Ortopedia

Quais os fatores de risco para a incapacidade de redução das luxações do ombro sem o uso de sedação?

Tempo de leitura: 2 min.

Embora as luxações glenoumerais anteriores sejam comuns, o procedimento de redução costuma ser difícil, muitas vezes exigindo sedação ou anestesia. Até o momento, os fatores de risco para falha na redução sem sedação não foram totalmente investigados. 

Um estudo publicado em fevereiro de 2021 foi realizado com o objetivo de esclarecer os fatores preditivos que dificultam a redução da luxação glenoumeral anterior sem sedação por meio de análises multivariadas.

Leia também: Dor no ombro e síndrome do manguito rotador

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas
Cadastrar Login

Características do estudo

Trata-se de um estudo retrospectivo avaliando uma amostra de 156 pacientes submetidos à tentativa de redução da luxação glenoumeral anterior entre 2006 e 2019. Os pacientes foram incluídos com base nos seguintes critérios: luxações traumáticas, tentativa de redução usando o método de tração-contra-tração e luxações agudas em que a redução foi tentada em 2 dias da lesão. A variável dependente foi definida como luxação glenoumeral irredutível sem sedação, que foi definida como falha de redução neste estudo. 

As variáveis ​​explicativas incluíram idade, sexo, lado da lesão, luxação recorrente, lesão do nervo axilar, tempo desde a luxação até a tentativa de redução, fratura da tuberosidade maior, fratura do colo do úmero, fratura da borda da glenoide e osteoartrite glenoumeral. Os dados avaliados através da análise de radiografias e registros clínicos de bases hospitalares.

Análises univariadas e multivariadas foram realizadas. Variáveis ​​de linha de base, que foram observadas como significativas na análise univariada, foram incluídas em modelos multivariados, que usaram regressão logística para identificar preditores independentes de falha de redução.

Resultados encontrados

Dos 156 pacientes, 25 (16,0%) apresentaram falha na redução. As análises multivariadas mostraram que a idade avançada (≥ 55 anos) (OR = 3,4; p = 0,036), fraturas da tuberosidade maior (OR = 3,6; p = 0,033) e fraturas da borda da glenoide (OR = 11,5; p= 0,018) foram fatores de risco para falha na redução.

Saiba mais: Analgesia intra-articular guiada por ultrassom em luxação acromioclavicular

Os resultados deste estudo sugerem que múltiplos fatores estão associados à redução malsucedida da luxação glenoumeral anterior sem sedação. Em pacientes idosos ou pacientes com fraturas concomitantes da tuberosidade maior e fraturas da borda da glenoide, a falha da redução pode ocorrer na ausência de sedação; portanto, a administração de sedativos ou anestésicos deve ser considerada nestes pacientes.

Autor(a):

Referências bibliográficas:

  • Furuhata R, Kamata Y, Matsumura N, Kono A, Morioka H. Risk factors for failure of reduction of anterior glenohumeral dislocation without sedation. J Shoulder Elbow Surg. 2021 Feb; 30(2):P306-311. doi:10.1016/j.jse.2020.06.005
Compartilhar
Publicado por
Rafael Erthal

Posts recentes

Existe relação entre os parâmetros do plaquetograma e a mortalidade por Covid-19?

Estudo foi realizado para avaliar uma possível relação entre mortalidade intra-hospitalar por Covid-19 e valores…

15 horas atrás

Whitebook: MCCP – Método clínico centrado na pessoa

Em nossa publicação semanal de conteúdos compartilhados do  Whitebook Clinical Decision vamos falar um pouco…

19 horas atrás

Proposta de nomenclatura universal para insuficiência cardíaca (IC)

As definições da insuficiência cardíaca (IC) são extremamente heterogêneas, isso dificulta definir a doença para…

2 dias atrás

Miopatias em pacientes adultos com hipotireoidismo

Pacientes com hipotireoidismo mais grave ou não tratados têm maior probabilidade de desenvolver doença muscular…

2 dias atrás

Você ainda se lembra das manifestações oftalmológicas da Zika congênita? 

Em artigo publicado em maio de 2021, Ventura at al. relataram as manifestações oftalmológicas da…

2 dias atrás

Covid-19: gestantes e puérperas que tomaram a primeira dose da vacina Astrazeneca

Algumas gestantes apresentaram desfechos desfavoráveis por eventos tromboembólicos após a vacinação com a vacina Astrazeneca/Oxford.

2 dias atrás