Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Gastroenterologia / Quais são os fatores de risco para recorrência de coledocolitíase após CPRE?
estetoscópio pendurado no pescoço do médico

Quais são os fatores de risco para recorrência de coledocolitíase após CPRE?

Acesse para ver o conteúdo
Esse conteúdo é exclusivo para usuários do Portal PEBMED.

Para continuar lendo, faça seu login ou inscreva-se gratuitamente.

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

Tempo de leitura: < 1 minuto.

Após a colangiopancreatografia retrógrada endoscópica (CPRE) para remoção de cálculos no ducto colédoco, uma parcela significativa de pacientes terá recorrência de coledocolitíase ao longo da vida. Mas quais são os fatores de risco para que isso ocorra? Um artigo do Scandinavian Journal of Gastroenterology investigou essa questão.

Para esse estudo, pesquisadores revisaram retrospectivamente dados de 622 pacientes que foram submetidos à CPRE após colecistectomia durante um período de 10 anos. A taxa de recorrência de coledocolitíase foi de 18,5%.

Fatores de risco para recorrência de coledocolitíase

Em uma análise univariada, os fatores de risco para recorrência encontrados no estudo foram:

  • Número de pedras (≥2)
  • Diâmetro das pedras (≥10 mm)
  • Composição e consistência das pedras
  • Diâmetro do cálculo no ducto biliar comum (≥15 mm)
  • Padrão de dilatação do ducto biliar
  • Ducto biliar angulado (<145°)
  • Dilatação por balão grande (> 12 mm)
  • História de litotripsia mecânica, esfincterotomia endoscópica ou dilatação da papila com balão

No entanto, na análise multivariada, o número de pedras (≥2), pedra por colesterol e ducto biliar angulado (AOR 2,462; IC95% 1,062-5,711; p = 0,036) foram fatores de risco independentes para recorrência de coledocolitíase após CPRE.

Coledocolitíase: novas diretrizes para diagnóstico e manejo

Referências:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.