes com AVC na primeira vez já tem demência no início do evento.

O estudo

Sarah T Pendlebury e Peter M Rothwell em um estudo de base populacional de 92.728 pessoas de Oxfordshire, Reino Unido. Eles recrutaram prospectivamente 2305 pacientes com eventos cerebrovasculares agudos que ocorreram entre 2002 e 2012, e acompanharam esses pacientes por cinco anos com entrevistas regulares. Os autores usaram vários métodos de averiguação de casos e medidas abrangentes para minimizar o atrito, e encontraram uma associação gradual entre a gravidade do evento-índice e a demência pré e pós-evento, independentemente da idade.

Resultados

  • A prevalência de demência pré-evento variou de 4,9% em pacientes com ataque isquêmico transitório a 20,6% naqueles com grave acidente vascular cerebral (ou seja, uma pontuação> 10 na National Institutes of Health Stroke Scale dos EUA [NIHSS]).
  • A incidência de demência pós-evento em um ano foi de 5,2% após ataque isquêmico transitório e 34,4% após acidente vascular cerebral grave.

Em comparação com as estimativas populacionais de demência publicadas no Reino Unido, no estudo de Pendlebury e Rothwell, o risco de demência 1-5 anos após AVC grave foi 6,5 vezes maior, e após o ataque isquêmico transitório foi 1,5 vezes maior.

Achados

Como um achado notável, uma pontuação inferior a 24 no miniexame do estado mental (MEEM) no início do estudo estava entre os mais fortes preditores de risco de demência, um achado que enfatiza ainda mais a utilidade prognóstica dos testes cognitivos precoces após eventos cerebrovasculares.

Aplicações

Esses números são importantes para o aconselhamento e acompanhamento a longo prazo dos pacientes. Essas estimativas devem ser mantidas em mente quando se aconselha pacientes e familiares, organizando cuidados, planejando ensaios e interpretando os achados do estudo. Como esperado, uma proporção substancial de demência pós-evento foi diagnosticada no primeiro ano após o evento, particularmente em pacientes com AVC grave.

Essa descoberta reflete os efeitos imediatos da lesão do índice na função cerebral, mas também pode estar relacionada a variações na recorrência do AVC ou processos secundários no cérebro (por exemplo, inflamação ou neurodegeneração secundária). Estudos detalhados de neuroimagem devem ajudar a desenredar esses fatores.

Considerações finais

É necessário trabalho adicional para entender melhor as trajetórias da função cognitiva após ataque isquêmico transitório e acidente vascular cerebral, incluindo como os determinantes da demência de início tardio (ou seja, demência que manifesta meses ou anos de AVC) diferem daqueles de demência de início imediato; os mecanismos subjacentes à associação entre diabetes e risco de demência, e se esse risco pode ser modificado pelo controle glicêmico mais intensivo; e se o risco de demência em pacientes com fibrilação atrial pode ser diminuído por anticoagulação oral (o que seria esperado como resultado dos efeitos na prevenção do AVC).

Leia maisEstudo mostra Brasil como segundo país em prevalência de demência

Finalmente, se o risco de demência pós-evento pode ser reduzido por terapia aguda, o AVC precisa ser investigado. Análises secundárias do estudo REVASCAT sugerem que o tratamento endovascular em pacientes com oclusão arterial proximal na circulação anterior melhora os resultados cognitivos, particularmente em pacientes com bons resultados funcionais.

No entanto, essas informações foram originadas principalmente de estudos baseados em hospitais, que são propensos a viés de seleção e outros vieses, incluindo atrito. Existem poucos dados para o risco de demência após ataque isquêmico transitório ou acidente vascular cerebral menor, que juntos representam cerca de 70% dos eventos cerebrovasculares. Além disso, a informação é escassa sobre até que ponto a incidência de demência após ataque isquêmico transitório ou AVC é maior do que a incidência de demência por idade específica na população geral.

É médico e também quer ser colunista do Portal da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Autor:

Referências:

  • Zietemann V; Georgakis MK ; Dondaine T et al. O início do MoCA prevê resultados cognitivos e funcionais a longo prazo e mortalidade após o AVC. Neurologia. 2018; 91 : e1838-e1850 (https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/30333158?dopt=Abstract)
  • Lopez-Cancio E ; Jovin TG ; Cobo E et al. O tratamento endovascular melhora a cognição após o AVC: uma análise secundária do ensaio REVASCAT. Neurologia. 2017; 88 : 245-251 (https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/27940648?dopt=Abstract)
  • DICHGANS, Martin. Dementia risk after transient ischaemic attack and stroke. The Lancet Neurology DOI:https://doi.org/10.1016/S1474-4422(18)30497-6

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.