Reumatologia

Qual a eficácia e segurança dos anti-inflamatórios não esteroidais e opioides no tratamento da osteoartrose de joelho e quadril?

Tempo de leitura: 3 min.

A osteoartrose afeta mais comumente joelhos e quadris de pessoas idosas, causando dor, limitação funcional e redução da qualidade de vida. Os anti-inflamatórios não esteroidais (AINEs), paracetamol e opioides compõem a primeira linha de tratamento farmacológico. Entretanto, apesar da inegável melhora da dor nesses pacientes, o uso dessas terapias farmacológicas em excesso está associado a importantes efeitos colaterais. Uma metanálise publicada no último mês no British Medical Journal buscou evidenciar a eficácia e segurança das diferentes doses desses medicamentos no tratamento da osteoartrose de joelho e quadril.

Leia também: O bloqueio da interleucina 1-beta (IL-1b) na osteoartrite de joelhos e quadril

O Estudo

Foram selecionados 192 ensaios clínicos randomizados publicados em inglês com mais de 100 pacientes por grupo que avaliaram AINEs, paracetamol ou opioides para tratamento da osteoartrose de joelho e quadril. O desfecho primário avaliado foi dor, enquanto os secundários foram déficit funcional e segurança (englobando perda de continuidade de tratamento e efeitos adversos leves ou graves). 

Esses estudos envolveram 102.829 pacientes que foram submetidos a 90 diferentes esquemas terapêuticos de intervenção (68 com AINEs, 19 com opioides e 3 com paracetamol). A administração de Celecoxibe 200 mg/dia foi a intervenção mais investigada (44 estudos) e a média de idade dos participantes ficou entre 48 e 72 anos.

Cinco diferentes tratamentos orais (Diclofenaco 150 mg/dia, Etoricoxibe 60 e 90 mg/dia e Rofecoxibe 25 e 50 mg/dia) tiveram uma probabilidade maior que 99% de efeito de redução da dor. O uso tópico de Diclofenaco (70-81 e 140-160 mg/dia) teve probabilidade de maior que 92,3% de efeito de redução da dor nas artroses de joelho. Contrariamente, o uso de opioides teve probabilidade de menos de 53% de efeito de redução da dor.

Saiba mais: A osteoartrite está associada com maior risco de mortalidade?

A perda de continuidade de tratamento com AINEs orais, tópicos e opioides foi de 18,5%, 0% e 83,3% respectivamente. Quanto aos efeitos adversos, AINEs orais, tópicos e opioides tiveram taxa de 29,8%, 0% e 89,5% respectivamente. Já analisando o déficit funcional, não houve melhora apenas com o uso de paracetamol em doses menores que 2.000 mg/dia.

Conclusões

É importante pontuar que a grande maioria dos estudos levantados tiveram duração de tratamento inferior a 3 meses. O uso do diclofenaco tópico é uma opção interessante para tratamento das osteoartroses de joelho, com boa eficácia e efeitos colaterais minimizados pela baixa absorção sistêmica. 

Quanto às opções orais, o Etoricoxibe 60 mg aparece com a melhor eficácia, sendo importante questionar história de doença cardiovascular do paciente. O Diclofenaco 150 mg/dia é uma alternativa mais barata no nosso meio, com eficácia semelhante, porém com maior probabilidade de efeitos colaterais relacionados principalmente ao sistema gastrointestinal.

O uso de opioides acaba por não ser vantajoso avaliando-se risco-benefício do medicamento. O Tramadol, por apresentar menos efeitos colaterais que outros como a Oxicodona, é o opioide recomendado quando o uso for necessário por um curto período de tempo. 

Autor(a):

Referências bibliográficas:

  • da Costa BRPereira TVSaadat PRudnicki MIskander SMBodmer NS, et al. Effectiveness and safety of non-steroidal anti-inflammatory drugs and opioid treatment for knee and hip osteoarthritis: network meta-analysis. BMJ. 2021;375:n2321. doi:10.1136/bmj.n2321
Compartilhar
Publicado por
Giovanni Vilardo Cerqueira Guedes

Posts recentes

Mais de 20 conteúdos novos no Whitebook

Acesse o blog e confira quais são os mais de 20 conteúdos novos do Whtebook,…

2 horas atrás

Anemia megaloblástica na gestação – Parte 1

A anemia por deficiência de ácido fólico é um tipo de anemia megaloblástica e a…

3 horas atrás

Síndrome de abstinência neonatal e iatrogênica em neonatologia – diferenças e semelhanças

Revisão detalhada e original sobre a síndrome de abstinência neonatal a opioides causada pela exposição…

4 horas atrás

Quando a apneia do sono não precisa ser tratada

Na medicina moderna o sobre diagnóstico é uma situação muito comum. Ele pode ser definido…

4 horas atrás

Por que o LGG na diarreia aguda? [Vídeo]

A diarreia aguda tem uma duração inferior a duas semanas e que em uma maioria…

5 horas atrás

Infecções periprotéticas: diferenças entre as culturas do líquido articular e as intraoperatórias

Um estudo teve como objetivo avaliar o desempenho diagnóstico da cultura do líquido sinovial para…

6 horas atrás