Quais são os fatores de risco para recorrência de coledocolitíase após CPRE? - PEBMED

Quais são os fatores de risco para recorrência de coledocolitíase após CPRE?

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minuto.

Após a colangiopancreatografia retrógrada endoscópica (CPRE) para remoção de cálculos no ducto colédoco, uma parcela significativa de pacientes terá recorrência de coledocolitíase ao longo da vida. Mas quais são os fatores de risco para que isso ocorra? Um artigo do Scandinavian Journal of Gastroenterology investigou essa questão.

Para esse estudo, pesquisadores revisaram retrospectivamente dados de 622 pacientes que foram submetidos à CPRE após colecistectomia durante um período de 10 anos. A taxa de recorrência de coledocolitíase foi de 18,5%.

estetoscópio pendurado no pescoço do médico

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas

Fatores de risco para recorrência de coledocolitíase

Em uma análise univariada, os fatores de risco para recorrência encontrados no estudo foram:

  • Número de pedras (≥2)
  • Diâmetro das pedras (≥10 mm)
  • Composição e consistência das pedras
  • Diâmetro do cálculo no ducto biliar comum (≥15 mm)
  • Padrão de dilatação do ducto biliar
  • Ducto biliar angulado (<145°)
  • Dilatação por balão grande (> 12 mm)
  • História de litotripsia mecânica, esfincterotomia endoscópica ou dilatação da papila com balão

No entanto, na análise multivariada, o número de pedras (≥2), pedra por colesterol e ducto biliar angulado (AOR 2,462; IC95% 1,062-5,711; p = 0,036) foram fatores de risco independentes para recorrência de coledocolitíase após CPRE.

Coledocolitíase: novas diretrizes para diagnóstico e manejo

Referências:

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Entrar | Cadastrar