Página Principal > Colunistas > Quais são as novidades no tratamento da doença de Alzheimer?
Alzheimer

Quais são as novidades no tratamento da doença de Alzheimer?

Tempo de leitura: 3 minutos.

Um esforço enorme foi dedicado pela comunidade de pesquisa para aprofundar nossa compreensão das complexidades da doença de Alzheimer. O conhecimento de que os processos patológicos começam muitos anos antes dos sintomas clínicos destacou a importância da identificação de um medicamento modificador da doença que pode ser administrado nos estágios iniciais da doença, isto é, no comprometimento cognitivo leve (CCL).

Há um otimismo cauteloso de que essas lições levarão a um teste de tratamento na próxima década. Como tal, é necessário concentrar-se na preparação dos sistemas médicos para rastrear, diagnosticar e administrar uma terapia às pessoas em risco ou com o CCL caso ocorra um avanço na oferta do tratamento.

Pesquisas sobre  tratamento do Alzheimer

Nesse contexto, os pesquisadores da RAND Corporation (Reserach And Development) elaboraram um relatório que avalia a preparação da Europa neste sentido. O documento analisa a prontidão da França, Alemanha, Itália, Espanha, Suécia e Reino Unido para enfrentar um aumento na demanda por triagem e tratamento.

Em seu modelo de simulação, eles assumiram que um tratamento farmacológico capaz de prevenir ou retardar a demência da doença de Alzheimer, que será administrada por via intravenosa, estará disponível em 2020. Com base nessa suposição, o relatório estima que a incapacidade de aumentar a capacidade de infraestrutura sistemas de saúde nesses países podem significar que mais de 1 milhão de pessoas com CCL devido à doença de Alzheimer podem avançar na demência enquanto aguardam avaliação e tratamento.

Leia maisAvanços na detecção precoce do Alzheimer

Antes de tomar uma visão tão sombria, deve-se notar que esta previsão é baseada no cenário de pior caso, modelado em nenhuma alteração sendo feita aos sistemas de cuidados de saúde atuais. No entanto, o quadro europeu para a investigação e cuidados da doença de Alzheimer está a evoluir, principalmente com a criação de infraestruturas integrando investigação e gestão clínica e ferramentas, incluindo registos e grupos de preparação (por exemplo, o Consórcio Europeu de Prevenção do Mal de Alzheimer).

O principal objetivo desses registros é combinar candidatos possíveis a ensaios clínicos, mas essa abordagem também poderia abrir caminho para uma avaliação sistemática das pessoas em risco que seriam então direcionadas para abordagens terapêuticas específicas.

Medidas de amiloide no líquido cefalorraquidiano (LCR) e no cérebro com tomografias por emissão de pósitrons (PET) são agora amplamente utilizadas para diagnóstico em centros de pesquisa e centros terciários na Europa. No entanto, a avaliação sistemática também será facilitada pelo desenvolvimento de um teste de sangue amiloide, para ser usado em contextos clínicos.

Se o exame de sangue foi positivo, mas não pôde ser confirmado com análise do LCR ou PET, então a pessoa poderia ser convidada a retornar para exames de sangue nos anos subsequentes. Essa abordagem poderia potencialmente melhorar a acessibilidade e a disponibilidade da triagem, já que qualquer pessoa de uma certa idade com preocupações com a memória, assim como aquelas que estão em risco, mas cognitivamente saudáveis, pode ser avaliada anualmente.

O que diz o relatório RAND?

Outro pressuposto importante do relatório da Corporação RAND foi que, no cenário de uma cura disponível, todos os indivíduos com 55 anos ou mais se tornarão elegíveis para a triagem cognitiva, o que reflete os critérios de inclusão etária dos mais promissores ensaios de fase inicial na doença de Alzheimer. Mas o campo está se movendo em direção a uma definição biológica da doença de Alzheimer, em vez de clínica, e, portanto, o foco deve ser o rastreamento de pessoas em risco nesta idade e possivelmente mais jovens, pelo uso de biomarcadores de patologia.
É importante ressaltar que o relatório enfatizou o papel do atendimento especializado.

Embora os serviços de atenção primária à saúde possam (e fazem, em alguns países, como a Suécia) integrar suas atividades aos serviços de atenção secundária e terciária, a suposição de que qualquer novo medicamento necessitará de administração intravenosa provavelmente impedirá que o tratamento seja dado em uma instituição primária. Embora os tipos de especialidades envolvidas nesta área clínica variem dentro dos países da Europa, com os incentivos adequados, essa integração pode se tornar mais disseminada. Segundo o texto algumas medidas poderiam ser realizadas como por exemplo, os médicos de cuidados primários da saúde podem realizar parte do diagnóstico de alterações cognitivas em pessoas pré-definidas em risco, como também treinar enfermeiras para realizar punções lombares, que são mais baratas que PET scans.

Conclusão

Um grupo de economistas da saúde e outras partes interessadas relevantes deve ser convocado para considerar essas potenciais eficiências no contexto do custo de diferentes terapias e discutir com as empresas farmacêuticas como maximizar a acessibilidade e a disponibilidade de medicamentos emergentes.

Muitos desafios estão à frente, mas não devem ser motivo de desânimo. Agora é a hora de começar a desenvolver as soluções para apoiar a disponibilidade e a acessibilidade de terapias efetivas de prevenção e de modificação de doenças para a demência da doença de Alzheimer.

É médico e quer ser colunista do Portal da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Autor:

Referências:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.