Oftalmologia

Quais são as recomendações para exames oftalmológicos em crianças menores de 5 anos?

Tempo de leitura: 3 min.

No Brasil não tínhamos um guideline oficial sobre as recomendações de visitas de crianças de 0 aos 5 anos ao oftalmologista, contando com as especificidades regionais brasileiras e características da população e do sistema de saúde. Em outros países isso já é bem estabelecido. Um artigo publicado esse mês nos Arquivos Brasileiros de Oftalmologia teve como objetivo fazer um guia que engloba a frequência das visitas e os componentes dos exames oftalmológicos em crianças saudáveis de 0 a 5 anos. O guia focou nas evidências científicas e foi desenvolvido considerando a literatura e a experiência clínica do comitê da Sociedade Brasileira de Oftalmologia Pediátrica (SBOP). Foi feita busca no PubMed/Medline e foram consideradas revisões sistemáticas, estudos controlados randomizados e estudos observacionais.

Leia também: Covid-19: Conselho Brasileiro de Oftalmologia lança Manual para Retomada das Atividades

Por causa da ausência de evidência forte, um questionário de 12 itens foi desenhado sobre as recomendações de um exame completo antes de 1 ano de vida e foi distribuído para todos os membros da SBOP. O comitê também revisou as recomendações atuais da American Academy of Pediatrics (AAP), American Association of Pediatric Ophthalmology and Strabismus (AAPOS), American Academy of Ophthalmology (AAO), Royal College of Ophthalmologists (UK) e Canadian Ophthalmological Society. O questionário foi respondido por 193 membros da SBOP. Desses 73,6% recomendaram um exame oftalmológico completo com menos de 1 ano de vida. Houve uma redução nas recomendações de acordo com o maior tempo de experiência clínica. Em relação a porcentagem de atendimento de crianças, 82% dos que atendem prioritariamente crianças (> 75%) recomendaram. Somente 64% dos que atendem uma minoria de crianças (< 25%) recomendaram, mas a diferença não foi estatisticamente significativa.

Recomendações:

Criança com desenvolvimento neuropsicomotor apropriado para a idade é considerada criança saudável na ausência de:

  1. Anomalia ocular aparente (leucocoria, ptose, nistagmo ou estrabismo).
  2. Extrema prematuridade (1.500 g ou menos; 32 semanas ou menos de IG).
  3. Exposição a infecções verticalmente transmissíveis (toxoplasmose, sífilis, citomegalovírus ou Zika).
  4. Doenças associadas com manifestações oculares (desordens metabólicas, artrite idiopática juvenil ou síndrome de Down).
  5. História familiar de doença ocular na infância (catarata, glaucoma ou retinoblastoma).
  6. Suspeita clínica de déficit visual.

Na presença de qualquer uma acima os exames oftalmológicos devem ser realizados idealmente dentro do primeiro mês do reconhecimento da questão.

Neonatos:

  • O teste do reflexo vermelho deve ser feito pelo pediatra nas primeiras 72 horas de vida e repetido durante as consultas pelo menos 3 vezes por ano durante os primeiros 3 anos de vida.

0 a 36 meses:

  • Inspeção de olhos e anexos (pálpebra, conjuntiva, córnea, íris e pupila);
  • Acesso à função visual, fixação ocular e alinhamento ocular pode ser feito por um profissional da atenção primária ou pediatra;
  • 0 a 12 meses:
    • Observar os marcos do desenvolvimento visual : 1 mês – fixação visual; 2 meses – movimentos oculares verticais; 3 meses – segue objetos e faz movimentos sacádicos; 6 meses – alinhamento ocular, foca em objetos; 9 meses – reconhece faces e expressões;
    • Crianças de que não fazem contato visual nos primeiros 2 meses ou não tem sorriso social ou percepção das próprias mãos aos 3 meses, que não pegam brinquedos com 6 meses ou não reconhecem faces com 11 meses devem ser considerados para exame oftalmológico completo.
  • 12 a 36 meses:
    • Fixação (bilateral e em cada olho separadamente);
    • Habilidade de seguir a luz e objetos;
    • Reação a oclusão de cada olho;
  • 6 a 12 meses:
    • Exame oftalmológico incluindo inspeção de olhos e anexos, função visual (fixar e acompanhar monocular), avaliação da motilidade ocular e alinhamento (covertest simples e alternado), refração sob ciclo e avaliação fundoscópica sob dilatação.

3 a 5 anos:

  • Idealmente aos 3 anos: exame oftalmológico incluindo inspeção de olhos e anexos, função visual (optotipos apropriados para a idade), avaliação da motilidade ocular e alinhamento (covertest simples e alternado), refração sob ciclo e avaliação fundoscópica sob dilatação. Se o exame for inconclusivo ou não satisfatório é recomendado novo exame em 6 meses.

5 a 8 anos:

  • Screening visual monocular anual — os com visão pior que 20/40 em pelo menos um olho devem passar por exames oftalmológicos completos.

Saiba mais: Infecções oculares relacionadas a lentes de contato: o que aconteceu nos últimos 30 anos?

Erros refrativos não corrigidos podem ser responsáveis por falha no desenvolvimento neurológico da visão (ambliopia) e respondem por mais de 69% dos problemas visuais na infância. Em crianças em idade escolar os erros refrativos são a principal causa de baixa visão em todo o mundo. Se detectada e tratada precocemente, a ambliopia é a segunda doença ocular tratável, afetando 2-4% das crianças. A ambliopia não tratada pode ter um efeito muito negativo na função visual, qualidade de vida e capacidade laborativa.

Autor(a):

Referências bibliográficas:

  • Rosseto JD, et al. Diretrizes brasileiras sobre avaliação oftalmológica de crianças saudáveis menores de 5 anos: exames recomendados e frequência. Arq. Bras. Oftalmol. 2021;84(6). doi: 10.5935/0004-2749.20210093
Compartilhar
Publicado por
Juliana Rosa

Posts recentes

Mediastinite fibrosante: o que precisamos saber

A mediastinite fibrosante (MF) é uma doença rara, caracterizada pela proliferação de fibrose localmente invasiva…

9 horas atrás

Check-up Semanal: oseltamivir na prática clínica, infecção urinária na gestação e mais!

No check-up semanal de hoje, confira: oseltamivir na prática clínica, infecção urinária na gestação e…

10 horas atrás

Como aplicar uma evidência na prática: decisão médica compartilhada

A nova edição da Revista PEBMED abordará Medicina Baseada em Evidências. Aqui, comentamos sobre o uso…

11 horas atrás

Critérios para insuficiência hepática aguda pediátrica: Orientações baseadas a partir do painel PODIUM 

A insuficiência hepática aguda é uma síndrome complexa, grave e rara em crianças e apresenta…

13 horas atrás

Existe algum grupo de maior risco entre os pacientes com score de cálcio 0 na tomografia de coronárias?

O score de cálcio 0 é associado com baixo risco de eventos cardiovasculares e pode…

14 horas atrás

Nutrição Enteral na UTI: 10 dicas para a prática clínica

A importância da nutrição no paciente grave tem sido cada vez mais reconhecida, especialmente nos…

15 horas atrás