Qual a acurácia de diferentes abordagens diagnósticas da apendicite?

Existem diversas formas de chegar ao diagnóstico da apendicite, o diagnóstico correto poupa tempo e previne complicações.

Apesar de a apendicite ser uma causa frequente de abdome agudo, o diagnóstico ainda é motivo de dúvida e discussão de qual a melhor maneira de ser realizada. A realização de um diagnóstico equivocado leva a apendicectomias desnecessárias, com complicações até elevadas, visto que a causa original da dor não foi abordada. Isto pode ser especialmente danoso em mulheres, na idade adulta, cujo principal diagnóstico diferencial são as infecções ginecológicas.  

De uma forma a amenizar a dúvida e facilitar o raciocínio diagnóstico, foram criadas diversas ferramentas diagnósticas para a apendicite. Elas levam em consideração a história, exame clínico e dados de exames de laboratório e imagem.   

O objetivo do trabalho foi analisar a acurácia diagnóstica de diferentes abordagens, em distintas línguas. 

Saiba mais: Qual a melhor abordagem no tratamento da apendicite aguda?

Qual a acurácia de diferentes abordagens diagnósticas da apendicite?

Qual a acurácia de diferentes abordagens diagnósticas da apendicite?

Métodos 

Foi utilizado uma busca nas diferentes plataformas de pesquisa na literatura médica, com artigos que utilizam métodos clínicos e laboratoriais para o diagnóstico de apendicite. Foram excluídos aqueles que se baseiam apenas no diagnóstico de imagem. Ao final de todas as exclusões necessárias, foram identificados 74 estudos e 82 ferramentas diagnósticas.  

Das ferramentas analisadas, 35% utilizavam apenas informações do exame físico, 26% utilizavam além do exame físico a informação da temperatura corporal, e 7% não utilizavam informação do exame físico do médico, apenas dados informados.  

Resultados 

A acurácia foi estudada para cada ferramenta perfazendo um total de 34.604 pacientes, com uma mediana de 320 (49-2423), entre as ferramentas. O valor preditivo positivo foi possível ser calculado em 56% e foi maior que 90% em 48% das ferramentas. Já em relação a sensibilidade foi reportada ou calculada em 76% das ferramentas, com uma média de 89% (15-100%) e foi maior que 90% em 52% das ferramentas. 

Discussão  

Um total de 82 ferramentas diagnósticas foram avaliadas neste estudo, sendo sintomas e exame físico, incluído na maioria das ferramentas. A acurácia foi alta para a maioria das ferramentas utilizadas, o que significa uma boa correlação dos achados com o que foi encontrado na cirurgia.  

Em conclusão, a maioria dos trabalhos se baseiam no exame físico do cirurgião corroborado por achados de exames de laboratório.  

 Leia também: Pós-operatório de emergência: 2 ou 5 dias de antibióticos após apendicectomia?

Mensagem prática 

Este estudo coloca em números aquilo que já sabemos em relação ao diagnóstico. Uma boa história associada a um bom exame clínico é suficiente para determinar um quadro de apendicite aguda.  

Infelizmente, o aprendizado do exame clínico não é súbito e requer que o médico esteja atento para as sutilezas. A busca do sinal de Blumberg pode ser erroneamente interpretada caso não seja realizada da maneira adequada.  

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe o Whitebook Tenha o melhor suporte
na sua tomada de decisão.
Referências bibliográficas: Ícone de seta para baixo
  • Bahta NNA, Rosenberg J, Fonnes S. Many diagnostic tools for appendicitis: a scoping review [published online ahead of print, 2023 Feb 3]. Surg Endosc. 2023;10.1007/s00464-023-09890-2. doi:10.1007/s00464-023-09890-2 

Especialidades