Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Clínica Médica / Quais os fármacos mais eficazes para tratamento do status epilepticus?
médico em terapia intensiva com prontuário de paciente com status epilepticus

Quais os fármacos mais eficazes para tratamento do status epilepticus?

Esse conteúdo é exclusivo para
usuários do Portal PEBMED.

Tenha acesso ilimitado a todos os artigos, quizzes e casos clínicos do Portal PEBMED.

Faça seu login ou inscreva-se gratuitamente!

O status epilepticus é uma emergência médica que requer avaliação e tratamento imediatos. Considerando a necessidade de avaliação e intervenções rápidas, uma definição prática consiste em ≥ 5 minutos de convulsões contínuas ou ≥ 2 crises entre as quais não há recuperação completa da consciência.

Status epilepticus

A maioria dos casos em adultos ocorre devido a uma lesão cerebral estrutural subjacente ou a um distúrbio tóxico/metabólico. Muitos episódios provêm da combinação de uma lesão anterior e um novo fator estressor, seja ele metabólico, infeccioso ou farmacológico sobreposto, como uremia ou ajuste de medicação.

O status epilepticus também surge comumente em pacientes com um diagnóstico estabelecido de epilepsia idiopática. O diagnóstico é clínico e deve ser tratado imediatamente; não é necessário aguardar uma eletroencefalograma (EEG).

O manejo inicial é dividido em três fases: avaliação e tratamento de suporte; terapia farmacológica inicial com benzodiazepínico; e terapia urgente que alcança controle a longo prazo usando um medicamento anti-convulsivo não benzodiazepínico, como a fosfenitoína, levetiracetam ou valproato. Apesar do tratamento inicial, aproximadamente 20% dos pacientes desenvolvem status refratário e necessitam de terapia adicional.

Leia também: Antiepilépticos: veja as orientações da nova diretriz da AAN

Será que essas drogas são igualmente seguras e eficazes no tratamento de pacientes com essa condição?

Estudo publicado em novembro de 2019 na New England Journal of Medicine, avaliou o uso destas três drogas (levetiracetam, fosfenitoína ou valproato), onde mais de 380 crianças e adultos foram randomizados para recebê-las quando chegassem no departamento de emergência em status.

Os autores esperavam determinar qual dos medicamentos anticonvulsivantes era mais eficaz para interromper as convulsões e melhorar o nível de resposta do paciente dentro de 60 minutos após a administração da medicação.

Os resultados mostraram que os três medicamentos interromperam as convulsões e melhoraram a capacidade de resposta em aproximadamente metade dos participantes do estudo. Especificamente, esses benefícios foram observados em 47% dos indivíduos no grupo levetiracetam, em 45% dos participantes no grupo fosfenitoína e em 46% dos indivíduos no grupo valproato. Essas diferenças não foram estatisticamente significativas e não houve diferenças nos efeitos colaterais entre os medicamentos.

Mais do autor: Ubrogepant: nova geração de drogas no tratamento da enxaqueca aguda

Pesquisas adicionais são necessárias para prevenir o status epilepticus refratário e para encontrar opções de tratamento para os pacientes cujas crises não respondem aos três medicamentos investigados neste estudo.

Autor:

Referências bibliográficas:

  • Jaideep Kapur, M.B., B.S., Ph.D e al. Randomized Trial of Three Anticonvulsant Medications for Status Epilepticus. N Engl J Med 2019; 381:2103-2113. DOI: 10.1056/NEJMoa1905795

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.