Enfermagem

Quais são os limites da autonomia profissional do enfermeiro nos diferentes tipos de assistência?

Tempo de leitura: 3 min.

A autonomia do enfermeiro pode ser vista como uma grande conquista para a categoria e, podemos, através desta, criar a nossa identidade profissional. No entanto, é importante salientar que esta deve estar pautada na Lei do Exercício Profissional de Enfermagem (LEPE), criada em 25 de junho de 1986. 

Somos indispensáveis para os serviços de saúde e a dinâmica destes serviços contam com a nossa competência, saberes técnicos, humanização e nossos cuidados. E dentro dos serviços que prestam cuidados em saúde, temos um grande grupo de participantes, que são os profissionais envolvidos nos diferentes cuidados e o próprio usuário. Os prestadores de serviços de saúde e os usuários realizam escolhas e tomam decisões. Por isto é importante que nós profissionais de enfermagem conheçamos o LEPE para nos guiar em nossas condutas.

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas
Cadastrar Login

Diretrizes para a autonomia do enfermeiro

O conhecimento da LEPE é importante pois através da legislação são criados ou excluídos direitos e deveres do profissional de enfermagem. Conhecer as leis nos empodera para desenvolvermos nossa profissão. Porém muitos profissionais a desconhecem e continuam submissos no que se refere a sua autonomia.

Apresento-vos algumas ações privativas do enfermeiro descritas no Art.11 da LEPE: consulta de enfermagem, participação em projetos de construção ou reforma de unidades de internação, organização e direção dos serviços de enfermagem e de suas atividades técnicas e auxiliares nas empresas prestadoras desses serviços, prescrição da assistência de enfermagem, consultoria, auditoria e emissão de parecer sobre matéria de enfermagem, cuidados diretos de enfermagem a pacientes graves com risco de vida, execução do parto sem distocia, entre outras.

O enfermeiro encontra na saúde pública um lugar privilegiado no que diz respeito à autonomia profissional. Ele atua em áreas gerenciais, assistenciais, de educação e de pesquisa. Ações como consulta de enfermagem, condução de grupos de apoio ao usuário, organização e formação da equipe de enfermagem e atuação plena na sala de curativo realizando e determinando como uma lesão deve ser tratada, são exemplos que evidenciam a amplitude das ações deste profissional em sua autonomia na atenção à assistência primária.

No ambiente hospitalar, também contamos com este profissional que gerencia, que presta cuidados, que atua na educação permanente, na auditoria e em diversos outros campos. Já no que diz respeito à assistência, ações como a sistematização da assistência de enfermagem e a classificação de risco no setor de urgência e emergência demonstram ações de grande autonomia profissional. 

Leia também: Quais são os dispositivos legais que regem a enfermagem?

Fatores que fortalecem a autonomia

Ser experiente, ter conhecimento técnico-científico, se relacionar bem com a equipe, ter a profissão reconhecida e valorizada, também são fatores que reforçam a autonomia do enfermeiro no ambiente hospitalar.

A autonomia se dá não apenas com o conhecimento teórico, mas também com a prática, espera-se do profissional de enfermagem uma ligação entre estes dois itens, que o tornarão um profissional resolutivo e capaz de tomar decisões diante de situações de difícil resolução. 

Importante frisar que a busca por conhecimento e atualização profissional são fatores importantes para que o enfermeiro atue com autonomia e segurança em sua vida profissional.

Autora: 

Referências bibliográficas:

Compartilhar
Publicado por
Liziane Barros

Posts recentes

Intubação na escassez de sedativo: quais as alternativas medicamentosas? [podcast]

Neste episódio, o Dr. Filipe Amado falará sobre como realizar intubação no cenário de escassez…

9 horas atrás

Diagnóstico de mieloma múltiplo: o papel dos exames de imagem

O mieloma múltiplo (MM) é uma neoplasia hematológica que resulta da proliferação clonal de plasmócitos…

10 horas atrás

5 mnemônicos para salvar o plantão

Os mnemônicos, que já são consagrados como estratégia de estudo, também podem nos ajudar na…

11 horas atrás

Tapentadol x Oxicodona para controle da dor pós-operatória

A busca por um opioide com maior perfil de segurança para dor pós-operatória é altamente…

12 horas atrás

Dor no ombro após cirurgia de vesícula: foi a posição?

A dor no ombro é uma queixa bastante frequente após a cirurgia laparoscópica. Foi estudada…

13 horas atrás

Micofenolato de mofetila no manejo inicial da púrpura trombocitopênica imune

Púrpura trombocitopênica imune é uma condição autoimune que autoanticorpos antiplaquetários promovem a destruição das plaquetas…

14 horas atrás